Odontopediatra: o que é e qual a sua função

O odontopediatra é um profissional da saúde que desempenha um papel fundamental no cuidado com a boca dos pequenos. Você já tinha ouvido falar nele?
Odontopediatra: o que é e qual a sua função

Última atualização: 26 maio, 2022

O cuidado com a saúde bucal desde cedo é essencial para evitar complicações futuras. E nesse sentido, o odontopediatra é um profissional especialmente treinado para preservar o bom estado da boca das crianças.

Escolher um dentista especializado no cuidado dos pequenos tem muitas vantagens e neste artigo vamos falar sobre eles em mais detalhes.

O que é um odontopediatra?

Como já prevíamos, o odontopediatra é um profissional da saúde que se dedica aos cuidados bucais das crianças. Em outras palavras, ele tem uma especialização odontológica (ou pós-graduação) que se concentra no cuidado e tratamento da boca dos pequenos.

Esse ramo da odontologia, além de aplicar conhecimentos relacionados à prevenção e aos cuidados com a saúde bucal, leva em consideração o aspecto psicológico da criança. Pois bem, a necessidade de criar um vínculo afetivo com o pequeno paciente é fundamental para conseguir uma melhor recepção dos tratamentos.

Além disso, esse profissional considera a importância do apoio dos pais no cuidado dos filhos. Portanto, a educação de adultos também faz parte do cuidado como um todo.

Em geral, o odontopediatra é o primeiro contato das crianças com a área odontológica. Sua ação na saúde dos pequenos começa no momento nascimento e continua até a adolescência.

Recomenda-se que a primeira consulta com o odontopediatra seja feita antes do primeiro aniversário da criança e depois continue com visitas regulares a cada 6 ou 12 meses, dependendo do que o profissional recomendar.

Esse acompanhamento permite o monitoramento próximo do crescimento e desenvolvimento dos maxilares do bebê e o controle da erupção dentária. No caso de um problema aparecer na boca, ele é detectado e tratado precocemente.

Quem o odontopediatra trata?

O principal eixo da odontopediatria é a prevenção, sendo seu objetivo ajudar as crianças a desenvolver hábitos saudáveis que promovam a sua saúde oral desde cedo. Esse profissional procura que os pequenos se comprometam com os cuidados e a higiene da boca, que prefiram uma alimentação equilibrada e saudável e que consigam ter uma atitude positiva perante as visitas ao dentista.

O odontopediatra cuida do bebê desde o nascimento e o monitora durante a infância, adolescência e início da idade adulta. Como dissemos anteriormente, nesse processo a família tem um papel ativo. Portanto, o cuidado no consultório inclui as crianças e seus cuidadores.

A tarefa do odontopediatra começa, idealmente, antes do nascimento da criança. Através da orientação da mãe durante a gravidez.

Bebê no dentista pela primeira vez.
O odontopediatra é responsável pelo cuidado e prevenção da saúde bucal dos pequenos.

Funções do odontopediatra

Já mencionamos vários aspectos fundamentais na higiene bucal pediátrica, como prevenção e cuidados com a saúde bucal, conexão emocional e vínculo com o paciente. Mas abaixo, contaremos em detalhes as funções mais importantes do odontopediatra.

1. Promove a saúde bucal e previne as doenças mais frequentes da boca

A cárie dentária é uma das patologias mais frequentes na infância. O seu aparecimento depende, em grande medida, de alguns comportamentos nocivos. Por exemplo, higiene bucal inadequada e dietas ricas em açúcar. Da mesma forma, o acúmulo de bactérias e restos de comida na boca também predispõem as crianças a sofrerem de gengivite e mau hálito.

Nesse sentido, o odontopediatra ensina a pais e filhos a prática correta da higiene bucal e sua importância. Ele vai insistir em cada consulta em manter a boca limpa e remover a placa bacteriana com limpeza oral desde o nascimento. Mesmo com a escovação dos dentes, também necessário fazer uso de fio dental e creme dental com flúor quando os primeiros dentes aparecem na boca.

