Qual é a causa da dor abdominal na gravidez?

22 de novembro de 2017

Durante a gravidez a mulher passa por muitas mudanças no corpo. O intestino cresce, ela fica mais sensível e começa a se sentir desconfortável ​​por vários fatores. Um desses fatores são as náuseas, muito comuns nesta fase. Outros, estão relacionados a pequenas cólicas na barriga que muitas vezes assustam. A dor abdominal na gravidez não é necessariamente um sinal ruim, mas é preciso responder algumas questões para ter certeza.

Em princípio, é normal ter pequenas cólicas durante a gravidez. Na primeira fase as cólicas são bastante frequentes. Nos últimos meses também, com as contrações pré-parto. Se elas forem esporádicas e sem muita dor, não há com o que se preocupar.

Além disso, as dores abdominais na gravidez podem ocorrer devido a gases ou constipação causada por alguns hormônios gestacionais que deixam a digestão mais lenta. Também pode ocorrer por causa de um  estiramento dos ligamentos que sustentam o útero, algo que pode acontecer ao praticar algum esporte ou fazer algum movimento brusco.

Quando a dor abdominal na gravidez não é normal?

Se você sente uma dor forte e persistente, consulte o seu médico imediatamente. Se além da dor você também apresenta febre, vômito ou outros sintomas preocupantes, provavelmente significa que algo não está normal. É possível que você tenha um vírus ou infecção. Por isso, é necessário que você seja tratada por um profissional da saúde o mais rápido possível.

Há uma série de problemas mais graves que podem causar dor abdominal na gravidez. Alguns deles não estão relacionados à gravidez, como a apendicite ou a peritonite.

No caso de apendicite, talvez seja necessário realizar uma cirurgia simples. Mas, no caso de peritonite o risco aumenta pois a inflamação do peritoneu é muito perigosa.

dor abdominal na gravidez

Problemas relacionados à gravidez

Gravidez ectópica

A gravidez ectópica ou extrauterina ocorre quando o óvulo é fecundado fora do útero, geralmente nas trompas de Falópio. Os sintomas da gravidez ectópica são: grandes hemorragias, dor no abdômen e na pélvis e dores nos ombros.

A dor nos ombros ocorre devido à acumulação de sangue no diafragma, que pode ser causada caso uma das trompas estiver danificada. Este tipo de gravidez geralmente requer um aborto provocado, porque se as trompas de Falópio se romperem as consequências podem ser fatais para a mãe.

Aborto espontâneo

O aborto espontâneo é uma causa frequente de dor abdominal na gravidez. Geralmente ocorre entre as semanas 13 e 20 e a forte dor é acompanhada por uma grande hemorragia. Também pode incluir dores nas costas e perda repentina de outros sintomas gestacionais.

Sem dúvidas é uma situação muito triste para a mãe, mas devemos ter em mente que a natureza é sábia. Se o embrião não está preparado para sobreviver, é melhor que o próprio corpo o elimine. As gravidezes posteriores podem ser muito mais prósperas.

Descolamento da placenta

O descolamento da placenta é uma complicação grave durante a gestação. Ocorre quando a placenta se desprende do útero antes do parto. Pode ocorrer com uma grande perda de sangue, mas às vezes não, o que torna a situação ainda mais perigosa.

Geralmente essa complicação é acompanhada de cólicas, contrações e dores na barriga. Além disso, também é possível parar de sentir o bebê. Os casos mais comuns ocorrem durante o terceiro trimestre da gravidez, e pode ser um indicador de parto prematuro.

mulher sentada na cama com dor

Pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia costuma ser diagnosticada pela pressão arterial alta e pela presença de proteínas na urina. Em casos mais graves, pode levar à falta de visão e a dores de cabeça intensas. A incapacidade de respirar corretamente e o inchaço do corpo também são sintomas característicos dessa alteração.

Se você notar algum desses sintomas é muito importante consultar o médico o mais rápido possível. Uma pré-eclâmpsia não tratada pode causar danos no fígado, no cérebro, nos rins e no feto. Também é possível apresentar um ganho de peso rápido e sem motivo aparente, causado pela retenção de líquidos.

Parto prematuro

O parto prematuro é aquele que ocorre antes da 37ª semana de gestação. As contrações que chegam antes da hora indicam que o bebê está a caminho. A pressão na pélvis aumenta, assim como a secreção de fluxo vaginal.

Hoje em dia os partos prematuros não representam um problema grave. Os avanços na medicina permitem que uma criança de até 6 meses sobreviva. Isso é possível graças a incubadoras, algo impensável há meio século atrás.

Se você estiver enfrentando qualquer uma dessas situações, tente manter a calma. Quanto mais tranquila você estiver, tudo vai ser mais fácil e a dor vai parecer menor. O mais importante é seguir as orientações dos médicos.

  • Dulay, A. Desprendimiento de placenta (abruptio placentae). Manual MSD- Versión para profesionales. [En línea].
  • Elizalde, V; Calderón, A; García, A; Díaz, M. Abruptio placentae: morbimortalidad y resultados perinatales. Revista de medicina e investigación. 2015. 3 (2): 107-168. DOI: 10.1016/j.mei.2015.07.001