O que significa a guarda compartilhada?

· 5 de maio de 2018
Diante de um divórcio, o que se dissolve é o relacionamento entre um casal; contudo, o papel de pai e mãe é para a vida toda. As crianças devem usufruir de seus pais por igual. Por isso a guarda compartilhada dos filhos é a opção mais recomendada em caso de separação.

Um dos momentos mais difíceis para um casal é quando já não há mais saída para a continuidade do relacionamento e assim se decide pelo divórcio. Isso acaba sendo ainda mais complicado para as crianças, que gostariam de ver seus pais juntos para sempre.

Visto que elas não são as responsáveis pela situação, devemos enfrentar essa difícil decisão com muita responsabilidade, evitando que as crianças sofram demais nesse complicado momento. Por esse motivo considera-se que a guarda compartilhada seja a melhor opção.

Conheça tudo sobre esse acordo legal que definirá uma nova relação familiar.

O que significa a guarda compartilhada?

É um acordo legal mediante o qual fica estabelecido que ambos os pais quando não estiverem mais casados, serão responsáveis igualmente pelos cuidados das crianças. Isso inclui compartilhar tempo, obrigações e direitos das crianças. Nesse documento fica determinado que os encargos de manutenção são responsabilidade de ambos.

Normalmente, no momento da separação é habitual que os filhos fiquem a cargo da mãe e se estabeleça um regime de visitas para o pai. Situação que não é benéfica para a criança, porque não permite que ela receba a atenção necessária por parte do pai, devido ao pouco tempo designado para essas visitas.

Na guarda compartilhada, é permitido que a criança passe a mesma quantidade de tempo tanto com a mãe quanto com o pai. Dessa maneira, nenhuma das partes se sente prejudicada, os períodos de convivência são estabelecidos de acordo com cada família. Podem ser temporadas, meses, semanas ou mesmo dias alternados entre os pais.

criança pensando na separação de seus pais

O que é preciso para se obter a guarda compartilhada?

Alguns especialistas consideram que a guarda compartilhada causa menos trauma às crianças, já que a figura de nenhum dos pais desaparece de sua vida cotidiana. É lamentável que esse tipo de medida não possa ser aplicado em todos os casos, já que é necessário que os pais tenham uma excelente relação entre si para que a guarda compartilhada possa ser aplicada.

Além disso, os pais devem viver próximos um do outro, a menos que o acordo de convivência seja determinado por tempo superior a um mês.

A lei não pode prever todos os imprevistos e muito menos um juiz pode determinar cada detalhe da vida de um casal que está se separando. É necessário que teoricamente o bem-estar da criança seja determinado em comum acordo com os pais.

Outra forma de ver com objetividade esse procedimento legal é que a guarda compartilhada não começa ao assinar o divorcio. Iniciou na verdade quando o casal decidiu que era chegada a hora de serem pais. Nesse momento, ambos decidiram trazer ao mundo um ser vivo e de maneira conjunta compartilhar a responsabilidade de serem pais.

Portanto, o acordo de guarda compartilhada não deveria trazer nenhuma complicação maior quando ambos concordam que isso será melhor para seus filhos.

Vantagens de optar pela guarda compartilhada

Nem tudo precisa ser negativo depois de tomar a decisão do divórcio. A guarda compartilhada também traz uma série de vantagens:

  • Será respeitado o direito da criança de manter contato contínuo com ambos os pais.
  • Respeita a necessidade emocional de ter uma figura paterna e materna.
  • Demonstra que a decisão favorece uma melhor relação do que a que tinham quando viviam juntos.
  • Evita colocar o menor em um conflito de lealdade de ter que escolher entre um dos pais.
  • Impede o aparecimento de um possível sentimento de culpa nas crianças.
  • Melhora a comunicação entre os pais.
  • Não se vislumbra a figura de um progenitor dominante em relação ao outro.
  • Resulta numa atitude mais clara para que as crianças aceitem e entendam a separação.
  • Evita-se o distanciamento do pai com os filhos.
casal conversando na sala

Desvantagens de optar pela guarda compartilhada

Entre as principais desvantagens podemos citar:

  • O processo de se adaptar a viver em duas casas diferentes ao mesmo tempo.
  • Em cada uma das casas se deve fazer o necessário para oferecer tudo o que a criança precisa.
  • Organizar as rotinas, já que é difícil mantê-las quando se está separado.
  • Ter especial atenção aos horários e hábitos da criança. Isso requer uma boa comunicação entre os pais para não alterar os horários, porque isso pode causar instabilidade emocional nos filhos.

“O acordo de guarda compartilhada não deveria trazer nenhuma complicação maior quando ambos concordam que isso seria melhor para seus filhos”

É preciso que, apesar de toda sua dor pelo rompimento da relação, você se esforce para ter uma boa comunicação com seu ex-parceiro ou sua ex-parceira.

O fato de a relação não ter sido bem-sucedida não significa que vocês não possam ser os melhores pais para seus filhos. A guarda compartilhada trará grandes benefícios a todos e, assim, vocês poderão enfrentar muito melhor essa situação.