Quando se deve ir ao ginecologista pela primeira vez?

· 17 de novembro de 2018
A preocupação latente com a primeira ida ao ginecologista é normal. Ela pode ser superada com o apoio dos pais, exercícios de relaxamento, respiração profunda e, finalmente, pensando em coisas positivas para liberar a tensão.

Para as mulheres jovens, ir ao ginecologista pela primeira vez pode ser classificado como o teste mais difícil da fase adolescente. Toda mulher experimenta situações desconfortáveis na vida, e as consultas ginecológicos são uma delas.

Na visita ao médico, o nervosismo ataca e as perguntas se tornam abundantes. Por isso, estes temas são confrontados anualmente com uma coragem inigualável.

Não saber o que pensar e a incerteza que essa experiência pela primeira vez traz, fazem com que ela seja mais aterrorizante e difícil de suportar.

Ir ao ginecologista pela primeira vez envolve que as mulheres superem a vergonha e iniciem uma atitude preventiva em relação à saúde.

Quando uma menina deve ir ao ginecologista pela primeira vez?

É necessário conscientizar as meninas desde jovens de que a consulta regular ao ginecologista é importante para prevenir possíveis doenças no futuro.

Por isso, é aconselhável que esta visita seja feita quando as meninas tiverem entre 13 e 15 anos de idade.

Ir ao ginecologista pela primeira vez pode servir apenas para conhecer o médico especialista e preparar o histórico médico. Então, é nesse momento que serão estabelecidas as bases para a próxima consulta.

Geralmente, um exame físico não é necessário neste caso, a menos que haja um problema devido a relações sexuais, à menstruação ou por causa de dor ou sintomas de infecção.

Os exames realizados nas consultas são importantes para monitorar o desenvolvimento ideal e o funcionamento do corpo e a prevenção de qualquer doença.

É necessário que a jovem compreenda a importância do cuidado ginecológico para que, assim, o transforme em um hábito.

ir ao ginecologista pela primeira vez

Exames realizados em uma consulta ginecológica

1.- Exame pélvico

É um exame completo dos órgãos reprodutivos para descartar algum problema. Nele, é examinada a parte externa da vulva, a parte interna com um espéculo —um dispositivo que ajuda a abrir as paredes da vagina— e um exame manual com luvas para tocar os órgãos internos.

Se ainda não aconteceram relações sexuais, um espéculo especial é usado para que seja o menos desconfortável possível.

Os exames pélvicos não representam risco em termos de perda da virgindade, uma vez que as membranas que estão localizadas na vagina ou no hímen já estão abertas e permitem o fluxo necessário para a prática do exame.

Esta pode ser uma situação realmente desconfortável para uma adolescente. Portanto, é aconselhável praticar respirações profundas ou exercícios de relaxamento para, assim, minimizar a sensação de desconforto.

2.- Citologia

É um exame especial usado para detectar células anormais ou pré-cancerígenas na parte inferior do útero. Também pode ajudar a detectar uma infecção.

É feito da mesma forma que o exame pélvico: uma pequena escova é inserida para colher amostras de células. Em seguida, essa amostra é enviada para o laboratório a fim de realizar as análises correspondentes.

“É aconselhável que esta consulta seja realizada quando as meninas tiverem entre 13 e 15 anos de idade”

3.- Exame mamário

Isso faz parte da rotina de acompanhamento ginecológico. Embora o câncer de mama seja improvável entre as mulheres jovens, é importante que o médico verifique que tudo esteja em perfeitas condições.

Neste exame, podem ser localizados nódulos anormais que estão associados a condições benignas, como fibroadenomas, ou irregularidades assimétricas nos seios.

4.- Ecografia

Este exame permite ver todos os órgãos pélvicos internos. É usado para descartar cistos nos ovários e malformações do útero.

Dependendo da idade da paciente, uma sonda vaginal ou uma ecografia da barriga podem ser usadas. Para isso, é aconselhável estar com a bexiga cheia.

5.- Vacinas

São injeções que ajudam a proteger contra doenças causadas por bactérias ou vírus. Recomenda-se levar o cartão de vacinação, já que a maioria delas é aplicada em campanhas de vacinação.

As vacinas mais recomendadas são, principalmente, o reforço contra o tétano, a difteria, a coqueluche, o papiloma humano e a hepatite B.

A vacina contra o papiloma humano ajuda a prevenir dois tipos de HPV associados ao câncer do colo do útero. Ela é aplicada em três doses em um período de seis meses.

ir ao ginecologista pela primeira vez

Recomendações para uma boa saúde do aparelho reprodutivo

Além das consultas médicas, as mulheres jovens devem considerar outras sugestões para manter seus órgãos reprodutivos em perfeitas condições.

Algumas delas são:

  • Ter um estilo de vida saudável, livre de estresse e preocupações.
  •  Manter um bom peso, com uma dieta rica em vitaminas, baixa em calorias e açúcares.
  •  Evitar as drogas, o cigarro e o álcool.
  • Usar anticoncepcionais ao manter relações sexuais.
  •  Evitar a promiscuidade.
  •  Ir a uma consulta ginecológica pelo menos uma vez por ano.
  •  Fazer atividades físicas ou praticar algum esporte.

Mantendo uma vida saudável e sendo disciplinada nos controles ginecológicos anuais, muitas doenças graves podem ser evitadas desde cedo.

Portanto, as meninas devem ser educadas sobre esse assunto para que ir ao ginecologista pela primeira vez não represente uma experiência assustadora.