O tédio potencializa a imaginação das crianças

24 Agosto, 2018
Todo mundo precisa se entediar, você também. Ao contrário do que muitas pessoas pensam o tédio não é uma coisa ruim.

O tédio nos ajuda a conectar com nós mesmos, a nos conhecer melhor e a melhorar nossa criatividade e imaginação em benefício do nosso entretenimento. Às vezes, quando você ouve a frase: ‘Mamãe, papai … eu estou entediado “, pode fazer com que você se sinta um pouco aflita. Mas não se sinta mal porque de forma alguma é uma coisa negativa.

Há inclusive alguns pais que pensam que são maus pais porque se sentem responsáveis pelo tédio de seus filhos e tentam resolver esse problema imediatamente.

Costumamos responder ao tédio das crianças proporcionando entretenimento tecnológico ou atividades estruturadas. Mas a verdade é que isso pode ser contraproducente. As crianças precisam aprender a se encontrar e a se relacionar com a vida: com tempo não estruturado.

A importância da brincadeira não estruturada

O tempo da brincadeira não estruturada é muito importante para o desenvolvimento saudável das crianças. Esse tipo de atividade oferece a oportunidade de explorar os seus mundos, tanto o interno como o externo. Portanto, esse é o começo da criatividade. É assim que as crianças  aprendem a interagir uns com os outros e com o mundo. Elas prendem a imaginar, inventar e acima de tudo, criar.

O tempo não estruturado também desafia as crianças a serem capazes de explorar suas próprias paixões. Se as mantivermos ocupadas só com aulas e atividades estruturadas, elas vão tentar preencher o tempo com o entretenimento de aparelhos  eletrônicos.

Dessa forma, elas nunca aprenderão a responder ao que o seu coração manda a cada momento. Você não vai ver seus filhos quererem construir alguma coisa no quintal de casa, montar um filme com os amigos, ou estudar os erros que existem na calçada, como fazia Albert Einstein.

o tédio

Esses chamados do nosso coração à imaginação e à criatividade são o que levarão as crianças a sentirem suas paixões, a fazer com que a vida tenha sentido. Por isso é tão importante ficar entediado durante a infância. Pois é o momento de despertar todas essas paixões. Somente quando as crianças se sentirem livres para explorar o mundo e  seguirem os seus próprios interesses, vão estar realmente aprendendo e melhorando a criatividade e a imaginação.

O que fazer se seu filho disser que está entediado

Se seu filho disser que está entediado, você deve parar o que está fazendo e se concentrar em seu filho por pelo menos 5 minutos. Use esse tempo para se conectar com ele, conversar, demonstrar apoio, ouvindo-o com atenção. Dessa forma, seu filho poderá recarregar suas baterias com energia positiva e voltar ao seu caminho rapidamente.

Se ele não quiser brincar, talvez apenas necessite um pouco mais de tempo ao seu lado. Quando as crianças choram porque estão entediadas é porque elas não sabem se concentrar e precisam de um tempo de conexão mais profunda com você.

Ofereça ajuda para que seu filho se envolva no que você estiver fazendo. Ou faça uma pausa no que estiver fazendo e faça algo com ele. Deixe que ele sinta que você está ao lado dele. Não só para ensiná-lo, mas também para estar com ele e passar tempo de qualidade juntos.

o tédio

Uma vez que você tenha certeza de que a criança possa continuar brincando por contra própria, pode dar algumas ideias do que fazer e brinque sozinha. É essencial que as crianças tenham a oportunidade de decidir por si mesmas como usar os tempos não estruturados e aprender a gerenciá-los. Um dos maiores desafios dos adultos é aprender a administrar bem o tempo. O segredo, na verdade, está em aprender a se entediar com sucesso na infância.

  • Antón, M. C. (2012). El aburrimiento. Perspectivas en Psicología: Revista de Psicología y Ciencias Afines, 9(3), 104-109. https://www.redalyc.org/pdf/4835/483549016015.pdf
  • Christian, M., & Roldán, P. Aburrimiento y Espacio.
  • Ovalle, J. (1993). Poemas divertidos para niños aburridos. Editorial Universitaria.
  • Salanova Soria, M. (2009). Organizaciones saludables, organizaciones resilientes. http://repositori.uji.es/xmlui/handle/10234/73232
  • VELASCO, J. R. CURA CONTRA EL ABURRIMIENTO. LA FILOSOFÍA COMO RESISTENCIA ALES, 103.