O amor, uma semente que deve ser regada diariamente

08 Setembro, 2018
O amor é a semente mais frutífera que você deve semear desde o momento em que sentir o milagre da vida em seu interior.

Claro, no início, você verá um pequeno ramo começar a crescer. Mas, com o tempo, você verá florescer os mais belos frutos.

No entanto, há um detalhe que não deve escapar da vista de qualquer mãe ou pai. Pois o amor não é nada mais nada menos do que uma semente que deve ser regada diariamente. Trata-se, então, de alimentar a alma de seu filho com altas doses de paciência e perseverança.

O amor e o humor: o alimento natural infantil

Assim como uma planta precisa de água, toda criança precisa necessariamente receber o amor e o encorajamento dos pais. Desse modo, assim como as árvores crescem fortes, seu pequeno poderá crescer da mesma forma, tanto de corpo quanto de alma.

Quando um pai ou mãe derrama em seu pequeno porções consideráveis de dedicação, atenção e cuidado, o resultado é único. Porque, assim como a mais delicada flor, esse pequeno irá se desenvolver extremamente saudável e bonito.

uma semente

Certamente, na proporção de nosso amor e nosso tempo, encontraremos a autoestima e a segurança do pequeno em seus níveis mais elevados. Sem dúvida, o segredo de qualquer a criação é apoiar a criança oferecendo-lhe autonomia e independência.

Em suma, a presença de todos esses fatores confirmam a necessidade de uma única realidade urgente. Claramente, para o desenvolvimento saudável, a criança não precisa de mais do que a presença dos pais. Não pode faltar quem lhe dê amor em forma de abraços, beijos e carinhos.

Regue o amor por seu filho com cada gesto diário

Pois bem, o que queremos dizer quando falamos de fornecer carinho e contenção para a criança? Porque, certamente, o amor supera inclusive toda a manifestação física. Esse sentimento tão puro e incondicional, que só uma mãe pode sentir por um filho, transcende todos os limites.

A partir daquele momento sagrado em que você entende a força que tem dentro de si para materializar o amor através do mais belo ato e, por sua vez, doloroso. A partir do instante em que seu filho luta para viver. Quando você começa a esquecer aquelas agradáveis noites de sono profundo.

Sem dúvida, falamos de momentos de ruptura. De fatos que a força de sacrifício e entregas de amor te indicam que você se tornou uma mãe.

A medida que seu filho vai crescendo, o amor se manifesta através do tempo que você dedica a ele. Da mesma forma, também temos os momentos compartilhados. Conversas, brincadeiras, olhares – e por que não silêncios? – são momentos únicos e ideais que você deve desfrutar e guardar como um tesouro em seu peito.

uma semente

O aspecto mais importante em dar amor

Sem dúvida, o aspecto mais importante de dar o amor que seu filho tanto precisa é que ele efetivamente o sinta. Parece bobagem, mas a verdade é que, às vezes, o que temos tão arraigado em nossos corações não atinge a pessoa envolvida.

Portanto, de todas as maneiras que você puder pensar, expresse seu amor! Traga-o para fora. Sim, em definitivo, o mais interessante do amor é conseguir com que o bebê se sinta protegido e acompanhado à medida que cresce e aprende. Mas, em paralelo, há uma série de sensações que necessariamente seu filho deve experimentar.

Incluído, respeitado e aceito são alguns dos sentimentos que devem acompanhar a criança diariamente. Contido em suas quedas e reconhecido por suas realizações. Enfim, amado apesar de todas as circunstâncias. Mostre ao pequeno como você é feliz você por tê-lo ao seu lado.

Demonstre para ele como você está orgulhosa de cada passo que ele tem dado na vida. Não importa o quão lento sejam, se forem firmes. Afinal, como mãe, o seu amor é tão grande que só têm olhos para ver com um olhar positivo, compreensivo e empático esse pequeno pedaço do seu ser.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.