Razões para homenagear as mães todos os dias

21 Novembro, 2018
Hoje, neste artigo de Sou Mamãe, fazemos uma humilde homenagem a todas aquelas mulheres que trouxeram vida a esse mundo. As portadoras de um amor único e inestimável. Esses seres humanos esculpidos por paciência e sacrifício.

As mães são os seres mais nobres e completos deste mundo. Há muitas coisas que devemos agradecer a essas mulheres valentes e abnegadas. Do mesmo modo, há muitas razões para homenagear as mães todos os dias de nossas vidas.

As mães são mulheres que aprenderam como ninguém a dar tudo em troca de nada.

Os motivos para homenagear as mães

 

homenagear as mães

Nascemos fisiologicamente perfeitas porque nossa barriga é capaz de gestar uma vida e nossos seios são capazes de alimentar nossos pequenos.

Porque os ombros de cada mãe não só podem consolar, mas também carregar a mochila social. Aquela mochila com um monte de preconceitos e normas que ainda hoje nos prejudicam.

Devemos homenagear as mães também por suportar o que o sexo oposto desconhece. Cólicas menstruais, a imensa dor causada pelas contrações e pelo próprio parto.

Porque, apesar do constante questionamento de suas habilidades, elas conseguem o que querem com sangue, suor e lágrimas.

As mamães do mundo todo são aquelas cujo silêncio grita o que suas palavras efetivas querem silenciar.

Devemos homenagear as mães que mostram orgulhosas suas feridas maternas porque elas sabem que uma dor pode mudar a vida, materializando, assim, o fruto do amor. Elas levam seus troféus de guerra tatuados na pele, em forma de cicatrizes e estrias.

Devemos homenagear as mães pela falta de sono, que é proporcional ao amor que sentem por seus filhos. A paciência também é proporcional ao carinho, por isso é infinita e eterna.

homenagear as mães

Graças a essa força e paciência que carregam em seus corpos, elas têm a capacidade de aguentar muito peso em suas costas. Choros, cólicas, gripes, dermatites de fralda, as primeiras papinhas.

Não precisamos nem falar de superar o medo das primeiras quedas de aprender a caminhar. E até as brigas com o mingau.

Honrando as mães por muito mais

Seres multifuncionais por excelência. Elas trabalham fora de casa, cozinham, mantêm a ordem e a limpeza da casa, cuidam das crianças e das roupas.

Sobrevivem à dor nas costas de carregar os pequenos e recolher os brinquedos espalhados pelo chão. Mas há dores maiores do que essas. Porque para esses exemplos da vida, os filhos são a maior felicidade.

No entanto, a dor dos pequenos também é sua própria dor. Elas simplesmente sofrem com as quedas alheias. Injeções, quedas e decepções infantis são profundas para as mamães. Tanto quanto se despedir.

Não há adeus mais doloroso para uma mulher do aquele que diz ao seu próprio filho. Toda despedida é uma agonia.

Mas vale a pena porque, ao retornar do trabalho ou da escola e encontrar esse ser que é a sua fraqueza, recebe de volta toda essa força para avançar dia após dia.

É aí que elas entendem que tudo o que é questionado sobre a maternidade vale a pena. Vale a vida e a alegria que isso implica.

Portanto, toda essa entrega e dedicação é, sem dúvida, a mais doce recompensa. Paga-se nos beijos mais doces, nos olhares mais afetuosos e nos abraços mais reconfortantes.

Esse mesmo terremoto de poucos centímetros de comprimento purifica as almas. Esses pequenos sóis devolvem com juros todo esse esforço materno. São o melhor pagamento que poderíamos ter. Sua magia está na beleza e na simplicidade das coisas.

homenagear as mães

Honrando as mães todos os dias

Nada é mais justo do que homenagear as mães todos os dias das nossas vidas. É necessário. Porque sem elas, hoje não estaríamos aqui ressaltando sua enorme grandeza.

Porque não seríamos quem somos se não fosse pelo grande legado delas. Porque elas têm o dom de passar por uma dupla peneira tudo o que acontece ao redor delas.

Elas possuem uma sensibilidade única. Elas têm uma das maiores bênçãos em suas mãos: a de testemunhar e tornar possível o milagre da vida.

É por isso que hoje decidimos, mais uma vez, homenagear as mães como elas merecem. Obrigado por tudo, mamãe!

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.