O que fazer para aliviar a constipação intestinal nos bebês?

· 15 de julho de 2018
Uma das doenças mais comuns nos bebês em seus primeiros meses é a constipação intestinal, mas pode ocorrer em crianças maiores e também pode se repetir em diferentes ocasiões.

A constipação intestinal causa desconforto aos pequenos e em alguns casos poderia se complicar seriamente se não ajudamos a aliviar.

Para dizer que efetivamente se trata de um problema de constipação, deve-se considerar que o bebê tenha diminuído a quantidade de fezes normais e que também mostre sinais de dor. É possível que a criança chore constantemente e que coloque em evidência o esforço que faz para defecar.

É conveniente ajudar o bebê a se livrar desse problema porque quanto mais tempo as fezes permanecem no cólon, mais elas endurecem e ressecam. Isso poderia causar um episódio doloroso quando elas finalmente forem expulsas. Da mesma forma, as cólicas são parte do desconforto. Os pequeno também são atacados pelos gases e o problema pode se tornar crônico.

constipação intestinal

Como aliviar a constipação intestinal?

Esse transtorno está diretamente associado com a alimentação do bebê, mas em particular é produzido nos primeiros meses de vida porque seu organismo não amadureceu o suficiente para evacuar normalmente. Ao mesmo tempo, é possível que a amamentação não esteja sendo executada de forma correta; isto é, se o bebê não está comendo bem, não terá que evacuar e não se trata de um problema de prisão de ventre.

Em todo caso, é aconselhável ter cautela com a alimentação do bebê. Por exemplo, durante a amamentação é necessário nos assegurarmos que a criança está chupando o mamilo de maneiro correta e consegue extrair o leite. No caso da mamadeira, é conveniente estar ciente de que a fórmula não esteja causando danos. Quanto aos alimentos sólidos, é preferível dar alimentos que não incentivam a constipação intestinal.

É recomendável consultar um especialista se temos notado que em dois dias a criança não tem evacuado e quando tem, suas fezes são muito secas e duras. No entanto, em casa podemos aplicar alguns remédios para ajudar a aliviar o desconforto, entre as principais recomendações temos:

  • Os pediatras sugerem que se incorpore um pouco mais de água na mamadeira, se for o caso.
  • Para algumas mães, têm funcionado as massagens na barriguinha do bebê e nas costas, assim como flexionar seus joelhos.
constipação intestinal

  • Também podemos tentar dar um pouco de água morna, suco de laranja ou de ameixa para os pequenos.
  • Se o problema se tornar persistente, é provável que o pediatra recomende mudar de leite. Às vezes, se trata da incapacidade para digerir a proteína do leite. Por isso, se recomenda o uso de fórmulas à base de soja ou outros.
  • Os banhos com água morna são recomendação de algumas famílias para quem isso funcionou.
  • Quando as coisas se tornam um pouco complicadas, alguns pais optam por ajudar os pequenos por meio do uso dos eficazes supositórios de glicerina. No entanto, é uma prática que não deve ser feita habitualmente.
  • Se o bebê já está consumindo sua alimentação complementar, acostume a lhe dar alimentos ricos em fibras. Alguns alimentos como o arroz, as cenouras e a banana podem aumentar a possibilidade de constipação intestinal.
  • Evite dar laxantes sem receita médica; no entanto, você pode pedir para o seu pediatra prescrever um amolecedor de fezes.

Mas, fique sempre atenta!

O mais provável é que com estes simples métodos o bebê melhore, e também quando o bebê ultrapassa os quatro meses de idade, este problema costuma diminuir. Depois que o organismo se adapta e as comidas começam a ser processadas corretamente, os episódios de constipação intestinal serão cada vez mais escassos.

No entanto, é possível que se trate de um problema crônico. Por isso, a principal recomendação é estar sempre em contato com o pediatra. Também é motivo de preocupação que a criança apresente outros sintomas, tais como:

  • Um bebê com idade inferior a quatro meses não tem evacuado em um período estimado de 24 horas
  • Grande perda de peso
  • Presença de sangue nas fezes
  • Falta de apetite
  • Ligeira ou nenhuma melhora com os tratamentos aplicados