O medo das crianças de ficarem sozinhas

· 24 de março de 2018
As crianças são propensas a experimentar uma múltipla variedade de temores. Um dos medos mais comuns é o de ficarem sozinhas em muitas situações. No entanto, geralmente é um sentimento que desaparece com o passar dos anos e a chegada da maturidade.

Já desde muito cedo, as emoções afloram e fazem parte de nós por toda a vida. Elas nos proporcionam as ferramentas necessárias para resolver os problemas que vão surgindo no caminho.

Por isso, hoje vamos nos focar no medo das crianças de ficarem sozinhas. Uma sensação que, seja real ou imaginária, nos permite evitar um perigo e agir com precaução.

“O medo da solidão é um medo comum nas crianças. Elas gostam de estar com os pais por perto e sentir que recebem a atenção deles”

Quando o medo das crianças de ficarem sozinhas aparece?

As emoções primárias são inatas. O medo é uma emoção que, embora em uma primeira instância seja complicada, é necessária para a sobrevivência e é adquirida com a experiência direta.

A principal razão dessa afirmação é que permite ficar a salvo em situações extremas de risco que surgem na vida. O sentimento de terror varia dependendo da idade e da personalidade da criança, algumas são mais propensas a serem mais medrosas que outras.

Normalmente, esse medo de ficarem sozinhas costuma aparecer nas crianças entre os 2 e 4 anos de idade. Esse medo aparece associado a outro tipo de temores, como, por exemplo, medo de animais, máscaras, escuridão ou fantasias, entre outros.

No entanto, esse medo, que surge naturalmente, vai desaparecendo progressivamente com o passar dos anos. As crianças passam a tentar se sentir mais velhas quando veem que são capazes de fazer as coisas sozinhas.

medo das crianças de ficarem sozinhas

Como ajudar as crianças quando sentem muito medo de ficarem sozinhas?

Quando o medo de ficarem sozinhas se prolifera nas crianças, é preciso tentar ajudá-las para que aprendam a desfrutar da solidão. Ou seja, mostrar para elas, de maneira progressiva, uma forma de enfrentar momentos sozinhas, mas por períodos curtos de tempo no começo.

Estes são alguns dos conselhos propostos para conseguir ir deixando de lado esse medo que invade a mente de algumas crianças:

  • Começar a brincar sozinhas no quarto, sem a nossa presença contínua.
  • Permitir que realizem algumas tarefas sem companhia. Coisas simples como sair para comprar pão ou ir à escola. Desde que deixemos claro para elas que são apoiadas por alguém.
  • Contar para elas como vai ser a nova experiência que vai enfrentar. Por exemplo, através de uma história.
  • Perguntar e conversar com a criança sobre o que a preocupa.
  • Ensinar as crianças a serem donas das suas emoções, ou seja, a controlar adequadamente as emoções.
  • Não deixá-las fugirem da situação que causa medo. Isso pode provocar ansiedade e angústia.
  • Não menosprezar a importância do que sentem. É necessário deixar claro que não podemos evitar que determinadas emoções venham à tona. Todos os seres humanos temos o direito de mostrar o que acontece conosco, inclusive o medo.
medo das crianças de ficarem sozinhas

Como as crianças reagem quando sentem medo?

Quando ainda são bebês, podem reagir com sobressaltos ou choros. Depois, além de chorar, as crianças tentam evitar a todo custo a fonte do medo e procuram a companhia de um adulto que as proteja.

Às vezes, simplesmente, passam por alguma mudança na conduta habitual. Por exemplo, podem manifestar alguma regressão nos hábitos, voltando a fazer xixi na cama ou a chupar o dedo quando já tinham deixado tais hábitos para trás.

Os medos não são motivo de grandes preocupações. Mas se forem tão intensos e persistentes que chegam a repercutir negativamente no desenvolvimento da criança, na sua vida cotidiana ou nos seus estudos, e a família, apesar dos esforços, não souber como lidar com a situação, seria conveniente procurar um profissional.

O medo das crianças de ficarem sozinhas pode ser complicado de superar quando elas se apegam fortemente a alguém. Quando uma pessoa percebe que precisa resolver as coisas sozinha, sem ninguém que a apoie ou mostre os passos que deve seguir, aprenderá que é capaz.

Se sempre tiver alguém que faça as coisas por ela, pode ficar para sempre acomodada esperando que outras pessoas resolvam seus problemas.

No entanto, isso também pode ser enriquecedor para as crianças. Pois, à medida que o medo vai desaparecendo, esse sentimento se transforma em força. É um sentimento que vai proporcionar os recursos necessários para enfrentar tudo o que a pessoa se propuser a fazer.