O que é uma anexectomia: tipos de procedimento

· 29 de abril de 2019
A remoção dos anexos uterinos – anexectomia – é uma intervenção cirúrgica recomendada para pacientes com patologias graves. No artigo a seguir, vamos conhecer em que consiste a operação, bem como suas causas e consequências.

O termo histerectomia é comum para muitas pessoas, mas nem todo mundo sabe o que é uma anexectomia. Esse procedimento cirúrgico consiste em remover as trompas de Falópio e os ovários em resposta a tratamentos de doenças consideráveis. Pode até mesmo ser uma solução alternativa para não fazer uma histerectomia.

Os resultados imediatos obtidos com essa intervenção são a suspensão dos efeitos dos hormônios no organismo feminino. Certamente, também contribui para a erradicação de patologias que podem prejudicar outros órgãos, tais como o câncer.

O que é uma anexectomia: causas e consequências

As mulheres que têm doenças tais como câncer, miomas, endometriose grave ou que desejam mudar de sexo são as primeiros candidatas a fazer essa operação.

O procedimento não é completamente invasivo, pois o especialista pode decidir remover apenas um ovário ou trompa de Falópio, de acordo com a necessidade. Dessa forma, a mulher não anularia completamente suas chances de ser mãe.

A anexectomia é feita graças a diversos procedimentos. Pode ser total ou parcial, de acordo com as necessidades das condições da paciente.

Tipos de anexectomia

Para entender melhor o que é uma anexectomia, vamos definir os seus vários tipos:

Anexectomia parcial: direita ou esquerda

Com esse procedimento, o ovário, as trompas de Falópio ou ambos são removidos de forma localizada, seja do lado direito ou esquerdo.

Tipos de anexectomia

Anexectomia total

A anexectomia total envolve a extração de todos os anexos de ambos os lados. Geralmente, os especialistas tentam fazer outros tratamentos menos invasivos, incluindo a anexectomia parcial.

No entanto, em caso de doenças altamente invasivas, recorre-se à anexectomia total, inclusive até mesmo junto com uma histerectomia.

Como a operação é feita

A ablação dos anexos femininos é feita por meio de três tipos de cirurgias: via abdominal, via laparoscópica ou via vaginal. Para qualquer um dos três procedimentos, a paciente recebe uma anestesia geral, pois é uma operação longa que pode durar de duas a três horas.

O que é uma anexectomia por via abdominal?

Considera-se que esse seja o procedimento mais eficaz e seguro e, além disso, evita complicações futuras. O especialista acessa o útero e os ovários graças a uma pequena abertura análoga àquela realizada quando são feitas cesarianas.

A duração da anexectomia abdominal pode ser reduzida graças ao fácil acesso aos órgãos que serão removidos. Por isso, pode durar menos de duas horas.

“O procedimento não é completamente invasivo, pois o especialista pode decidir remover apenas um ovário ou trompa de Falópio.”

O que é uma anexectomia por via laparoscópica?

A anexectomia por via laparoscópica é usada para suprimir o longo processo de recuperação que a incisão das operações tradicionais pode representar.

Para fazer o procedimento, pelo menos três pequenos cortes são feitos em diferentes pontos; através dos quais pinças, câmeras, instrumentos de corte e gases, tais como gás carbônico ou dióxido de carbono, são introduzidos. Com isso, o abdômen é inflado para obter um melhor acesso e visibilidade da área que será manipulada.

O que é a anexectomia por via vaginal?

As candidatas para fazer essa intervenção são as mulheres que já tiveram um ou dois partos. A razão é que o canal vaginal deve ter uma dilatação específica para que o médico faça a operação de forma confortável.

Por via vaginal, o ginecologista vai se aproximar da cavidade abdominal com seus instrumentos e, a partir daí, extrair as tubas uterinas e os ovários.

As pacientes que se submetem a esse procedimento em resposta a uma mudança de sexo usam essa técnica apenas se, juntamente com a anexectomia, o cirurgião fizer uma cirurgia estética. Se uma anexectomia for feita apenas para reduzir os efeitos dos hormônios, a via laparoscópica ou abdominal será usada.

Anexectomia por via vaginal

Existem riscos nos três tipos de procedimentos descritos; tais como possíveis hemorragias ou infecções. Por sua vez, alterações hormonais podem ocorrer devido à interrupção dos processos normais dos ciclos femininos.

As consequências imediatas da anexectomia são o aparecimento da menopausa precoce, com todos os sintomas ligados a ela, ou dificuldade para engravidar, nos casos em que não há a extração total dos anexos femininos.

Por fim, é imperativo que a paciente submetida a esse tipo de procedimento verifique todas as opções possíveis com o seu médico. Dessa forma, o profissional deve escolher aquela que melhor se adapta ao seu histórico médico.