Os pais podem verificar as redes sociais de seus filhos?

21 de setembro de 2019
Em uma realidade marcada pela incessante atividade tecnológica a nível digital, as redes sociais são um claro risco para os pequenos da casa. Por isso, nos perguntamos: os pais podem verificar as redes sociais de seus filhos a fim de prevenir esses perigos?

As redes sociais se tornaram um fenômeno social mundial que mudou a forma como nos comunicamos e vivemos. Mas, para os pais, isso pode ser uma grande dor de cabeça.

Efetivamente, é natural que crianças e adolescentes sintam a necessidade de pertencer a alguma comunidade virtual da qual seus amigos participem. Também é natural que os pais permitam. No entanto, é imprescindível exercer um controle sobre o uso da tecnologia e das redes sociais devido aos riscos que implicam.

Isso não costuma ser uma tarefa fácil e pode gerar conflitos entre pais e filhos. A maioria dos adolescentes não concorda que seus pais verifiquem suas mensagens e redes sociais.

Fica a pergunta: os pais podem controlar, sem prévio consentimento, as atividades de seus filhos na internet? A seguir, veremos alguns elementos que levam à reflexão a respeito do controle que os pais devem ter sobre as redes sociais de seus filhos.

Como controlar o acesso de um filho adolescente às redes sociais?

A intromissão dos pais nas redes sociais dos filhos adolescentes será, sempre, motivo de conflito. E, caso os pais tentem impor ou, em casos extremos, proibir o uso, os jovens encontrarão com facilidade a forma de não cumprir essa norma, optando por abrir um perfil secreto ou modificando a configuração de privacidade.

Controlar o acesso às redes sociais

Por outro lado, as redes sociais não têm só o lado negativo. Elas também são uma boa oportunidade para que os filhos aprendam a socializar e consolidem um grupo de amigos.

A melhor solução é controlar a atividade dos filhos nas redes sociais sem restringi-la. É necessário impor certos limites à atividade a fim de saber o que veem e com que interagem. Mas, é claro, tudo isso vai depender da idade do filho.

Quando os filhos começam a utilizar as redes sociais, é interessante estipular horários e limites. Igualmente, é importante lhes dar assessoria e explicar algumas coisas a respeito dos perigos existentes. É muito útil, por exemplo, que os pais participem e conheçam os contatos que os filhos têm nas redes sociais.

O ideal é encontrar um equilíbrio com o intuito de que os filhos aprendam a confiar e, assim, compartilhar com seus pais aquilo que acessam na rede. Com o passar do tempo, o objetivo é que eles se tornem responsáveis pelo seu uso. Cabe aos pais, por sua vez, respeitar a privacidade de seus filhos e estabelecer pautas progressivas e controladas.

Uma autonomia progressiva

O conceito de autonomia progressiva foi incorporado pela Lei de garantia dos direitos da criança com aprovação recente em países europeus, por exemplo. Conforme promulgado, toda criança tem o direito a desenvolver sua vida privada, gozar de intimidade e manter comunicações sem a interferência arbitrária ou ilegal, cabendo aos pais respeitar esse direito.

Apesar de para muitos esse conceito parecer implicar na proibição para os pais de revisar as redes sociais de seus filhos, o tema, na verdade, é mais amplo. Trata-se da importância da educação nas redes e da incorporação das tecnologias digitais ao cotidiano de crianças e adolescentes.

Verificar as redes sociais

Fica evidente que é quase impossível proibir ou controlar os adolescentes quanto ao uso das redes sociais. Eles sempre encontrarão estratégias para burlar esse controle.

A verdadeira preocupação deveria ser fortalecer as competências dos pais e dos adultos. Em suma, o ideal é que sejam intermediários quando o assunto for o uso das redes sociais.

Os pais têm o direito de verificar as redes sociais de seus filhos sem consentimento?

Durante a adolescência, a maioria dos jovens tende a se afastar dos pais e buscar refúgio nos grupos de amigos. E isso, em algumas ocasiões, pode causar preocupação entre os pais. Pode ocorrer, por exemplo, a suspeita por parte dos pais de que seus filhos têm problemas.

Diante dessas situações e por serem responsáveis por cuidar e por proteger seus filhos, os pais têm o direito de utilizar estratégias que permitam conhecer a vida dos filhos a fim de saber o que está ocorrendo e como podem intervir.

Desde que seja pensando no bem-estar dos filhos, a atitude de checagem por parte dos pais é legalmente justificada, e isso inclui o controle de redes sociais, mensagens de WhatsApp etc.