9 recomendações para aliviar a dor das vacinas em bebês

Para aliviar a dor das vacinas em bebês existem várias técnicas simples, úteis e eficazes. Conheça-as abaixo.
9 recomendações para aliviar a dor das vacinas em bebês

Última atualização: 04 julho, 2022

Aliviar a dor em bebês é uma das prioridades de muitos pais ao administrar vacinas. Pois bem, é comum que as crianças fiquem irritadas, doloridas e inquietas após sua aplicação, devido à resposta do organismo à vacina.

Em primeiro lugar, deve-se notar que esse desconforto dura apenas algumas horas, ao passo que o efeito positivo das imunizações pode durar toda a vida. Da mesma forma, existem maneiras de aliviar o desconforto. Abaixo, compartilharemos algumas estratégias úteis para isso. Não perca!

A dor e a vacinação em bebês

As vacinas são medicamentos criados a partir de determinados microrganismos mortos ou atenuados (ou mesmo partes deles), com o objetivo de gerar uma resposta imune específica no corpo humano. Assim, mesmo que você tenha sofrido com a doença em questão, é possível desenvolver anticorpos protetores contra ela.

Dependendo da vacina, sua aplicação pode ser realizada por diferentes vias, como oral, subcutânea e intramuscular. Estas últimas requerem uma injeção e diferem na profundidade que a agulha atinge.

Por exemplo, em injeções intramusculares, a medicação é administrada no músculo, e isso geralmente causa dor leve a moderada que dura alguns dias.

Além da dor, algumas vacinas podem causar outros sintomas desconfortáveis, como erupções cutâneas ou febre. Mas tudo isso está relacionado à resposta esperada e necessária do sistema de defesa. E ao contrário de uma infecção natural, o desconforto causado pelas imunizações é mais leve e menos duradouro.

Estratégias para aliviar a dor e o desconforto das vacinas nos bebês

Como explicamos, a dor e outros desconfortos são inevitáveis durante a vacinação. Mas felizmente existem estratégias para reduzir o desconforto do bebê durante e após a vacina. Confira!

Seja a vacina administrada por via oral ou por injeção, a proximidade com a mãe ou seu cuidador é fundamental para o bem-estar do bebê no momento do procedimento invasivo.

1. Acompanhamento

É fundamental que o bebê se sinta acompanhado e esteja em um clima calmo para que a dor seja mais suportável. Carinhos, abraços e contato pele a pele são boas estratégias para reduzir o estresse durante e após a vacinação.

Essa promoção do contato próximo com a mãe está relacionada ao método canguru, técnica amplamente utilizada no mundo e com eficácia comprovada pela ciência. A Colaboração Cochrane revisou vários estudos sobre esse tópico e concluiu o seguinte:

O cuidado da mãe canguru parece reduzir a resposta à dor e melhorar a recuperação desses procedimentos comuns, embora poucos estudos possam ser combinados para fornecer evidências fortes. Na medida do relatado, o método da mãe canguru é seguro. Embora se saiba que o contato pele a pele é eficaz, o tamanho do benefício ainda não está claro.”

Acima de tudo, é uma alternativa fácil, prática e acessível para melhorar o manejo da dor durante a vacinação. E, exceto em casos específicos, nenhum profissional de saúde lhe dirá que você não pode implementá-lo.

2. A técnica de amamentar o bebê durante a vacinação

A amamentação antes, durante e após um procedimento doloroso, como a vacinação, é uma técnica eficaz para reduzir o estresse e o desconforto da criança.

Algumas pesquisas sugerem que a amamentação oferece substâncias naturais para reduzir o estresse, a dor, o choro e a angústia do bebê. Principalmente quando são realizados procedimentos invasivos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a implementação dessa técnica por ser natural, confortável, segura e não exigir a administração de outros analgésicos ao bebê.

3. Medicamentos para reduzir a dor

O uso de cremes e sprays anestésicos durante a vacinação não é uma prática comum, porém eles podem aliviar o desconforto no momento da punção. A substância mais utilizada é a lidocaína lipossomal, que é aplicada na área envolvida uma hora antes da injeção. Deve-se notar que seu efeito é momentâneo e que após a vacinação, a dor pode aparecer devido à inflamação.

