O uso da chupeta e da mamadeira é prejudicial para as crianças?

· 2 de dezembro de 2016

Dizem que “onde há fumaça há fogo”, por isso, é melhor não nos preocuparmos sobre a controvérsia que sempre existiu sobre se é recomendável ou não que as crianças usem a mamadeira e a chupeta. As recomendações se referem ao seu uso limitado nos primeiros meses de vida.

Embora esses objetos sejam muito utilizados pelas mães eles sempre foram objetos de discussão no que diz respeito aos efeitos prejudiciais que podem causar nos bebês. Houve um grande número de pesquisas sobre esse assunto.

Sabe-se que a chupeta serve para contribuir para a diminuição da ansiedade das crianças, e consequentemente reduz o seu estresse. Alguns afirmam que ela pode incidir na diminuição do risco de morte súbita nos recém-nascidos.

Além disso, a mamadeira possui o papel vital na alimentação do bebê porque é muito útil para as crianças que não podem ser alimentadas pelo leite materno por algum motivo. Ela também serve na hora de dar um remédio, água ou outro tipo de líquido, como sucos.

No entanto, são muitos os aspectos negativos para aqueles que usam esses objetos, pois muitos discorrem sobre a possível interferência desses artigos no desenvolvimento do bebê, em especial no que se refere a formação de dentes e da boca, ou até mesmo com relação à mãe.

Qual é o perigo de usar a chupeta e a mamadeira?

Pode dizer-se que o verdadeiro perigo de usar esses objetos é não o utilizar da forma adequada. Ou seja, oferecer a chupeta ou a mamadeira durante o tempo adequado e retirá-lo quando seja preciso, pode ser decisivo no que diz respeito ao seu prejuízo ou benefício.

crianca-com-mamadeira

Foto cortesia de padresehijios.com

Uma das principais preocupações sobre o uso da chupeta, por exemplo, é que, na maioria dos casos, os bebês sofrem quando são separados do seu melhor amigo. 

Essa reação de incômodo que as crianças apresentam quando nós tiramos a sua chupeta é um indicativo de que ele está se acostumando muito ao seu uso. Por isso, é preciso estar atento para perceber essa situação.

Para os especialistas, os perigos que o uso prolongado da chupeta, mamadeira e, inclusive, em situações, como chupar o dedo, podem oferecer são os seguintes:

  • Substituir o mamilo por um objeto artificial que não seja indispensável.
  • Interferir no processo de amamentação porque a sucção é feita de maneira diferente.
  • O bebê deixar de se alimentar da maneira adequada porque não controla o seio da mãe da mesma forma que a mamadeira.
  • Incidir no aparecimento de cáries ou outros problemas odontológicos, em especial quando as chupetas ficam cheias de alimentos doces.
  • Promover o aparecimento de má-formação na boca e estrutura dentária porque o seu uso prolongado impede o movimento correto dos músculos da cavidade oral.
  • Alguns especialistas asseguram que o uso da chupeta eventualmente pode afetar o desenvolvimento normal da linguagem. Isso não se reflete nas crianças que a usaram por menos de nove meses.

É comum que os bebês atuem naturalmente na sucção pois é um reflexo que se desenvolve a fim de que eles possam se alimentar. Tal reflexo está relacionado à sobrevivência, por isso, as crianças podem chupar os seus dedos ou qualquer objeto que simule um mamilo materno. 

Apesar desses objetos artificiais como a chupeta e a mamadeira contribuírem para que o bebê se acalme ou que possa se alimentar de uma maneira diferente da amamentação, é recomendável o uso prudente desses objetos. 

É possível evitar a interferência da chupeta no desenvolvimento do bebê?

crianca-com-chupeta

Foto cortesia de ¿Qué necesita mi bebé?

Embora seja recomendável evitar o uso da chupeta não se pode proibir que as mães acudam a esse objeto para apaziguar os seus filhos. Nesses casos, é indicado atender às recomendações dos especialistas, como por exemplo:

  • Recorrer à chupeta somente depois do primeiro mês do nascimento do bebê.
  • Nunca substituir em sua totalidade a amamentação materna com esses objetos.
  • Promover o uso temporário da chupeta.
  • Evitar recorrer a esse objeto toda vez que ouvir o bebê chorar.
  • Cuidar da limpeza exaustiva da chupeta ou da mamadeira a fim de evitar doenças, como a diarreia.
  • Limitar o seu uso durante o primeiro ano de vida e eliminá-lo no segundo.
  • Evitar forçar o desprendimento da chupeta, por conseguinte, não é recomendável acudir a castigos ou medidas extremas para que as crianças deixem de usá-los.