Não abraço só o corpo do meu filho: também abraço sua alma

24 Setembro, 2018
Um abraço é um poema inscrito na pele. É um tipo de linguagem que não precisa de palavras e que dá forma ao amor mais sincero e reconfortante.

Talvez, por isso, entre todos os abraços que você deu em sua vida, aqueles que você dedica ao seu bebê são, sem dúvida, os mais especiais, os mais intensos e ao mesmo tempo poderosos.

Uma coisa que você sabe muito bem é que segurar o corpo frágil do seu pequeno vai muito além do simples ato de carregá-lo ou segurá-lo enquanto você o alimenta. Um abraço é a fusão de dois corações.

Com esse gesto você ultrapassa a pele do seu filho para alcançar sua alma. Para prendê-la muito forte e acariciá-la, ao mesmo tempo em que deixa sua marca para sempre.

No futuro, quando for livre, valente e correr pelos caminhos que ele ou ela escolher, você continuará ali. Em um cantinho privilegiado de seu coração.

Um lugar que você marcou nele quando era muito pequeno através de um amor sadio, forte e eterno que irá sussurrar a cada dia o tanto que ele vale e o que ele merece.

Como mãe ou pai que você é, não perca nem um segundo dos primeiros anos de vida do seu pequeno para permitir que comece a ver o mundo desde o lugar mais seguro do universo: os seus braços.

1. Eu me dou permissão de acariciar sua alma

sua alma

Você tem o pleno direito de acariciar a alma do seu bebê desde o primeiro momento em que ele chega no mundo. De fato, mais do que um direito, é uma obrigação.

Ao colocá-lo sobre sua pele e rodeá-lo com seu abraço envolvente, você dá as boas-vindas a essa vida. Nesse momento, ele sentirá o calor e seus instintos vão acordar para procurar alimento

Você, por sua vez, o atenderá com admiração perguntando-se como algo tão pequeno pode ser tão perfeito.

Esse primeiro contato entre vocês dois vai além de uma descoberta mútua. É o instante em que se consolida o vínculo e no qual o apego já estabelece seus primeiros alicerces.

Você vai ficar admirada e, com cada carícia, deixa as pinceladas do seu amor infinito. Carinhos que desenham a forma da sua alma e o laço que os unirá para sempre.

2. Eu me dou permissão de ser sua casa, seu refúgio, seu mundo protetor

Quando você dá um abraço no seu filho, no silêncio dessas tardes de cochilo que compartilham em comum, você está demonstrando que seu abraço é o lar.

Nesse espaço mágico contido no seu torso, seus peitos e na pele dos seus braços, se encontra todo um mapa de afetos no qual seu filho irá crescer dia a dia, mês a mês.

Ele não vai estar melhor em nenhum outro lugar ao longo do primeiro período do ciclo vital. Então, não poupe abraços, não os economize, não os esqueça.

Porque um abraço é tão importante quanto amamentar. Com os abraços, você favorece o desenvolvimento neurológico do bebê e reforça um mundo emocional mais seguro.

sua alma

3. Eu me dou permissão de demonstrar tudo o que você merece

Um abraço é a reafirmação diária de um vínculo. É um “eu te amo” sem palavras. É um “estarei com você sempre” e um “ você é a pessoa mais importante na minha vida”.

É bem possível que você já esteja dizendo todas essas coisas olhando para seu bebê ou sussurrando ao pé do ouvido. Esse tipo de expressividade emocional tem como finalidade demonstrar à criança tudo o que ela merece.

Toda criança é merecedora de um afeto sincero e constante, de proteção, cuidados e segurança. Portanto, merece a nossa confiança e merecer entender que a vida a espera, que a vida a ama e que lhe aguardam grandes coisas, coisas maravilhosas.

4. Eu me dou permissão de aceitar que um dia você não estará mais nos meus braços

Como mãe ou pai, você sabe muito bem que chegará o dia em que você vai precisar deixar seu filho ir. Após os primeiros passos, chegarão as primeiras corridas.

Em seguida, os jogos com amigos, as tardes nas quais você tem que buscá-lo na escola, as primeiras excursões, etc. Pouco a pouco, vai chegar o momento em que ele ou ela escolherá o próprio caminho em outros mapas, em outras cidades.

Afinal de contas, nossos filhos também são filhos da vida. Cedo ou tarde, ela os exige para si mesma. Para abrir-lhes as portas a novos conhecimentos e experiências longe de nós.

É algo que você sabe e aceita. Porque você entende bem que a sua tarefa já estará feita. Porque, em cada abraço que você deu, ficou uma parte de você. Porque você sabe também sabe que quando menos esperar, seu filho já terá se tornado adulto e te dará um desses abraços que vão te levantar do chão.

sua alma

Será alto, será livre, será uma pessoa linda que, certamente, não vai esquecer onde estão suas raízes. Essas que você alimentou com cada abraço, com cada carícia, com cada sorriso para que seja o ser mais perfeito deste mundo: seu filho…

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.