Pais arrependidos: e agora o que fazer?

4 de dezembro de 2019
As exigentes primeiras semanas de vida do bebê pode ser tão exaustivas que muitos pais chegam a se sentir arrependidos por terem tido um filho. Diante desse sentimento de frustração, o que podemos fazer?

Você conhece casais que se arrependeram de serem pais? Que estão lutando para lidar com as responsabilidades da paternidade e que se sentem sobrecarregados? Essas afirmações são mais comuns do que muitos imaginam. Pais arrependidos: e agora o que fazer?

Embora seja verdade que o amor pelos filhos sempre prevalece, muitos se perguntam o que fazer para superar esse sentimento de arrependimento. É importante saber que, na verdade, a criação de um filho representa um grande desafio, muitas responsabilidades e desgaste emocional.

Se vocês estiverem atravessando uma fase complicada com relação ao estado de espírito diante da paternidade, a seguir, vamos dar um alento e reafirmar que vocês não estão sozinhos.

Pais arrependidos: e agora o que fazer?

Existem muitas razões pelas quais os pais podem se sentir arrependidos por terem tido filhos. A gama de fatores vai desde a angústia da criação, até a mudança radical de vida e não ter liberdade para sair ou se divertir como antes.

Além disso, pode influenciar também o temor pela situação difícil do mundo, com tantos atos de violência, racismo, bullying, etc.

O que fica muito claro para qualquer um é que, sem dúvida, ter filhos muda por completo a vida dos pais. Alguns afirmam que é como ter uma tatuagem na testa: é algo que será permanente e que, a partir do nascimento, vai definir o portador para sempre.

Embora muitas gestações não sejam planejadas, sem dúvida, a paternidade deve ser levada muito a sério e é preciso considerar os sacrifícios e as mudanças que vão trazer a chegada de um novo membro à família. Trata-se de uma vida da qual vocês também terão que se encarregar, por pelo menos 18 anos.

arrependimento de ter filhos

O arrependimento como tema tabu

Vivemos em uma sociedade que é guiada pelas aparências, na qual, atualmente, reconhecer que somos ou pensamos diferente do que a sociedade estabelece como normal pode ser um completo tabu. Isso nos enquadraria na categoria dos perdedores ou das pessoas más.

A partir disso, depreende-se que muitos pais que estão enfrentando dificuldades na criação dos seus filhos sintam que não é possível falar sobre o seu arrependimento com relação à paternidade.

Eles têm essa percepção por medo de irem contra a corrente e de serem vistos como pessoas más. E pior ainda: eles mesmos têm medo de reconhecer seus verdadeiros sentimentos, entendendo que estão arrependidos de verdade.

Esse tema não só é polêmico, como também coloca em evidência situações que se tornam cada vez mais latentes. Por exemplo: o fato de muitas mulheres decidirem não ter filhos, entre as quais encontramos muitas celebridades da televisão.

A paternidade deve ser levada muito a sério e é importante considerar os sacrifícios e as mudanças que a chegada de um novo membro à família vão trazer.

E agora: o que fazer?

Muitos casais decidem ter filhos por causa da pressão social ou como forma de cumprir as exigências que há séculos foram estabelecidas como objetivos finais da vida completa e bem-sucedida de um adulto.

Consequentemente, quando são confrontados a ter que lidar com as inúmeras responsabilidades da paternidade, colapsam mentalmente.

No entanto, existem múltiplas formas de lidar com a situação. A primeira e mais imediata é falar sobre os seus sentimentos. A ajuda de um profissional, seja psicólogo ou psiquiatra, pode ser reconfortante. Eles mesmos podem garantir com qual regularidade tratam nas suas consultas do tema do arrependimento paternal.

Além disso, vocês podem também falar com familiares ou amigos sobre as situações que enfrentam com a paternidade. A compreensão e o amor dos seus entes mais próximos e queridos sempre acabam sendo um bom alívio.

tensões entre o casal

A literatura de autoajuda

Se você é o tipo de pessoa que se interessa por literatura de autoajuda, já foram publicadas muitas histórias e livros que tratam do tema do arrependimento com relação à maternidade e à paternidade, dando os testemunhos de mães e pais que passaram por maus bocados com os seus filhos.

Eles contam, além disso, de que maneira conseguiram lidar com os sentimentos que tomavam conta deles e que não lhes permitiam ter sossego. Sempre é bom lembrar que a depressão e qualquer outro tipo de alteração da mente é tão importante quanto qualquer doença física.

Por fim, se você sente que o arrependimento com relação à paternidade está prejudicando gravemente a sua vida, não hesite em pedir ajuda sem sentir medo de falar sobre o tema.