Síndrome de atraso de fase em adolescentes

A síndrome do atraso de fase ocorre com frequência em adolescentes e leva à privação crônica do sono, o que interfere no desempenho diurno. Vamos contar em que consiste.
Síndrome de atraso de fase em adolescentes

Última atualização: 10 maio, 2022

Os adolescentes têm a reputação de serem preguiçosos, notívagos e dorminhocos. E com certeza muitos pais e mães vão atestar que essa reputação é mais do que merecida. No entanto, existem causas que explicam essa tendência tão típica dos jovens, as quais devemos conhecer antes de julgá-los ou rotulá-los. Por esse motivo, hoje queremos falar sobre a síndrome de atraso de fase do sono.

Esse distúrbio consiste em uma alteração do ciclo de sono-vigília, que leva a pessoa a ir para a cama e acordar pelo menos duas horas mais tarde do que o habitual de forma crônica. Sua prevalência em adolescentes e jovens adultos é muito maior do que na população geral e, portanto, é possível que seu filho se enquadre nessa categoria.

Alterações no sono do adolescente

Antes de considerar a síndrome de atraso de fase, é importante compreender as mudanças que ocorrem no sono das crianças ao chegarem à adolescência.

Geralmente, os adolescentes têm o hábito de se deitar tarde e também apresentam dificuldades para acordar na hora certa e ter sono durante o horário escolar. Além disso, é comum que eles optem por dormir até tarde nos finais de semana.

Isso se deve a várias causas. Em primeiro lugar, há fatores fisiológicos que indiscutivelmente contribuem, pois na adolescência o início da secreção de melatonina (um indutor natural do sono) é retardado. Mas, além disso, os fatores psicossociais devem ser considerados.

Nesse sentido, os adolescentes podem encontrar um momento de maior liberdade à noite. Durante essas horas, eles não estão sob supervisão dos pais e podem aproveitar para conversar com seus amigos, usar as redes sociais ou realizar atividades restritas durante o dia.

Por outro lado, eles conseguem se sentir no controle de seus próprios horários e de suas próprias decisões, o que de alguma forma lhes dá aquela sensação de independência e autonomia que tanto buscam.

Finalmente, essas horas noturnas podem ser o único tempo disponível para atividades agradáveis. Pois  durante o dia muitos jovens ficam cheios de obrigações escolares e extracurriculares que não lhes deixam tempo livre. Por isso, eles não hesitam em roubar horas de descanso para desfrutar do lazer.

Jovem jogando no computador
Muitas vezes, os jovens carecem de tempo livre para o lazer durante o dia e não hesitam em dedicar momentos noturnos para fazer as atividades que mais gostam.

A síndrome de atraso de fase

Agora, apesar do exposto acima, é possível que alguns adolescentes sofram de síndrome de atraso de fase do sono. Como mencionamos, isso é caracterizado por um atraso na necessidade de dormir e acordar. Mas antes de explicar seus sintomas, vamos dizer por que isso acontece.

Todos os seres humanos seguem um ritmo circadiano em relação ao padrão vigília-sono, que flutua regularmente a cada 24 horas. Essa alternância ocorre graças a um relógio biológico interno sincronizado com os ciclos claro-escuro externos. Dessa forma, nós nos sentimos sonolentos à noite e mais despertos durante o dia.

No entanto, em algumas pessoas (especialmente adolescentes) essa sincronização não ocorre e há um descompasso que se mantém ao longo do tempo. Seu relógio interno está lento e, por esse motivo, a liberação de melatonina ocorre entre duas e quatro horas mais tarde do que o normal. É isso que produz os principais sintomas da síndrome.

Sintomas da síndrome de atraso de fase

  • Dificuldade para adormecer no horário socialmente estabelecido. O jovem pode sofrer de insônia e não conseguir adormecer até várias horas mais tarde do que o apropriado.
  • Dificuldade para acordar cedo e sentir sono durante o dia. Fadiga e falta de clareza durante a primeira metade do dia e maior ativação nas últimas horas de clareza.
  • Uma vez que adormece, desfruta de um descanso profundo e restaurador, não há dificuldade para permanecer dormindo.
  • Se o jovem tem permissão para ir para a cama e se levantar na hora que ele escolher, as dificuldades desaparecem.
  • Apesar de ter uma boa higiene do sono e manter por muito tempo os horários convencionais, não se consegue chegar a um ajuste. De fato, é possível que essa tendência de retardar o ciclo do sono já estivesse presente na infância.
Adolescente com problemas de sono incapaz de dormir à noite.
Na síndrome do atraso de fase, há dificuldade em reajustar o ciclo sono-vigília ao ritmo adequado, apesar da implementação de mudanças nos hábitos.

Consequências e tratamento

Se os adolescentes pudessem escolher livremente seus horários de sono, muitas das consequências dessa síndrome desapareceriam. No entanto, isso não é possível, pois há obrigações escolares e sociais a cumprir.

Assim, sendo obrigados a acordar cedo (e não conseguirem adormecer cedo) , os jovens muitas vezes sofrem de privação significativa de sono. Isso pode afetar seu desempenho escolar e funcionamento diário. Em última análise, eles acabam parecendo preguiçosos ou desinteressados.

Por isso, é fundamental buscar um tratamento que ajude a aliviar os sintomas. Uma das primeiras medidas a tomar é cuidar da higiene do sono: estabelecer horários fixos para se deitar e se levantar, evitar o uso noturno de telas e praticar exercícios regularmente.

A fototerapia (aumentar a exposição à luz assim que acordar e reduzi-la antes de ir para a cama) geralmente funciona bem. Mas se também for combinada com a administração de melatonina sintética, o efeito pode ser potencializado e o ciclo vigília-sono pode progredir até que um bom ajuste seja alcançado.

No entanto, é valioso consultar um médico antes de tomar qualquer uma dessas medidas, para que o profissional estabeleça o diagnóstico correto e prescreva o melhor tratamento a seguir.

This might interest you...
As fases do sono nos adolescentes
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
As fases do sono nos adolescentes

As fases do sono nos adolescentes são indispensáveis, principalmente considerando que cada fase responde a necessidades puramente biológicas.