O que pode provocar um aborto espontâneo

26 de agosto de 2018
A maioria dos abortos espontâneos ocorre durante os primeiros meses de gravidez. Estima-se que cerca de 75% dos abortos espontâneos ocorram durante o primeiro trimestre de gestação.

Um aborto espontâneo é a perda involuntária de um feto antes de que ele seja viável, ou seja, quando o feto é capaz de sobreviver fora do útero. Isso não é possível antes da 20ª semana de gestação. O termo se aplica apenas quando a perda ocorre antes da 20ª semana da gravidez. A partir desse momento passa a ser chamado de parto prematuro, uma vez que existe a probabilidade de sobrevivência.

Apesar de o aborto espontâneo ser relativamente comum, pode ser uma experiência muito traumática e devastadora.

Sintomas e causas do aborto involuntário

O principal sintoma do aborto espontâneo é o sangramento vaginal. Esse sangramento pode variar desde uma secreção leve marrom-claro até um sangramento abundante. Outros sintomas incluem cólicas e dor no abdômen, secreção de líquidos ou tecidos da vagina e sensação de fraqueza e desmaio. Se você tiver algum desses sintomas é importante ir ao pronto socorro imediatamente.

Um aborto espontâneo pode ocorrer pelas seguintes razões:

  • Problemas de placenta. Se ocorrer um desenvolvimento anormal da placenta, pode fazer com que o fornecimento de sangue da mãe para o bebê seja limitado.
  • Problemas nos cromossomos. Por vezes, o feto pode receber cromossomos demais ou não receber o suficiente no momento da concepção. Isso provoca um desenvolvimento anormal do feto. Os abortos espontâneos que ocorrem durante o primeiro trimestre estão relacionados principalmente com anomalias cromossômicas no bebê.
  • Anormalidades na estrutura do útero. Um ventre de forma anormal e o desenvolvimento de miomas podem comprometer seriamente o desenvolvimento do feto.
  • Síndrome do ovário policístico. Isso ocorre quando os ovários são muito grandes, causando desequilíbrios hormonais no útero.
  • Colo do útero enfraquecido. Quando os músculos do colo do útero são muito fracos, podem se abrir cedo demais durante a gravidez. Isso levaria a um aborto espontâneo.
  • Estilo de vida. Hábitos pouco saudáveis como fumar, beber álcool ou usar drogas podem causar um aborto espontâneo.
um aborto espontâneo

Além disso, existem certas condições de saúde subjacentes em mulheres grávidas que estão associadas ao aborto espontâneo. São circunstâncias tais como: hipertensão, doença celíaca, diabetes, doença renal, lúpus, problemas na tiroide, HIV, malária, sarampo, sífilis ou gonorreia, entre outros.

Sobrepeso ou baixo peso

Sabe-se que a obesidade aumenta o risco de aborto espontâneo tanto na primeira gravidez quanto nas seguintes. Além disso, estar abaixo do peso também favorece abortos involuntários. As mulheres com um baixo índice de massa corporal também correm maior risco.

De acordo com uma pesquisa recente, mulheres com baixo peso eram 72% mais propensas a sofrer um aborto espontâneo durante o primeiro trimestre da gravidez em comparação com mulheres com um peso saudável.

Cuidado com os medicamentos

As mulheres devem ter muito cuidado com os medicamentos que tomam se souberem que estão grávidas, ou se essa possibilidade existir. É fundamental verificar com seu médico quais medicamentos são seguros tomar durante a gravidez ou quais deverão ser evitados, no caso de que não se tome as medidas devidas para evitar a gravidez. Alguns medicamentos podem afetar seriamente o embrião antes mesmo de saber que ele está se aninhando no útero.

Os medicamentos que devem ser evitados durante a gravidez incluem anti-inflamatórios não esteroides (incluindo o ibuprofeno, o naproxeno e a aspirina), adesivos de nicotina, anti-hipertensivo, antidiabético secretagogo, estatinas, cortisona, contraceptivos, omeprazol.

Além disso, evite o bicarbonato e a cafeína. O bicarbonato produz alcalose metabólica, ou seja, um aumento do pH natural do sangue na mãe e no feto. A cafeína em altas doses aumenta o risco de perder o seu bebê por meio do aborto espontâneo.

um aborto espontâneo

O diagnóstico de aborto espontâneo

Os testes utilizados para diagnosticar aborto espontâneo são os seguintes:

  • Ultrassom transvaginal. Inclui a colocação de uma pequena sonda na vagina para verificar o batimento cardíaco do feto.
  • Exames de sangue. São úteis porque podem determinar se os níveis de gonadotrofina coriônica humana (hCG) e progesterona estão normais. Esses hormônios estão associados com uma gravidez saudável.
  • Exames pélvicos. Determinam se o colo do útero se estreitou ou abriu.

Vale destacar que erros de diagnóstico podem ocorrer. Portanto, é importante que os médicos tenham certeza do resultado através da realização de vários testes.

Como prevenir um aborto espontâneo

Existem várias maneiras de reduzir a possibilidade de um aborto espontâneo. Na verdade, algumas mudanças simples no estilo de vida podem reduzir drasticamente as chances de perder o feto antes das primeiras 20 semanas.

Evitar fumar, beber álcool e consumir drogas durante a gravidez, se alimentar com uma dieta saudável, manter um peso saudável antes e durante a gravidez e ter cuidado para não contrair doenças infecciosas são algumas dessas mudanças. Assim como já foi ressaltado, também é importante limitar o consumo de medicamentos e não tomar nenhum sem supervisão médica.

Da mesma forma, também é importante fazer um exame ginecológico antes de engravidar. Mesmo que você ainda não esteja tentando engravidar, o exame é importante para determinar se existem riscos devido a problemas da mãe e, assim, poder agir conforme a orientação médica.