Síndrome do ovário policístico: causas, sintomas e tratamento

A síndrome do ovário policístico é um distúrbio na mulher que origina um desequilíbrio nos hormônios. Por sua vez, essa alteração causa possíveis mudanças no ciclo menstrual, dificuldades para conseguir engravidar, desenvolvimento de cistos nos ovários e, inclusive, em alguns casos de liberação dos óvulos pode provocar a esterilidade.

As causas da síndrome do ovário policístico (SOP)

Essa síndrome está associada a alterações a nível hormonal. Com ela se dificulta que os ovários possam liberar óvulos considerados maduros. Mas por que ocorrem essas alterações? Os óvulos costumam ser liberados duas semanas depois que começa o ciclo menstrual. Esses períodos e prazos podem variar dependendo de cada mulher.

Quando ocorre a síndrome do ovário policístico, os óvulos maduros não são liberados e ficam no ovário. Podem existir em grande quantidade, envoltos em um pouco de líquido.

Sintomas do ovário policístico

Na maior parte dos casos, a síndrome do ovário policístico é diagnosticada em mulheres entre os 20 e 30 anos. Contudo, também pode afetar as adolescentes. Os sintomas geralmente começam no início do ciclo menstrual de uma menina. As mulheres com esse transtorno costumam ter mãe ou irmã com sintomas similares.

El síndrome del ovario poliquístico tiene diversos síntomas.

Esses sintomas têm sido tema de discussão em diferentes meios científicos e congressos. Um exemplo foi o Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas. Segundo esses especialistas, existe muita diversidade de sintomas e nem todas as mulheres que sofrem da síndrome do ovário policístico apresentam os mesmos sintomas.

Inclusive, é possível quecom o tempo, haja modificações nesses sintomas. Entre os mais habituais, segundo essa organização estadunidense, estão:

  • Acne.
  • Crescimento no peito de cabelo corporal. Também pode se apresentar no abdômen e inclusive em algumas regiões do rosto.
  • Aumento de peso.
  • Irregularidade nos períodos do ciclo menstrual. Esses períodos normalmente são intermitentes e podem variar, de muito rápidos a muito abundantes.
  • Perda da fertilidade.
  • Aparição de vários pequenos cistos nos ovários.

Consequências mais graves

A síndrome do ovário policístico pode derivar em diferentes complicações:

  1. Diabetes. Segundo as estatísticas, 50% das mulheres que têm essa anomalia vão desenvolver futuramente a diabetes. Normalmente ela aparece antes dos 40 anos.
  2. Colesterol e sobrepeso. As mulheres que sofrem a síndrome do ovário policísticos costumam ter o nível de colesterol alto e são mais propensas a hipertensão. Além disso, a ansiedade e a depressão fazem parte das complicações que podem ocorrer quando se sofre de ovário policístico.

Diagnóstico

O diagnóstico dessa síndrome é bastante simples. Ele é realizado através de um exame físico. Nessa análise se avalia a região pélvica, se realiza uma ecografia dos ovários e também um controle dos hormônios. Nesse exame será possível observar se os ovários estão maiores do que o normal e se existe uma porcentagem de folículos fora dos padrões.

Tratamento

Existe uma opinião médica bastante consolidada de que a síndrome do ovário policístico não tem cura atualmente. Contudo, os sintomas podem ser tratados. Com a finalidade de que os períodos menstruais tenham maior regularidade, os médicos receitam pílulas anticoncepcionais.

El síndrome del ovario poliquístico no tiene cura en la actualidad.

Agora, é normal que você se pergunte: quais são os efeitos que as pílulas anticoncepcionais produzem na mulher com a síndrome de ovário policístico? Entre outras coisas, regulam o ciclo menstrual, diminuem a acne e o crescimento de pelos corporais. Isso acontece ao diminuir os níveis de andrógenos.

Outra consequência muito útil no consumo de anticoncepcionais orais é o desprendimento periódico do revestimento do útero. Com isso, o risco de câncer endometrial diminui. Além disso, reduzir o peso, ainda que seja menos efetivo, pode ajudar no tratamento das alterações hormonais e patologias da saúde. No caso de hipertensão arterial, diabetes ou colesterol alto.

“Com um tratamento adequado, é possível tratar a síndrome do ovário policístico e aliviar os sintomas”

Assim, as mulheres que quiserem ficar grávidas e tiverem essa síndrome, há uma solução: se submeter à cirurgia. Tecnicamente, se trata de uma laparoscopia pélvica, que altera o ovário mediante uma pequena agulha que emite uma descarga elétrica. Essa descarga destrói uma parte do tecido onde se produz a testosterona. Ao diminuir os níveis desse hormônio, aumenta-se a probabilidade de regular a ovulação.

Recomendados para você