Perda de gengiva em crianças

As crianças podem apresentar perda gengival por diversos motivos. Vamos contar a que se deve e o que você deve fazer se seu filho tiver esse problema.
Perda de gengiva em crianças

Última atualização: 02 agosto, 2022

Os pais geralmente ficam preocupados quando percebem que os dentes dos filhos parecem mais longos ou têm menos tecido gengival do que os de outras crianças. Para que você saiba do que se trata, neste artigo informaremos o que você deve saber sobre a perda de gengiva em crianças.

A redução das gengivas nos pequenos geralmente ocorre no setor anterior da arcada inferior e, em geral, está associada à erupção de dentes com mau posicionamento. No entanto, outras vezes está ligada a questões diferentes e nem sempre é um problema. Continue lendo e descubra mais sobre essa situação que ocorre na boca dos pequenos.

O que é a perda de gengiva em crianças?

A perda gengival em crianças é conhecida como recessão gengival e é a diminuição progressiva do tecido que recobre os dentes. Quando isso não é abordado em tempo hábil, pode expor as raízes dos dentes e levar a algumas complicações.

A principal função da gengiva é cobrir e proteger a zona radicular dos dentes, mas quando eles retraem, essa proteção se deteriora. Nos estágios iniciais, é comum não notar mudanças, mas à medida que a perda progride, algumas dessas manifestações podem aparecer:

  • Sensibilidade dentária: como a raiz do dente fica desprotegida, as crianças sentem desconforto quando ingerem alimentos frios, doces ou quentes.
  • Dor na linha da gengiva.
  • Inflamação e vermelhidão das gengivas.
  • Mau hálito.
  • Mobilidade dentária.
  • Exposição das raízes dos dentes e aparência de um dente longo.

Como já mencionamos, a perda gengival geralmente acontece no setor dos incisivos inferiores. A seguir, vamos contar por que ela se desenvolve.

jovem adolescente agarra a boca dor de dente escova de dentes copo de água
Sensibilidade dentária ou dor durante a escovação podem ser algumas das manifestações da recessão gengival.

Causas de perda de gengiva em crianças

A origem da perda de gengiva em crianças não é a mesma que em adultos. Em pessoas mais velhas, a causa mais comum é a doença periodontal, mas essa patologia não é comum em crianças.

Por outro lado, nas crianças existem outras razões que podem levá-las a sofrer de perda de gengiva. Estas são as mais comuns:

  • Mau posicionamento dentário: um dente localizado em local inadequado pode se projetar pela gengiva e favorecer sua retração. A erupção dos dentes definitivos às vezes acontece de forma desordenada, principalmente quando há pouco espaço. E na tentativa de “ganhar um lugar” na arcada, os elementos dentários afetam as gengivas.
  • Bruxismo: quando as crianças apertam e rangem os dentes de forma inconsciente e habitual, elas exercem pressão sobre os elementos dentários e os tecidos circundantes. É por isso que as gengivas podem recuar como mecanismo de defesa.
  • Hereditariedade: certos fatores genéticos podem predispor algumas crianças à perda de gengiva. Isso ocorre, sobretudo, em filhos de adultos que também sofrem com o problema. Por sua vez, isso os torna mais propensos a desenvolver doenças periodontais.
  • Escovação agressiva: escovar os dentes aplicando muita pressão e força faz com que as gengivas fiquem irritadas e recuem. Usar uma escova de dentes com cerdas muito duras também pode causar esse efeito.

Tratamento da perda de gengiva em crianças

A perda gengival em crianças será diagnosticada pelo odontopediatra durante a consulta odontológica. De qualquer forma, os pais devem estar atentos a qualquer sinal que os leve a suspeitar que seu filho tem algum problema na boca e consultar prontamente.

Uma vez que o profissional diagnostica a recessão gengival na criança, vários fatores devem ser considerados antes de escolher como proceder. Será necessário determinar a causa, a quantidade de tecido perdido e remanescente, a quantidade de exposição da raiz e se há algum sintoma associado, como sensibilidade.

A idade do paciente, a posição do dente afetado e sua relação com os demais elementos dentários e com o osso também serão levados em consideração, assim como o planejamento de um possível futuro tratamento ortodôntico.

