Por quê é tão importante que o bebê engatinhe?

25 de setembro de 2018
Ao engatinhar, o bebê aprende a ter independência, conhece o mundo que o rodeia e perde o medo de experimentar: característica que o possibilitará ser cada vez mais forte e adquirir diferentes habilidades à medida que for cumprindo as mais básicas.

É importante que o bebê engatinhe porque o engatinhar é o exercício que contribui com o desenvolvimento psicomotor de uma criança nas primeiras etapas de sua vida.

Continue a leitura para ampliar seus conhecimentos sobre esses e outros benefícios de engatinhar para os bebês.

O despertar do engatinhar

Por volta dos 8 meses, um bebê começa a ficar insatisfeito na posição sentada. O cercadinho fica pequeno para ele. Ou seja, o bebê tem a necessidade de se sentir livre, como quando a mamãe o coloca sozinho no chão.

Os brinquedos ao seu redor já não são tão interessantes. Não tanto quanto os que ficam a uma certa distância, e pelos quais o pequeno deve fazer um esforço “sobre-humano” sempre que quer pegá-los.

Por isso, ele se joga para frente, se segura somente com uma mãozinha, estica a outra, coloca os pezinhos para trás e.… de repente, começa a dar seus primeiros avanços para engatinhar e alcançar o tão desejado prêmio.

Esse é o despertar do engatinhar.

O engatinhar no desenvolvimento psicomotor

bebê engatinhe

No começo, a criança que tenta engatinhar se arrasta somente com as mãos. Ela deixa sua barriguinha apoiada no chão e as perninhas ficam para trás, bem esticadas, como se não servissem para mais nada.

Com esse exercício, enquanto dá seus primeiros avanços, ela fortalece a musculatura, ainda fraca, dos seus bracinhos.

Em seguida, aprende a ficar em quatro apoios. Isso serve para deixar mais fortes seus quadris, revigorar suas costas, reforçar os músculos do pescoço, das pernas, etc.

Ela também aprende a coordenar braços e pés (habilidade indispensável do engatinhar). Quando se desloca, então podemos dizer que o bebê já está engatinhando.

Em seu próprio experimento, ele notará que pode ir mais rápido ou mais lento conforme quiser, e pode até aprender outras formas como o tão gracioso engatinhar na posição sentada (quando uma criança se arrasta sobre seu bumbum como se fosse um cachorrinho).

O bebê que engatinha aprende a calcular distâncias. “Esse boneco está mais perto, aquele mais longe, tenho que engatinhar um pouco mais se quiser alcançá-lo”. Dessa forma, vai aprendendo a se manter equilibrado sobre quatro pontos de apoio.

A prática constante do engatinhar favorece a coordenação óculo-manual, ou seja, a criança olha para o chão e apoia a mão para avançar. Quando foca ambos os olhos em um mesmo ponto, está prevenindo, de alguma maneira, problemas visuais como o estrabismo.

Essas três habilidades: o controle espacial, o equilíbrio e a coordenação entre as mãos e os olhos, nas primeiras etapas, desenvolvem o sistema vestibular e evitam quedas e tropeço. Na etapa escolar, servirão para aprender a ler e escrever muito mais rápido.

Por que é importante que o bebê engatinhe?

bebê engatinhe

Mamãe, é importante que o bebê engatinhe porque, além de desenvolver a psicomotricidade, é estimulado a ser independente.

A criança que aprende a engatinhar, e o faz diariamente, não precisa da ajuda da mãe, nem de nenhum outro adulto, para se deslocar para onde quiser.

Ela já não tem que esperar que os outros peguem para ela os brinquedos que caíram fora do cercadinho. Se brinca no chão, ela sozinha poderá pegar o boneco que quiser.

Engatinhar dá a possibilidade de que a criança decida por si mesma questões como “para onde quero ir?”. Isso será o princípio de muitas tomadas de decisões que ela deverá aprender e enfrentar em sua vida.

Engatinhar é uma conquista do desenvolvimento que a criança deve vencer. Você não deve mais ficar com ela no colo o dia todo porque um bebê que anda engatinhando pelo chão é feliz.

Estimule seu bebê a engatinhar

Coloque um lençol no chão, coloque-o na posição de engatinhar e deixe alguns bonecos ao redor. Fale com ele com frases encorajadoras para que queira pegar os brinquedos e o ajude a coordenar mãos e pés.

Mas não force! Faça esse tipo de exercício somente se você observar que seu filho se sente bem com isso. Cada bebê é um mundo. Alguns nunca aprendem essa habilidade e isso não significa que terão problemas psicomotores.

Nossa recomendação é que você coloque seu bebê no chão e observe seu comportamento. Ele te dirá se será um bebê mais rebelde, que fica percorrendo a casa o dia inteiro, ou mais preguiçoso, que prefere ter os brinquedos nas mãos e andar para todos os lados no colo.