Pais modernos, pais conscientes

22 Setembro, 2017

O papel dos pais tem se transformado ao longo do tempo. Os pais modernos estão ativamente envolvidos na educação de crianças e são muito conscientes das múltiplas tarefas que realizam no ambiente familiar, que incluem desde cuidados da casa até ninar o bebê em seus braços. Os pais de hoje sabem que sua presença em casa conta muito.

Nos últimos anos, cada vez mais os pais têm deixado o papel do homem apenas como provedor ou reprodutor. Eles conquistaram um degrau a mais e, ao mesmo tempo, têm construído um vínculo mais fértil, nutritivo e enriquecedor, baseado em maior compromisso emocional e do bem estar de seus filhos.

Hoje em dia o número de pais mais participativos e envolvidos na criação de crianças está crescendo. Muitos homens começam a se envolver emocionalmente desde o momento da concepção, acompanhando e apoiando a sua parceira de perto e durante todo o período da gravidez.

Os dias de papais preguiçosos estão ficando para trás

pai que cuida dos filhos

De acordo com estudos realizados pelo Departamento do Censo dos Estados Unidos, o número de pais que ficam em casa para cuidar do bem-estar familiar duplicou na última década. Isso ocorre enquanto a mulher ganha espaço no mercado de trabalho.

Isso acontece não só nos Estados Unidos, mas também em muitos outros países. Cada vez mais os pais escolhem empregos que tenham flexibilidade para poder trabalhar em casa, ou entram em acordo com o parceiro em fazer uma pausa em suas carreiras, para dedicar-se totalmente à criação dos filhos.

Na Europa e nos países da América Latina foram feitas pesquisas para avaliar a mudança na forma como os novos pais estão se relacionando com os seus filhos. A tendência indica que os homens estão desfrutando a experiência de serem pais comprometidos.

Eles se mostram muito carinhos e estão envolvidos 100% na educação dos filhos. Foi identificada, inclusive, uma grande porcentagem de pais que concordam em sacrificar o seu salário ou o desenvolvimento profissional para dedicar mais tempo às suas famílias.

A mudança em gerações já está acontecendo

Hoje em dia muitos pais percebem que têm um relacionamento muito mais próximo com os seus filhos do que tiveram com seus pais. Além disso eles também sentem a necessidade de aumentar a licença de trabalho para passar mais tempo com seus filhos após o parto, e estão muito interessados ​​em estabelecer políticas reais de reconciliação trabalho-família que lhes permita passar mais tempo com sua família.

Pai moderno

Cada vez mais homens estão se tornando conscientes de que empregos e papéis, nem sempre (ou necessariamente) depende do gênero.

As mulheres conquistaram espaços importantes no mercado de trabalho, incentivando a participação do homem nas funções da casa, como as tarefas domésticas e a criação dos filhos, antigamente atribuídas principalmente às mães.

Pouco a pouco estamos indo em direção a um novo modelo de paternidade. E, embora a maior parte do trabalho doméstico e da educação infantil ainda permaneça sob a responsabilidade da mãe, certamente já pode-se notar algum progresso com esse modelo de pai moderno, que também é responsável por conter as emoções do bebê.

A corresponsabilidade e a igualdade são conceitos cada vez mais concretos e não apenas beneficiam as mulheres, mas também os homens. Os pais modernos estão mais abertos à possibilidade de enriquecer sua experiência humana compartilhando tempo de qualidade, criado um vínculo muito mais íntimo com os filhos e a família.

O surgimento de um novo modelo que desbanca o paradigma do pai tradicional da lugar a uma nova linhagem de pais: o pai moderno mais comprometido e ativo na educação e criação dos filhos, que desfruta do tempo com eles criando um vínculo muito especial.

Os pais modernos estão rompendo os estereótipos ao seu redor. A criação e o cuidado dos pequenos não depende apenas das mamães. Hoje eles estão se esforçando para ser melhores pais e isso inclui passar mais tempo dentro de casa, colaborando na construção de um lar cheio de valores e amor.

  • Flandrin, J. L., & Galmarini, M. A. (1979). Orígenes de la familia moderna. Barcelona: Crítica.
  • Ramírez, M. A. (2005). Padres y desarrollo de los hijos: prácticas de crianza. Estudios pedagógicos (Valdivia), 31(2), 167-177.
  • Winnicott, D. W. (1964). The child, the Family and the Outside World. Penguin.