Saiba tudo sobre a cistite em meninas

7 de abril de 2019
Apesar de os meninos também poderem contrair essa doença, a cistite é mais comum em meninas. Trata-se de uma doença no aparelho urinário que pode ser a origem de muitas doenças. Mesmo havendo diversos tratamentos, o ideal é sempre se prevenir.

A cistite é uma doença do trato urinário, uma infecção de urina, que afeta principalmente as meninas. Essa patologia pode ser contraída tanto muito cedo como ao longo da vida.

Os homens também podem sofrer dessa doença, mas há menos possibilidade de infecção urinária que no caso das mulheres. A probabilidade de contágio em meninas, em comparação com os homens, é 10 vezes maior.  Em crianças nos períodos de amamentação, a proporção é 2 vezes maior.

O motivo pelo qual há maior risco de cistite em meninas é porque a sua uretra é mais curta, o que facilita a entrada de bactérias no organismo. Além disso, as chances de infecção aumentam quando a higiene não é feita de forma adequada.

Os micróbios que geram o aparecimento de cistite são os escherichia coli, bactérias que se encontram nas fezes. Outras bactérias que se reproduzem quando não se mantém a área vaginal seca e higienizada são os streptococos e os stafilococos.

Essa infecção é detectada facilmente por meio de seus sintomas, e deve-se seguir um tratamento simples para curá-la. Existem diferentes sinais que alertarão a existência da doença. É importante recorrer a um médico rapidamente e evitar, assim, possíveis problemas por falta de diagnóstico a tempo.

Sintomas da cistite em meninas

Um dos primeiros sintomas é que a menina tem vontade constante de urinar e demonstra que sofre de dor ou ardência. Além disso, quando faz xixi, consegue expelir apenas algumas gotas de urina, às vezes com sangue.

No caso dos bebês, as fraldas costuma ficar pouco molhadas e com traços de urina de cor-de-rosa. Além disso, se observarmos que o bebê chora infundadamente, não tem fome e vomitar, é necessário consultar o médico o mais rápido possível.

Deve-se estar atento às manifestações das meninas para poder detectar esses sintomas a tempo. A falta de diagnóstico no momento adequado pode resultar em uma pielonefrite, ou seja, uma infecção nos rins.

Saiba que, se for o caso de uma pielonefrite, os sintomas são: febre, vômitos, calafrios, dor forte na barriga e pele com coloração avermelhada. É necessário ir com urgência ao médico caso você perceba que a menina apresenta algum desses sintomas.

menina com dores

O tratamento adequado

O tratamento receitado pelo médico costuma ser à base de antibióticos, para combater as bactérias, e anti-inflamatórios, para aliviar a dor ou ardência. Normalmente, ele também pede um exame de urina para prescrever o antibiótico mais adequado.

A duração da doença é de uma semana a dez dias. Os primeiros dias são os mais complicados por causa das dificuldades que surgem. É obrigatório tomar a dose certa para se curar bem. Caso contrário, é provável que os episódios se repitam.

Além disso, a hidratação constante é necessária para eliminar as toxinas mais rapidamente e diluir a urina. Isso porque ajuda na expulsão de germes e no esvaziamento da bexiga da criança.

O motivo pelo qual há maior risco de cistite em meninas é porque a sua uretra é mais curta, o que facilita a entrada de germes no organismo.

Como evitar a cistite em meninas?

Existem várias recomendações para ajudar as meninas que têm cistite, e que servem também para evitar que a contraiam no futuro. Para isso, as seguintes dicas serão úteis:

  • Hidratação: é necessário que a menina tome muito líquido, como água, sucos naturais, sopas com vegetais, etc. Esses alimentos ajudam a eliminar as toxinas.
  • Não segurar a vontade de urinar: lembre-se de ensinar as meninas a ir ao banheiro regularmente. Com isso, evita-se o risco de proliferação das bactérias que se reproduzem com facilidade na urina.
médica e menina com cistite

  • Evitar alimentos gordurosos: são difíceis de digerir e impedem a eliminação de urina.
  • Higienizar corretamente a área perianal: é importante ensinar às meninas a se limparem desde a vagina até a região anal. O objetivo é evitar o transporte de germes.
  • Manter a roupa seca e limpa: a umidade favorece a colonização de bactérias.
  • Mudar com frequência as fraldas: em bebês, é necessário que eles sejam mantidos limpos e secos na maior parte do tempo.
  • Evitar banhos de espuma: o sabão pode irritar a área da uretra e aumentar as chances de uma infecção urinária.
  • Vestir roupa confortável: é necessário comprar calcinhas de algodão para garantir a circulação de ar e evitar a irritação e a umidade na área vaginal.

A cistite em meninas é uma doença que deve ser diagnosticada e tratada, mas não representa um grande risco se tratada corretamente. Com essas simples recomendações de higiene, pode-se evitar problemas futuros.

  • Costa, L., & Príncipe, P. (2005). Infecção do tracto urinário. Rev Port Clin Geral.