Quanto aos medicamentos analgésicos, devem ser oferecidos apenas os recomendados pelo pediatra e após a vacinação. Esses medicamentos ajudam a reduzir a dor, o desconforto e a febre causados pela vacina.

4. Estratégias de distração

Distrair o bebê é outro método eficaz para aliviar a dor. Para isso, você pode usar brinquedos, seu bicho de pelúcia favorito, cartelas de cores, músicas e vídeos. A ideia é manter a atenção do bebê focada no objeto no momento em que ele tomar a picada. Essa técnica reduz a angústia e, portanto, a sensação dolorosa que é produzida pelo procedimento.

5. Método “5 S”

O método “5 S” envolve 5 estratégias diferentes: swaddling, side, shushing sounds, swinging, sucking. Em português, envolver o bebê, posicioná-lo, silenciá-lo, balançá-lo e proporcionar sucção.

Todas essas técnicas podem ser implementadas durante a vacinação ou em outros procedimentos invasivos. Para iniciá-la, basta seguir estes passos:

  1. Enrole o bebê em um cobertor e segure-o em seus braços.
  2. Posicione-o de lado durante o procedimento.
  3. Sussurre para acalmá-lo.
  4. Balance-o suavemente sem sacudi-lo.
  5. Estimula a sucção, seja com o peito, a mamadeira ou a chupeta.

6. Água com açúcar

Sim, o açúcar pode ser usado em bebês como analgésico para procedimentos dolorosos. Sua analgesia não é duradoura, mas pode ser de grande ajuda na hora da aplicação das vacinas.

Essa técnica é particularmente útil para bebês que não estão sendo amamentados ou quando outros cuidadores os levam para vacinar. Como seu efeito dura apenas cerca de 10 minutos, recomenda-se oferecer ao bebê 2 ml de água com açúcar cerca de 2 minutos antes da injeção.

conceito de vacinação infantil infantil bebê
Se forem feitos alguns movimentos de vibração na área de aplicação da vacina, como pequenas batidas, é possível diminuir a sensação de dor durante a injeção.

7. Vibração

Uma nova técnica que está sendo aplicada atualmente para aliviar a dor das vacinas é a vibração. Nela, os receptores táteis são estimulados, o que diminui a percepção do estímulo doloroso ao nível da medula espinhal. Ao vibrar a pele, o limiar de dor aumenta.

Para colocá-la em prática, você pode colocar uma ferramenta vibratória no braço ou na perna onde será feita a punção (um pouco mais alto que o local específico) e prosseguir com a vacinação.

8. Crioterapia local

É bem conhecido que a aplicação de frio em áreas doloridas e inflamadas geralmente é um bom analgésico. Por esse motivo, recomenda-se colocar panos de água fria no local da punção.

Então, ao chegar em casa, coloque uma compressa fria na área inflamada por 10 minutos e repita esse procedimento 3 vezes ao dia pelos próximos 2 dias. Claro, não ultrapasse esse tempo para não incomodar ainda mais o bebê.

9. Controle da própria angústia

Nossos filhos podem captar nossos sentimentos de estresse e angústia em relação à vacinação. Por isso, mesmo que seja difícil, é importante tentar manter a calma durante o procedimento e antes dele. Assim, se seu bebê perceber que você está calma, ele sentirá que você tem a situação sob controle e que não há com o que se preocupar. Isso influenciará muito sua paz de espírito e o gerenciamento subsequente da dor.

Ajude seu bebê a aliviar a dor, mas não deixe de protegê-lo!

Agora que você conhece várias recomendações para que seu bebê não sinta tanta dor, você pode ir com mais calma e segurança para a vacinação. É necessário ter em mente que existem vacinas que são mais dolorosas do que outras, pois diferem em sua composição.

Não se esqueça de consultar esses tópicos com o pediatra ou com o enfermeiro, bem como se informar sobre os cuidados que deve ter após a vacinação. E lembre-se de que o desconforto da injeção dura alguns dias, mas o benefício da vacina é para a vida toda.

Pode interessar a você...
A falta de vacinação aumenta os casos de sarampo
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
A falta de vacinação aumenta os casos de sarampo

O sarampo é uma doença muito grave e contagiosa. A falta de vacinação é uma das principais causas do surto mundial de sarampo