Ser mãe é ter coragem de explorar outros mundos

Quando uma mulher se torna mãe, é hora de deixar muitas crenças para trás e começar a explorar novas experiências. É inevitável! Descubra neste artigo a melhor forma de aprender a ser mãe.
Ser mãe é ter coragem de explorar outros mundos

Última atualização: 21 Agosto, 2021

Ser mãe significa conhecer outro universo completamente diferente daquele que conhecemos. Ou, pelo menos, voltar no tempo para lembrar o que fomos e vivemos, mas já esquecemos. É fazer os ponteiros girarem ao contrário e reviver a nossa infância.

Sem dúvida, ser mãe nada mais é do que ter coragem de explorar outros mundos, mesmo em plena idade adulta. Deixamos de lado a seriedade e a lógica impostas pela razão. Abraçamos a espontaneidade, o frescor e a inocência dos pequenos.

Nós nos apegamos à sua pureza, às suas ocorrências e – por que não? – à sua inocência. Redescobrimos aquelas coisas da vida que ainda nos surpreendem, sem deixar de ter a capacidade de nos maravilhar. Nós entendemos o que perdemos em nossa ‘conquista etária’.

E então eu perdi meu nome, agora me chamo mamãe.

-Anônimo-

Ser mãe significa preparar-se para outros tipos de aventuras, aquelas vinculadas à maternidade, independentemente de você ser mãe de meninos ou meninas, ou de ambos. Um mundo de jogos, brinquedos, canções de ninar e histórias nos espera. Os personagens que vão deixar os pequenos loucos estão logo ali.

Compreender o prazer da terra, ressignificar as marcas. Explorar o simbolismo das cores, explodir de emoção a cada pequena palavra pronunciada com uma doçura única. Fazer amizade com o kit de primeiros socorros e tomar medidas extremas de segurança em casa tornam-se “o lado B” da maternidade.

Implicações de ser mãe

 

Retomar a amizade com os brinquedos, mesmo que eles fiquem jogados pela casa. Aprender todos os tipos de canções infantis. Tornar-se uma espécie de “polvo multitarefa” para fazer muitas coisas simultaneamente.

Isso é ser mãe, e um pouco mais. Igual a se coroar como a melhor contadora de histórias da história, e até mesmo como uma fã de super-heróis e princesas que você antes desconhecia, é encher nossas almas de paciência todos os dias, conhecendo a face do sacrifício todas as noites e nos dedicando completamente durante toda a nossa vida.

Tornar-se mãe é conhecer uma força que você não sabia que existia dentro de si. Ser corajosa em troca do amor mais puro e sincero. Sentir que aquele carinho que é maior que a sua alma se torna uma força motriz que alcança o impossível em matéria de mães e filhos.

Mãe de uma menina

 

Ser mãe de uma menina é trazer a este mundo uma verdadeira princesa, feita de carne e osso. Ao longo da vida dela, nessa história sem bruxas ou fadas, você verá aquela rainha eterna crescer e se desenvolver. Uma pequena que se caracteriza por suavidade e delicadeza. O mundo cor-de-rosa espera por você!

Sapatinhos de Cinderela, maquiagem para olhos, lábios e unhas. Microfones, caixas registradoras e bichos de pelúcia. Festas infantis em spas e outros detalhes vão aquecer o coração de uma forma única. E todos os dias de sua vida com ela você pensará nos dois eventos onde verá a melhor versão da sua pequena: os quinze anos e o momento em que ela encontrar um amor para constituir a própria família.

Aquela mesma, que passa dias tomando banho, penteando o cabelo e alimentando as bonecas. Brincando com as bonecas ou até criando as mais belas peças de arte apenas com giz de cera. Aquela que adora cantar e é apaixonada por dançar. Aquela menina que nasceu com uma luz própria e desde muito cedo pede para que você a deixe brilhar.

Ser mãe de um menino

 

Ao ser mãe de um menino, a tendência dos jogos e brinquedos muda consideravelmente. Você provavelmente tem uma coleção de carros com suas respectivas pistas. Talvez você escolha cowboys, entre armas, arcos e flechas, como protagonistas das histórias diárias.

Nesse caso, você começará a se familiarizar com os super-heróis atuais e a conhecer cada um de seus poderes. Na paleta dos azuis e seus derivados, você encontrará a personalidade desse garotinho um tanto inquieto, barulhento e alegre. Nosso eterno bebê, um eterno príncipe encantado em nossa vida.

Dada a propensão às travessuras, você passará dias, tardes e noites em plena atividade. Que diferença faz se for dentro ou fora de casa? Com ou sem bola, a melhor alternativa é correr, pular e escalar sempre que quiser. Um Tarzan nato!

Nada mais lindo que a maternidade

 

Ser mãe é ter coragem!

A maternidade é uma bela etapa que merece ser vivida e desfrutada intensamente. É descobrir que andar descalço pode ser muito divertido e prazeroso. É fazer amizade com as manchas e até mesmo com a terra. Deixe sua imaginação voar com liberdade absoluta, sem medo ou vergonha.

Ser mãe é experimentar um sentimento indescritível e celestial em cada “eu te amo” ou “você é linda” daquele ser que se tornou o nosso mundo. É atrever-se a lidar com o ciúme e as exigências infantis, e a rir nas situações mais inusitadas e impensáveis.

E daí se tivermos que comprar um monte de esparadrapo ou encher a casa de proteções contra todo tipo de perigo para as crianças. Também não tem importância o fato de ter que cozinhar para um batalhão ou fazer um extenso cardápio à la carte por divergência de paladares.

Afinal de contas, tudo isso vale muito a pena pela alegria e a felicidade irradiadas na pureza dos pequenos. Sem nem pensar, você vai se sentir feliz em poder curtir cada dia tendo em casa um mini cavalheiro ou uma senhorita que costuma te chamar de “mamãe”.

Pode interessar a você...
O melhor brinquedo do bebê: a voz da mamãe e do papai
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
O melhor brinquedo do bebê: a voz da mamãe e do papai

Você sabe qual é o melhor brinquedo para seu bebê? Esse 'brinquedo' não tem preço e é o mais importante de tudo: sua voz e sua interação diária com...



  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.