O que fazer para que meu filho adolescente não consuma álcool?

· 31 de maio de 2018
O interesse pelas bebidas alcoólicas pode ter como causa uma série de diferentes motivos; alguns adolescentes sentem que a bebida os torna mais sociáveis, desinibidos e lhes dá energia. Entretanto, se trata de um problema que os pais devem enfrentar com muito tato e inteligência.

binge drinking (consumo rápido e intensivo de álcool), a publicidade e os bares com consumação livre promovem e incentivam a ingestão de álcool. Hoje em dia, os jovens são capazes de ingerir de quatro a cinco bebidas alcoólicas em somente algumas horas. Inclusive, alguns se embebedam de duas a quatro vezes por mês e seus pais se perguntam: “como fazer para que meu filho adolescente não consuma álcool?”.

Diante dos riscos dessas grandes bebedeiras e outros maus hábitos, os pais se sentem desnorteados diante de tal situação. A primeira recomendação é manter a calma.

O tema deve ser tratado entre pais e filhos e em último caso, com a ajuda de especialistas. E claro, nunca durante o efeito da bebida; se o adolescente chegar bêbado, devemos zelar pelo seu bem-estar e segurança e esperar que o efeito passe. Depois, sem reprimendas nem ameaças de castigo; devemos dialogar.

Meu filho adolescente consome álcool!

Diante de tamanho problema, os especialistas sugerem visualizar as ações possíveis nas diferentes etapas da ingestão da bebida; quer dizer, antes, durante e depois.

Como prevenção, os pais devem fornecer informação relevante aos menores sobre os efeitos negativos do álcool em seu organismo. Também podem estabelecer normas e regras sobre seu consumo.

Nesses casos, a comunicação e a tolerância são fundamentais. Os pais devem saber se seus filhos bebem esporadicamente ou se, pelo contrário, tenham assumido isso como um hábito.

O que consomem, em que quantidades, onde e com quem o fazem? Toda essa informação é bastante valiosa e somente os jovens podem fornecer. O diálogo constante favorece um ambiente de confiança, respeito e compreensão.

álcool jovens
Assim, após se conhecer o padrão de consumo, os pais estarão em condições e têm a obrigação de agir. Para ajudar seus filhos a construir seu projeto de vida, devem conhecê-los bem e saber identificar suas amizades.

É de suma importância estar atentos às atividades realizadas por nossos filhos e também aos ambientes frequentados por eles. Nesse sentido, a comunicação com outros pais nas mesmas condições são ferramentas valiosas.

Muita atenção aos sinais de alerta

Independentemente da causa das bebedeiras, seja por inexperiência ou vício em relação aos efeitos do álcool, devemos ficar muito atentos aos sinais de alerta. Caso o jovem diminua sua concentração e reflexos, abandone as atividades que gostava, gaste mais dinheiro do que habitualmente e aumente o número de saídas, podem existir problemas. É preciso estar alerta e saber prevenir.

Talvez os amigos do adolescente tenham ganhado respeito por consumirem a bebida e ele pretenda conseguir o mesmo. Ou, quem sabe, esteja tentando copiar a conduta de personagens ou mesmo familiares que admira; a aproximação com o álcool pode ocorrer por diferentes motivos.

Alguns adolescentes sentem que a bebida os torna mais sociáveis, desinibidos e poderosos; outros encontram nele uma via de escape a inconvenientes emocionais ou mesmo pessoais. Ainda que não estejam a todo momento com uma garrafa de bebida nas mãos, terão sintomas de falta de interesse e mau humor.

Não devemos tapar os olhos. Os pais devem reconhecer e aceitar quando seus filhos têm um vício em bebida; somente assim poderão ajudá-los. O álcool e seus sintomas são muito fáceis de serem detectados.

“Os pais devem fornecer informações aos filhos sobre os efeitos negativos do álcool em seu organismo”

Quero que meu filho adolescente não consuma álcool. O que fazer?

Atuar com excesso de rigor não fará com que seu filho pare de consumir bebidas alcoólicas. Pelo contrário, pode criar um estado de isolamento e falta de comunicação. Simplesmente, o jovem se negará a conversar sobre suas festas e saídas e buscará maneiras de beber escondido.

As ameaças e os castigos definitivamente não funcionam. Consegue-se mais através do respeito mútuo, do reforço positivo e da informação, assim como pelo bom exemplo dos pais.

Devemos deixar bem claro aos adolescentes o efeito nocivo do álcool e de outras drogas em nosso organismo, especialmente em seu sistema nervoso central. A diversão de umas poucas horas pode acabar em minutos com sua vida ou com o funcionamento adequado de seu organismo. Além disso, ao contrário do que muitos pensam, beber não resolve os problemas: somente os adia.

jovens juntos bebendo

Fatores de risco que devem ser observados

Os pais com filhos adolescentes devem estar conscientes de certos fatores de risco. Entre eles, a falta de informação sobre o álcool e suas consequências, o consumo elevado e habitual em casa, a ausência de normas no ambiente familiar e a falta de respeito entre os membros da família.

Quando temos uma situação sob o efeito do álcool, aparecem os traços impulsivos, as frustrações, a baixa autoestima e a completa ausência de pensamento crítico. Todos são aspectos que os pais não devem deixar passar. Ficar somente preocupado não é nem de longe a solução. Devemos tomar providências depois de fazer a nós mesmos a terrível pergunta: “O que fazer para que meu filho adolescente não consuma álcool?”.