Além disso, o profissional orienta os pais quanto à alimentação dos filhos. Manter uma alimentação variada e nutritiva, evitando alimentos ultraprocessados e excesso de açúcar, é essencial para manter a boca saudável.

Além disso, ele também faz recomendações sobre as texturas dos alimentos para favorecer a mastigação e, assim, permitir o correto desenvolvimento das estruturas orofaciais.

Algumas práticas odontológicas específicas também ajudam a prevenir doenças bucais em crianças. Desse modo, o dentista pode realizar limpezas dentárias, aplicar tópicos de flúor ou fazer selantes em molares permanentes recém-nascidos.

2. Gerencia a ansiedade odontológica

As visitas ao dentista podem produzir medo, medo ou ansiedade em algumas crianças. O odontopediatra possui diversas estratégias para tornar o momento do atendimento uma situação prazerosa que a criança possa aceitar e até mesmo se divertir.

O dentista pode usar jogos, músicas, demonstrações, interpretação de de papéis e outras táticas para ajudar as crianças a se familiarizarem com o ambiente e as práticas odontológicas. As visitas frequentes e curtas, assim como o tratamento afetuoso, são fundamentais para que as crianças ganhem a confiança necessária para aceitar esse tipo de cuidado.

3. Controla o crescimento dos dentes e o desenvolvimento da boca

Desde que a criança visita o dentista ainda bebê e durante toda a infância e adolescência, o odontopediatra acompanha o desenvolvimento de sua boca.

O profissional pode detectar qualquer alteração no crescimento dos maxilares ou no nascimento dos dentes. Além disso, a presença de hábitos nocivos ou disfuncionais que podem colocar em risco o crescimento adequado da boca ou o posicionamento dos dentes. Além disso, busca encontrar uma solução adequada para todos os possíveis problemas.

Se julgar conveniente, encaminhará o paciente a um ortodontista. Ou se ele próprio for especializado nessa área, algo muito comum entre odontopediatras, aplicará os tratamentos ortodônticos correspondentes.

4. Trata patologias orais

Nos casos em que as crianças apresentam ou desenvolvem um problema na boca, o odontopediatra será o responsável pelo diagnóstico e tratamento da situação. Para isso, ele recorrerá a diferentes procedimentos e técnicas que lhe permitirão recuperar a saúde perdida da criança.

Os tratamentos dentários mais comuns para crianças incluem obturações, coroas ou selantes para restaurar cavidades ou tratar defeitos de esmalte. Além disso, são feitas limpezas dentárias para tratar a gengivite.

Nos casos necessários, o odontopediatra indicará o uso de medicamentos, por exemplo, para controle de dores, infecções e alterações na mucosa e tecidos moles da boca.

O dentista infantil pode realizar canais radiculares para preservar dentes muito danificados ou extrair dentes que não podem ser preservados. Dependendo da necessidade do caso e das particularidades do paciente, utilizará anestesia local, sedação ou anestesia geral.

Quando se perdem dentes de leite prematuramente, o dentista infantil procederá à reabilitação correspondente. Isso irá restaurar a estética e funcionalidade e manter o espaço até a erupção dos dentes definitivos.

Dentista ensinando criança a escovar os dentes.
A prevenção de doenças bucais inclui a rotina de check-ups semestrais ou anuais na infância.

5. Gerencia traumas dentários

Batidas na boca são situações bastante frequentes durante a infância e a adolescência. O odontopediatra é o profissional mais indicado para tratar essas situações traumáticas em crianças.

Existem vários procedimentos que buscam devolver a normalidade à boca lesada, e a escolha de um deles vai depender do grau de acometimento dos tecidos moles, se são dentes de leite ou elementos permanentes ou se há dano ao osso alveolar.

Portanto, se seu filho bater na boca, é fundamental entrar em contato com o odontopediatra imediatamente. O profissional irá orientá-lo sobre como agir e aguardará seu pequeno paciente no consultório para ajudá-lo após o acidente.

