Surpresa em uma ecografia no Congo

22 Julho, 2018
Conheça por que a ecografia no Congo é capaz de produzir a maior das surpresas.

A maioria das mulheres muitas partes do mundo assume que qualquer teste pré-natal é possível em quase todos os hospitais. No entanto, a realidade em outras sociedades é muito distinta.

O Congo é uma região de África Central conhecida pela sua enorme riqueza natural. Infelizmente, uma série de conflitos políticos gerou um déficit no setor da saúde, especialmente na infraestrutura e nos serviços públicos. Nas principais cidades da República do Congo se manteve a cultura ancestral quase intacta, e a sociedade se desenvolveu lenta e cautelosamente.

Acredita-se que o principal mercado para expandir nessa área, centra-se nos grandes avanços tecnológicos, sendo a telefonia, a internet e o transporte, os mais solicitados. A este respeito, se reconhece a necessidade de incorporar a tecnologia no sistema de saúde, que ainda continua sendo pouco corrente para seus habitantes.

As ecografias são uma utopia

O principal obstáculo para que o progresso na saúde alcance as mães do Congo e todos os habitantes desse país é a economia. Sem dúvida, os custos de serviços de saúde estão bem acima do que a maioria dos cidadãos pode pagar. Por isso, foram atingidos por epidemias e surtos de doenças que dizimaram a população.

A violência, os deslocamentos e o controle militar também são fatores limitantes para que os serviços de saúde pública possam alcançar populações remotas. Além disso, nos últimos anos tem havido casos de sequestro e violência contra os trabalhadores médicos de distintos organismos de ajuda.

Apesar dos muitos obstáculos, às vezes você pode levar um ecógrafo portátil para regiões remotas. Esse equipamento causa sensação entre os habitantes, mesmo em Kinshasa, a capital da República do Congo. No entanto, o aparelho também causa receio e gera reações adversas nos congoleses.

ecografia no Congo

Como é previsível, as crianças do Congo não são esperadas da mesma forma que em outras regiões do mundo. A maioria das mulheres dá à luz sem ter tido uma consulta pré-natal, sem a assistência médica e sem tratamento algum. Isso não quer dizer que sejam descuidadas. Somente significa algo que não existe em suas vidas.

Dificilmente uma futura mãe africana poderia imaginar saber o sexo de seu bebê antes de nascer, a não ser que as parteiras ou o bruxo da tribo tenham acertado na previsão.

Elas ficam perplexas ao saber que com a ecografia irão descobrir algo antes considerado impossível: ver o seu filho no ventre.

O valor da ecografia

Um médico conseguir que uma mãe do Congo frequente consultas médicas algumas vezes por semana durante a sua gravidez é um grande mérito. Nessa região, há uma avaliação ambígua a respeito da ecografia, pode custar muito dinheiro, mas não vale nada para eles; ou seja, os cidadãos consideram esse exame desnecessário e até acham ruim.

Para as futuras mães, é apenas uma história interessante para contar. Para elas, é um ato de magia que não vai influenciar em nada em suas vidas. Como é esperado, poucos nesta região reconhecem que uma ecografia  poderia salvar suas vidas e as de seus bebês.

ecografia no Congo

O número médio de filhos por mãe no Congo é cinco, e a maioria delas são muito jovens; mas quase todas desconfiam dos médicos e seus tratamentos. As populações remotas podem ter acesso a estabelecimentos médicos populares, mas preferem procurar o curandeiro, a cultura de ir ao médico é muito baixa na região.

Os programas de ajuda como o projeto “Uma maternidade sem riscos” tentam avançar efetivamente para reduzir a taxa de 75% de mortalidade materna no mundo.

O objetivo desses programas não é apenas conscientizar o público sobre a importância da consulta médica, mas também oferecer apoio profissional através de sua rede de médicos voluntários como aqueles que levaram “as incríveis” ecografias para o Congo.