Peptídeos bioativos do leite: como eles funcionam?

18 Julho, 2020
Para o lactente, o leite é mais do que uma fonte de nutrientes. Um exemplo claro é o seu aporte de peptídeos bioativos, que têm a função de proteger o lactente de um ambiente mais ou menos hostil e, ao mesmo tempo, promover diretamente seu desenvolvimento.
 

Embora o valor nutricional das proteínas do leite seja muito bem conhecido, o valor funcional dos peptídeos bioativos, que derivam da fragmentação dessas proteínas, não é tão conhecido assim. No entanto, durante a última década, sua importância biológica foi reconhecida. Neste artigo, vamos falar mais sobre isso.

O que são os peptídeos bioativos?

Para entender a origem dos peptídeos bioativos, podemos imaginar que cada proteína é um trem de carga. Nesses trens imaginários, os vagões correspondem aos aminoácidos.

Nesse modelo, existem 20 tipos diferentes de vagões e cada trem pode ser tão longo quanto necessário. Dessa forma, o número e a combinação de vagões em cada proteína é o que torna cada proteína única.

Continuando com esse exercício de imaginação, a digestão seria o processo de desmontar esses trens de carga. Os peptídeos são os fragmentos que resultam da digestão de proteínas. É importante destacar que a atividade desses peptídeos se baseia na sua composição e na sequência de aminoácidos inerentes.

Como os peptídeos bioativos do leite são produzidos?

Conforme foi discutido anteriormente, os peptídeos são segmentos que ficam inativos (ou codificados) dentro da sequência da proteína original. A digestão libera e ativa esses peptídeos para que eles executem diversas funções.

Como os peptídeos bioativos do leite são produzidos?
 

Os peptídeos bioativos são derivados das proteínas do leite e podem ser gerados tanto pela ação das enzimas digestivas quanto pelas enzimas microbianas. É interessante saber que o próprio leite materno contém os dois componentes:

  • Enzimas proteolíticas: as mais proeminentes são a pepsina, a tripsina e a quimotripsina.
  • Uma carga microbiana, que inclui uma bateria de bactérias do gênero lactobacilos.

Em geral, o tamanho dessas sequências ativas pode variar de 2 a 20 resíduos de aminoácidos.

Onde eles atuam?

Alguns dos peptídeos bioativos atuam diretamente no trato gastrointestinal. No entanto, outros atuam nos órgãos periféricos após serem absorvidos através da mucosa intestinal. Além disso, agora se sabe que é possível que o mesmo peptídeo possa desempenhar múltiplas funções.

Quais são as funções dos peptídeos bioativos do leite materno?

Foi demonstrado que os peptídeos derivados de proteínas do leite desempenham uma série de atividades que afetam os sistemas digestivo, endócrino, cardiovascular, imunológico e nervoso.

Mais especificamente, os efeitos dos peptídeos bioativos que são benéficos para a saúde incluem atividades antimicrobianas, antioxidantes, antitrombóticas, anti-hipertensivas, imunomodulatórias e opioides, entre outras.

Efeito imunomodulador

A amamentação transmite a imunidade passiva através de múltiplos fatores, e a liberação gastrointestinal de peptídeos imunoestimuladores derivados das proteínas séricas. Por exemplo, esses peptídeos liberados através digestão pela enzima tripsina:

 
  • Derivados de β-caseína: o hexapeptídeo dos resíduos 54-59 e o tripeptídeo dos resíduos 60-62.
  • Derivados da α-lactalbumina: o tripeptídeo dos resíduos 51-53.

Esses peptídeos estimulam a atividade fagocítica dos macrófagos humanos e a explosão oxidativa executada pelos leucócitos polimorfonucleares humanos, quando combatem bactérias.

Efeito antioxidante

Os recém-nascidos, especialmente os prematuros, são vulneráveis ​​ao estresse oxidativo. Além disso, em doenças associadas à prematuridade, há uma maior suscetibilidade ao estresse por oxigênio. É o caso da enterocolite necrosante, da doença pulmonar crônica e da retinopatia da prematuridade.

O leite humano contém muitos antioxidantes enzimáticos e não enzimáticos, tais como superóxido dismutase, glutationa peroxidase, vitaminas E e A e o β-caroteno. Além disso, os peptídeos gerados a partir da digestão das proteínas do leite, através da enzima pepsina, possuem uma poderosa atividade antioxidante:

  • A partir da β-caseína: o peptídeo de 7 resíduos 154-160 e o peptídeo de 3 resíduos 169-173.
  • A partir da κ-caseína: o peptídeo de 6 resíduos de 31-36 e o ​​peptídeo de 6 resíduos de 53-58.

O mecanismo antioxidante proposto para esses peptídeos ocorre principalmente pela extinção dos radicais livres por meio das estruturas de aminoácidos dos resíduos de triptofano e tirosina.

Peptídeos bioativos do leite
 

Peptídeos opioides

As mães que amamentam observam diariamente que os bebês se acalmam após receber o leite. Esse efeito é atribuído principalmente à abundância de triptofano, um precursor da serotonina, nas proteínas do leite.

No entanto, os peptídeos opioides derivados das proteínas do leite também desempenham um papel nos padrões de sono. Além disso, é provável que esses peptídeos desempenhem um papel considerável no desenvolvimento e na função do trato gastrointestinal em bebês.

Os peptídeos opioides atuam ativando ou inibindo os receptores opioides no sistema nervoso central e nos tecidos periféricos. Isso inclui o trato gastrointestinal ou o sistema nervoso entérico.

Até agora, foram detalhadamente estudados os peptídeos opioides derivados de β-caseína e α- lactalbumina designados como β-casomorfinas e α-lactorfinas.

A atividade opioidérgica controla a função gastrointestinal, ou seja, a motilidade digestiva, o transporte de eletrólitos e a secreção de fluidos.

Além disso, também regula o desenvolvimento gastrointestinal, facilitando a produção e a secreção de mucina, por exemplo. Esses opioides também exercem efeitos analgésicos e na indução do sono e adaptação ao estresse.

Peptídeos antimicrobianos

Além disso, um número crescente de peptídeos bioativos derivados da lactoferrina, com ampla atividade antimicrobiana, foram designados como lactoferricinas.

 
  • Wada, Y., & Lönnerdal, B. (2014). Bioactive peptides derived from human milk proteins—mechanisms of action. The Journal of nutritional biochemistry, 25(5), 503-514.
  • Korhonen, H. J. T., & Pihlanto, A. (2006). Bioactive peptides: Production and functionality. International Dairy Journal, 16, 945–960.
  • Clare, D. A., & Swaisgood, H. E. (2000). Bioactive milk peptides: A prospectus. Journal of Dairy Science, 83, 1187–1195.
  • López-Expósito, I., & Recio, I. (2006). Antibacterial activity of peptides and folding variants from milk proteins. International Dairy Journal, 16, 1294–1305.