De acordo com os dados obtidos, o dentista pode considerar adequado manter um comportamento de acompanhamento sem realizar nenhuma intervenção. Nesses casos, serão realizados controles regulares por um tempo para acompanhar a evolução. É uma questão de observar e esperar durante o tempo de substituição dentária, principalmente quando os casos não são graves e estão relacionados a dentes permanentes mal posicionados.

Em alguns casos, os tratamentos ortodônticos permitem que os dentes que estão causando o problema gengival sejam realocados. E com o tempo isso vai melhorar a situação. Se o problema for causado por bruxismo, os imobilizadores e os tratamentos destinados a reduzir a tensão na boca serão de grande ajuda.

Em vez disso, se o odontopediatra decidir tratar a recessão gengival, existem técnicas seguras e eficazes para os pequenos. Enxertos gengivais ou a técnica cirúrgica pinhole são algumas das soluções que permitem a reposição da perda gengival em crianças.

menina sentada na cadeira do dentista para controle de check-up feliz sorriso luvas espelho de mão e elemento instrumental pontiagudo
Os check-ups dentários desde o primeiro ano de vida são essenciais para avaliar o processo de erupção dentária e detectar o aparecimento de patologias na boca da criança.

Cuide das gengivas tanto quanto dos dentes

A perda gengival em crianças muitas vezes está relacionada a fatores que não podem ser evitados. De qualquer forma, o cuidado com o tecido gengival sempre ajuda a manter os distúrbios sob controle.

Para cuidar da área gengival do seu filho, você deve prestar atenção à sua higiene bucal. Uma escovação completa que alcance os dentes e gengivas após cada refeição é crucial.

Isso deve ser feito com delicadeza para não danificar as partes moles que queremos preservar. Pelo mesmo motivo, a escova deve ter cerdas macias.

Complementar a limpeza da boca com fio dental, cremes dentais com flúor e bochechos são ações que melhoram os resultados. Alimentar seu filho com uma dieta saudável e limitar a ingestão de açúcar são outras maneiras de promover a saúde bucal.

Por fim, os exames odontológicos a cada 6 meses não devem ser esquecidos. Levar a criança regularmente ao dentista nos permite detectar e resolver qualquer problema que surja a tempo.

Com esses cuidados simples, você poderá cuidar da boca do seu pequeno e ajudá-lo a não ter dificuldades com as gengivas.

Pode interessar a você...
Dor nas gengivas dos bebês
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Dor nas gengivas dos bebês

Um processo natural no desenvolvimento infantil é a dentição. Essa fase pode causar preocupação e geralmente a dor das gengivas nos bebês é o motiv...



  • López, I. B. H., & Concepción, Y. L. N. (2018). Bruxismo del sueño. Medimay25(2), 166-175.
  • Urbina Santamaria, S. (2022). Prevalencia y factores de riesgo de recesiones gingivales. Revisión bibliográfica de la literatura.
  • López-Robledo, J. M., & Roldán, L. A. (2019). Uso de plasma rico en fibrina comparado con colágeno en el tratamiento de recesión gingival utilizando la técnica estenopéica. Ensayo clínico aleatorizado. Ciencia, Tecnología y Salud6(2), 149-157.
  • Amaro-Rivera, Y., Alvarado-Negrón, G., & Manqui-Jara, N. (2020). Prevalencia e indicadores de riesgo de recesiones gingivales en adolescentes de Valdivia en el año 2018. International journal of interdisciplinary dentistry13(1), 21-25.
  • Peña Villamizar, C. E. (2021). Prevalencia, factores de riesgo y consecuencias asociadas a recesiones gingivales. Revisión de literatura.
  • Rosario, C. M., & Dunia, C. L. (2022, January). RECESIÓN GINGIVAL. SU SEGUIMIENTO CLÍNICO Y TERAPÉUTICO POR DIEZ. In I Jornada Virtual de Estomatología 2022. Ciego de Ávila.
  • Palma Romero, R. E. (2019). Fenotipo gingival asociado a las recesiones gingivales en pacientes atendidos en el Centro de Salud Manuel Bonilla en el Callao 2018.