O Facebook é seguro para as crianças?

29 de agosto de 2019
Muitos pais se perguntam se o Facebook é seguro para as crianças. Acontece que, embora o Facebook tenha restrições de idade, há muitas crianças que têm uma conta e a utilizam.

Todos nós conhecemos o Facebook, tenhamos uma conta ou não, visto que é a maior rede social do mundo. O Facebook requer uma idade mínima para criar um perfil, e isso tem como objetivo evitar que menores de 13 anos usem o site. Pensando nessa idade mínima, surge a seguinte questão: o Facebook é seguro para as crianças?

É um fato que as restrições de idade ao usar o Facebook geralmente não são respeitadas. Qualquer pessoa de qualquer idade pode criar uma conta. Basta digitar uma data de nascimento falsa no momento da sua criação.

O resultado é que milhões de crianças menores de 13 anos usam o Facebook todos os dias. Aliás, vale lembrar que o Facebook tem uma opção através da qual é possível denunciar que uma criança menor de 13 anos está usando a rede social.

Por que o Facebook proíbe que menores de 13 anos usem o site?

A razão para o mínimo de idade imposto pelo Facebook é, acima de tudo, devido às leis. Essas leis podem variar de um país para outro e impedir o acesso a serviços de Internet por crianças, a fim de garantir a sua privacidade.

restrições de idade

Se fosse pelo seu criador, Mark Zuckerberg, o Facebook seria usado, até mesmo, por crianças mais novas. Devemos nos lembrar de que, em 2011, o próprio Zuckerberg disse que acreditava que o limite de idade deveria ser reduzido para que crianças mais jovens pudessem usá-lo com fins educativos. Por isso, fazemos a pergunta novamente:

O Facebook é seguro para as crianças?

Isso criou muita controvérsia. Existem muitos defensores da rede social que acreditam que, por causa da sua utilidade, não faz mal que crianças menores de 13 anos usem uma rede social como o Facebook. Ela poderia ter um uso educativo.

Por outro lado, os críticos são totalmente contra, alegando os múltiplos perigos com os quais as crianças podem se deparar.

O mais importante é entender os riscos reais que o Facebook pode acarretar e, com base nisso, decidir se queremos que as crianças o utilizem. Tudo isso sem ignorar as restrições que o próprio Facebook tem para que crianças menores de 13 anos não usem o site.

Facebook seguro para crianças maiores e menores de 13 anos

  • Se os nossos filhos forem menores de 13 anos, a resposta é muito simples: eles não devem ter uma conta no Facebook. De jeito nenhum.
  • Para os maiores de 13 anos, os riscos estão presentes e alguns podem ser muito sutis. O bullying on-line é o mais óbvio, mesmo que geralmente afete uma minoria das crianças.

Riscos claros do Facebook

Como não podemos acessar a conta do nosso filho sem a sua senha, e o Facebook não vai fornecê-la por causa das leis de proteção de dados, é possível que você não saiba o que estão publicando, quem são os seus amigos ou quais opções de privacidade foram configuradas.

Saber quem são os seus amigos é algo muito importante, já que muitos abusadores fingem ser crianças. Portanto, é impossível ter certeza de que a criança está se comunicando apenas com outras crianças que ela realmente conhece.

Riscos claros do Facebook

Como um risco mais sutil, temos o fato comprovado de que o Facebook geralmente faz com que as pessoas criem uma imagem ideal de si mesmas e tentem mantê-la. Isso causa uma grande competição social e pode fazer as crianças se sentirem mal, incompetentes, não aceitas socialmente, etc.

Além disso, assim como acontece com qualquer site, pode ser difícil ou impossível apagar algumas coisas, seja uma imagem ou qualquer outra coisa. A pegada digital é criada e corrigir isso meses ou anos depois pode vir a ser um verdadeiro problema.

Se as crianças decidirem criar uma conta no Facebook

Sem dúvida, temos o outro lado da moeda. Se percebermos que os nossos filhos (maiores de 13 anos) decidiram criar uma conta no Facebook, podemos estabelecer regras básicas para eles e explicar os perigos que podem enfrentar.

Obviamente, haverá riscos. Mas é uma questão de considerar que na vida sempre há riscos e é melhor aprender a enfrentá-los do que tentar evitá-los para sempre. Mas devemos nos lembrar de que, gostemos ou não, o peso de decidir se os nossos filhos devem usar o Facebook vai recair sobre nós.