O que são as mamadeiras anticólicas?

12 de fevereiro de 2020
Com o passar do tempo, há cada vez mais avanços no desenvolvimento de produtos de consumo para bebês. A evolução mais evidente é a da mamadeira. Agora, elas são projetadas com o objetivo de facilitar a vida da mãe e proporcionar cada vez mais bem-estar aos pequenos.

Uma mãe deve fazer tudo o que for possível para alimentar o seu filho por meio do aleitamento materno exclusivo pelo menos durante os primeiros seis meses de vida. No entanto, às vezes a produção de leite não é suficiente para atender às necessidades nutricionais do recém-nascido. Nesses casos, uma excelente opção são as mamadeiras anticólicas.

A mamadeira se tornou a melhor aliada das mães há muitos anos, seja ela usada desde o início ou para complementar a amamentação no sexto mês. Esse produto evoluiu ao longo do tempo para contribuir cada vez mais com uma alimentação sem problemas para os bebês.

A escolha da mamadeira não é algo que possa ser feito de qualquer jeito. Se não escolhermos uma com as características apropriadas, isso poderá causar cólicas ao bebê por causa da sucção do ar que fica entre os lábios e o bico. Assim, em vez de ser uma solução, é provável que esse elemento se torne um problema.

Ao analisar as infinitas opções encontradas no mercado, qualquer mulher pode se sentir perdida para escolher aquela que ela acredita ser a melhor. É por isso que é aconselhável dar preferência às mamadeiras anticólicas. 

O que são as mamadeiras anticólicas?

As mamadeiras anticólicas chegaram ao mercado para resolver um problema que atormenta muitas crianças há anos. Esse tipo de mamadeira permite que o ar entre conforme o bebê suga, de modo que ele possa regular o ritmo da saída do líquido sem muito esforço.

Como elas funcionam?

É possível encontrar diferentes tipos de mamadeiras anticólicas. Em alguns casos, elas têm dois orifícios no bico.Isso facilita a entrada de ar na mamadeira sem afetar o leite e é assim que o esforço que as crianças fazem ao sugar é evitado. É exatamente isso que produz essas contrações abdominais dolorosas.   

O segredo desse produto está na cânula. Perfeitamente localizada no gargalo da mamadeira, ela promove o fluxo de ar para o fundo.Dessa forma, o bebê pode se alimentar com calma, sem que as bolhas que se formam acabem na sua barriga e causem cólicas.

as mamadeiras anticólicas

Como escolher as mamadeiras anticólicas?

Ao saber sobre a chegada do seu bebê, lembre-se de algumas recomendações para que você possa escolher a melhor entre as melhores mamadeiras anticólicas:

  • Deve ser fácil de usar e útil, lembrando que ela será usada diariamente. Não se deixe levar pelas estampas e cores alegres se a funcionalidade da mamadeira for precária.
  • Avalie se ela é fácil limpar e esterilizar.Isso ajudará a mantê-la sempre limpa.
  • Você deve pensar na forma e no material com o qual ela foi feita. Nos primeiros meses, a quantidade de alimento será pequena e é você quem vai segurá-la, mas à medida que a criança for crescendo, ela vai querer segurá-la com as próprias mãos, de modo que é importante escolher uma que seja confortável em ambos os casos.
  • Mesmo quando o design da mamadeira é ergonômico, a sua superfície deve ser o mais lisa possível.
  • Ao escolher o bico, leve a idade do seu filho em consideração.É isso que determinará qual é a mais adequada para ele em termos de material, forma e número de furos.

“Algumas mamadeiras anticólicas têm dois orifícios no bico. Isso facilita a entrada de ar na mamadeira sem afetar o leite e é assim que o esforço que as crianças fazem ao sugar é evitado”.

Características e tipos

Atualmente, há uma infinidade de marcas que oferecem opções muito boas de mamadeiras anticólicas. As características que as diferenciam entre si são as seguintes:

Mamadeiras de vidro termorresistentes

Elas podem ser limpas de maneira muito simples e os odores não ficam impregnados no material. No entanto, é necessário ressaltar, como desvantagem, que elas são mais frágeis e pesadas, tanto para a mãe quanto para o bebê, quando ele já conseguir segurá-la sozinho. Além disso, o próprio material representa um risco por si só.

Mamadeiras de plástico inquebrável

Elas oferecem segurança para o momento que o bebê for manipulá-la por conta própria. Como desvantagem, nesse material, podemos mencionar que a sua beleza estética pode ser perdida facilmente, pois elas são propensas a arranhões.

Além disso, elas geralmente absorvem os odores dos alimentos facilmente, complicando a sua higienização.

Tamanhos e formas

Durante os primeiros meses de vida, uma mamadeira com capacidade de 90 a 120 mililitros é o suficiente. Conforme o bebê for crescendo, o volume deve ser aumentado para 240 a 340 mililitros.

Quanto às formas que essas mamadeiras podem ter, encontramos essas alternativas:

  • Cilíndrica: é a mamadeira normal, que serve para qualquer uso.
  • Triangular: fácil de limpar e muito estável para segurar.
  • Larga: sua grande abertura permite que o leite seja colocado facilmente.
  • Angular/antirrefluxo: possui uma inclinação que favorece a sucção e evita a entrada de ar.
  • Ergonômica: seu principal benefício é a sua facilidade de manuseio pelo bebê.

Bicos

Assim como acontece com as mamadeiras, há uma enorme variedade de bicos em relação às suas características. Eles podem ser de látex ou de silicone e ter diversos formatos,o que proporciona um verdadeiro conforto ao sugar. Além disso, existem opções com um ou mais furos.

A variedade de mamadeiras anticólicas é imensa, mas a melhor opção será aquela que atenda a todas as necessidades do bebê e forneça um bem-estar sólido no momento da alimentação ou hidratação.

Não seja uma presa fácil da publicidade. Identifique objetivamente a melhor opção com base na premissa de que ela seja útil, fácil de higienizar e de manusear para você e seu filho.

  • Jiménez, S. G. (2019). Cuidados básicos del recién nacido. El farmacéutico: profesión y cultura, (573), 26-32.
  • Moreno, J. P., Calatayud, G. Á., & Hernani, M. T. (2015). Patología funcional digestiva en niños pequeños. Cólico del lactante. PATOLOGÍAS Y PROBLEMAS PREVALENTES EN EL NIÑO, 29. https://www.sepeap.org/wp-content/uploads/2015/10/ACTION.-Patologias_Monografia.pdf#page=31
  • Rasquin A, Di Lorenzo C, Forbes D, et al. (2006). Childhood functional gastrointestinal disorders: childl/adolescent. Gastroenterology 2006; 130:1.527-37.