O que significa ter o útero hostil?

28 de dezembro de 2018
Uma mulher cujo útero apresente essa condição é incapaz de conceber um filho de maneira normal, mesmo que seja a sua segunda gravidez.

O útero hostil é um dos principais fatores da infertilidade feminina. Refere-se à reação adversa do útero ao processo de fecundação e pode se evidenciar de diferentes formas.

Fala-se de hostilidade uterina quando o ambiente dessa cavidade não é propício para que o espermatozoide permaneça com vida nela.

Nesse sentido, essa situação está relacionada à mucosidade, à acidez e à presença de organismos pouco favoráveis para o correto desenvolvimento do gameta masculino.

De qualquer modo, apesar dos fatores radicais que implicam a infertilidade feminina, podemos falar que por si o ambiente uterino é hostil a todo o tempo, já que para este se trata de elementos invasores que poderiam ser danosos.

É por isso que, para o processo de fecundação se produza de maneira correta, é muito importante que determinadas condições estejam presentes.

Para começar, o fato de a mulher estar ovulando facilita o processo de fecundação do óvulo, pois nesse momento a acidez do útero diminui, as contrações facilitam o deslocamento e a perspectiva está mais clara para os espermatozoides.

Também estão presentes substâncias químicas que atraem os espermatozoides para a direção exata do óvulo. No entanto, isso não impede que milhões deles morram nos primeiros trinta minutos após entrarem pela vagina.

Hostilidade do muco cervical

o útero

Um elemento que pode ser considerado hostil é o muco cervical, uma substância aquosa cuja finalidade é ajudar os espermatozoides a se deslocarem pelas trompas até o óvulo.

Contudo, o pH recomendado para a sobrevivência do conteúdo espermático é sete, que pode ser muito inferior ao do útero. A pouca quantidade dessa mucosidade ou sua baixa qualidade também podem ser prejudiciais.

Da mesma maneira, esse muco pode se tornar muito espesso e acabar impedindo o movimento dos espermatozoides e seu acesso ao óvulo. Esse elemento se coloca como um escudo no colo do útero, o que é uma das principais causas de infertilidade.

Mesmo que de qualquer maneira seja uma secreção pouco amigável para os invasores, o muco tem uma contribuição básica no processo de fecundação, algo que é possível porque o líquido seminal no qual os espermatozoides viajam os protege até onde é possível. 

Por outro lado, não é normal que o muco seja tão hostil, pois a vida não deve ser tão detida de tal forma. Nesse sentido, as causas de sua hostilidade podem ser diversas, mas todas levam ao mesmo problema. 

Entre os fatores que incidem nas alterações do muco cervical, temos:

  • Má-formação na cavidade uterina
  • Cicatrizes ou infecções
  • Miomas
  • Presença de antiespermáticos no muco
  • Alterações hormonais
  • Consumo de medicamentos específicos
o útero

Tratamento

As alterações uterinas ou cervicais que provocam a infertilidade feminina geralmente podem ser tratadas de acordo com a causa, mas nem sempre podemos falar de resultados positivos.

Em todo caso, podem ser utilizadas duchas vaginais se se trata de acidez, tratamentos hormonais e antibióticos.

De qualquer maneira, existem tratamentos que ajudam a diminuir a hostilidade do útero, por exemplo, a inseminação artificial intrauterina.

Há vários tipos de inseminação artificial, mas existe uma que procura evitar que os espermatozoides sejam destruídos pela crueldade do útero. É aquela que permite a inserção dos gametas diretamente dentro do útero.

A inseminação artificial intrauterina é indicada para aquelas mulheres cujo muco cervical é hostil, o que impede o caminho normal dos gametas masculinos até o óvulo.

Entretanto, a fecundação in vitro é uma recomendação um pouco mais efetiva que a inseminação artificial, mas são aconselhadas pelo menos três sessões dessa última antes de buscar o outro método.

Embora através da inseminação artificial intrauterina o problema da hostilidade seja evitado, as alterações no útero podem continuar impedindo a fecundação.