6. Cuida de pacientes com deficiência

Além do exposto acima, a formação do odontopediatra oferece diversos recursos úteis para cuidar de pacientes com diversas deficiências, sejam crianças ou adultos. Por exemplo, pessoas diagnosticadas com síndrome de Down, paralisia cerebral, transtorno do espectro autista, entre outros.

Em geral, um profissional fará parte da equipe de atendimento aos pacientes com fissura palatina, fissura labial e outras anomalias craniofaciais.

A importância de visitar o odontopediatra

Evitar problemas dentários desde cedo permite que a boca das crianças se desenvolva e exerça suas funções normalmente. Assim, comer, conversar, interagir e sorrir não será uma preocupação para elas. Além disso, com uma cavidade oral saudável, evitam-se tratamentos mais complicados, desconfortáveis e caros.

Levar seu filho ao odontopediatra desde bebê é uma atitude muito benéfica para o cuidado com a saúde dele. E ter um profissional capacitado para atendê-lo lhe dará muita tranquilidade e fará com que você se sinta acompanhada na tarefa de buscar o bem-estar do seu filho.

Pode interessar a você...
É necessário tratar as cáries em dentes de leite?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
É necessário tratar as cáries em dentes de leite?

Você já ouviu o mito de que as cáries nos dentes de leite não devem ser tratadas porque eles vão cair? Saiba tudo sobre esse importante tema!



  • Leache, E. B., Quesada, J. B., Quesada, M. C., Ballesta, C. G., & Mendoza, A. (1995). Odontopediatría (pp. 85-93). Masson.
  • García, B., & Planells, B. A. M. P. (2011). Odontopediatría. La evolución del niño al adulto joven. Madrid-España: Ripano.
  • De Andrade Massara, M. D. L., & Barbosa Rédua, P. C. (2014). Manual de Referencia para procedimientos clinicos en Odontopediatria. In Manual de referencia para procedimientos clínicos en odontopediatría (pp. 264-p).
  • Atapoma, J. A., & Pizán, M. E. D. (2010). Manejo del dolor en odontopediatría. Revista Estomatológica Herediana20(3), 166-166.
  • Abanto, J., Imparato, J. C. P., Guedes-Pinto, A. C., & Bönecker, M. (2012). Anomalías dentarias de impacto estético en odontopediatría: Características y tratamiento. Revista Estomatológica Herediana22(3), 171-171.
  • Bellet, L. J., Sanclemente, C., & Casanovas, M. (2006). Coronas en odontopediatría: revisión bibliográfica. Dentum (Barc.), 111-117.
  • Chinchilla Figueroa, H. S., & Yepez Devia, S. D. (2021). Técnicas de adaptación no farmacológicas usadas en odontopediatría para disminuir la ansiedad durante la consulta odontológica. Revisión de la literatura.
  • Zambrano Palma, P. M. (2011). Farmacología aplicada a la odontopediatria (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología).
  • Baldeón Arellano, G. A. (2019). Farmacología aplicada a la odontología pediátrica.
  • Abréu, W., & Poche, A. (2018). Efectividad del uso de la musicoterapia en el manejo de la ansiedad en niños de 5 a 10 años que asisten al área de odontopediatría de la Clínica Odontológica Dr. René Puig Bentz de la Universidad Nacional Pedro Henríquez Ureña, período mayo-agosto 2018.
  • Lema, C., & Paúl, B. (2019). Nivel de ansiedad y miedo a la atención odontológica en pacientes de la Clínica de Odontopediatría de la FOD período 2019, mediante las escalas de Corah (Bachelor’s thesis, Quito: UCE).
  • López, L. A. J., Ugalde, R. R., & López, A. A. D. (2014). Factores de riesgo asociados con el estado de ansiedad en niños de cuatro a seis años de edad que acuden por primera vez con el odontopediatra. Revista de la Asociación Dental Mexicana71(1), 9-15.