Sapinho: causas, sintomas e prevenção

· 21 de março de 2018
Conheça mais sobre o sapinho para prevenir esse problema nos recém-nascidos. Descubra quais são as causas, os sintomas e as consequências e também quais são as recomendações para evitar seu aparecimento.

O aparecimento do sapinho, uma infecção bucal causada pelo fungo candida albicans, pode ser bastante desagradável e incômoda. Nas crianças, essa infecção é mais comum do que podemos imaginar.

Ela é causada pelo mesmo fungo que pode produzir a dermatite de fralda e infecções vaginais. O nome formal do “sapinho” é candidíase oral.

Causas do sapinho

O normal é que nosso organismo mantenha um equilíbrio entre os microrganismos que vivem nele. No entanto, algumas vezes esse equilíbrio é alterado por diversas razões. É nesse momento em que os fungos, como o candida albicans, começam a se multiplicar de forma acelerada na boca e na faringe.

Quando aparece em crianças maiores e adultos, é um indício da existências de distúrbios imunológicos. No entanto, a candidíase bucal ocorre geralmente nos recém-nascidos.

Uma das causas pela qual o sistema imunológico pode ser afetado momentaneamente é o tratamento com antibióticos para combater outras infecções.

Outra causa bastante comum é o parto. Se a mãe estiver com uma infecção vaginal no momento do nascimento, o bebê vai entrar em contato com o fungo e será facilmente infectado. Esse fungo também pode ser transmitido através do bico da mamadeira.

Sintomas e tratamento

O fungo se desenvolve na região da boca e cobre a língua e o céu da boca. Além disso, ele se espalha pela parede interna das bochechas e pela faringe. Podemos identificá-lo através do aparecimento de placas brancas, de aspecto granuloso.

É preciso ter muito cuidado quando essas placas já tiverem aparecido. Se forem raspadas, provocam um sangramento abundante e o bebê pode se negar a mamar, devido à dor provocada.

“A candidíase bucal ocorre geralmente nos recém-nascidos.”

Como foi mencionado acima, esse fungo também é responsável pela dermatite de fralda. Nesse caso, a infecção é percebida através do aparecimento de pústulas vermelhas, em vez de brancas. No caso da infecção vaginal, o sintoma também é parecido com o da dermatite de fralda.

Em geral, a infecção costuma desaparecer de forma espontânea. No entanto, é importante consultar o pediatra para que ele possa analisar a gravidade da infecção e receitar o tratamento adequado.

o sapinho

Os especialistas podem analisar o fungo no microscópio para determinar a causa. Dessa maneira, é possível dar as recomendações adequadas para prevenir a doença no futuro.

Para o tratamento, geralmente são receitados medicamentos que devem ser administrados oralmente ou aplicados diretamente nas placas que se formam na boca e na faringe.

Também se recomenda tomar mais precauções nos cuidados com a higiene. Deve-se lavar as mãos com frequência, trocar as fraldas com regularidade, evitar que o bebê coloque as mãos sujas na boca e, no caso dos adultos, utilizar enxaguante bucal.

Prevenção

Logicamente, para prevenir a infecção causada por esse fungo, é preciso eliminar as causas que favorecem sua transmissão:

  • Em primeiro lugar, é necessário que as mulheres façam um exame de urina quinze dias antes do parto para comprovar que não estão com nenhuma infecção. Se houver infecção vaginal, será preciso iniciar o tratamento o mais rápido possível e verificar se o problema foi completamente eliminado alguns dias antes do parto através de outro exame de urina.
  • Também é necessário higienizar os bicos da mamadeira minuciosamente. Como já mencionado, essa é uma das principais maneiras de transmissão da infecção. O ideal é fazer isso utilizando um esterilizador de mamadeira ou deixando os bicos ferverem por 3 minutos ou no vapor por 5 minutos.
o sapinho

  • O mais importante, e a primeira coisa que devemos dar atenção, é fortalecer o sistema imunológico do bebê. Para isso, o aleitamento materno deve ser a única forma de alimentação até os 6 meses. Essa é a melhor maneira de proporcionar as vitaminas e os minerais que o bebê precisa para se manter completamente saudável.
  • Outra medida para evitar o sapinho é o cuidado com a higiene. Deve-se evitar que o bebê coloque as mãos na boca quando estiverem sujas. E também é preciso ficar atento se o bebê estiver com dermatite de fralda. Ele pode encostar nas pústulas e em seguida colocar as mãos na boca. Assim, vai transportar o fungo para a cavidade bucal.

 “Para fortalecer o sistema imunológico do bebê, o aleitamento materno deve ser, sempre que possível, a única forma de alimentação até os 6 meses”

Colocar em prática esses conselhos pode ajudar a prevenir o sapinho no recém-nascido e evitar muitas doenças para o seu bebê. Não economize nos métodos de prevenção.