Teste de gravidez caseiro de fluxo vaginal: o que você deve saber

Alterações no corrimento vaginal são um dos primeiros sinais de gravidez. Temo-as como base para se aprofundar em suas suspeitas e marque uma consulta com seu médico o mais rápido possível.
Teste de gravidez caseiro de fluxo vaginal: o que você deve saber

Última atualização: 28 dezembro, 2021

A gravidez muda a vida da mulher e é sentida antes mesmo de se ter certeza. A suspeita é precoce em muitos casos e não é possível explicar em palavras o que a causa. Isso tem levado cientistas a buscarem uma forma de diagnosticar a gravidez precocemente, devido aos benefícios que isso acarreta para os cuidados com a saúde da futura mãe e de seu bebê.

Nos tempos antigos, os médicos usavam testes de gravidez rudimentares, criados a partir de elementos naturais. Embora os alicerces em que se basearam possam nos parecer místicos, a realidade é que nada mais eram do que a observação das mudanças fisiológicas da gestante.

Hoje contamos com testes simples e confiáveis, que podem ser realizados em casa a partir do dia seguinte à ausência da menstruação. Além disso, existem alguns testes de gravidez caseiros que você pode fazer antes de ir à farmácia.

Você quer saber em que consiste o teste de fluxo vaginal? Nós vamos contar tudo a seguir.

O fluxo vaginal da gestante

Esse fluido natural é produzido pela vagina e pelo colo do útero para proteger a genitália interna das agressões externas. Suas principais funções incluem o seguinte:

  1. Impede a entrada de germes da vagina no útero.
  2. Lubrifica as paredes vaginais para protegê-las de traumas durante a relação sexual.
  3. Facilita a entrada e a nutrição dos espermatozoides durante a reprodução.
  4. Mantém um ambiente adequado para o desenvolvimento da flora bacteriana normal, que faz parte do sistema de defesa.

Tal como acontece com o resto das estruturas genitais, suas propriedades variam ao longo do ciclo menstrual para cumprir uma função específica em todos os momentos. Dessa forma, suas características são modificadas de acordo com os hormônios que predominam nessa fase.

Por exemplo, após o sangramento menstrual, o efeito dos estrogênios favorece um aumento na produção de secreções vaginais aquosas. Em contraste, uma vez ocorrida a ovulação, o efeito da progesterona faz com que a consistência das secreções aumente e elas se tornem mais viscosas.

Quando ocorre a fertilização, tanto os estrogênios quanto a progesterona permanecem em níveis altos e crescentes. Isso também resulta em alterações no corrimento vaginal para proteger o útero da entrada de germes.

Bebê na 11ª semana de gravidez

Qual é o teste de gravidez caseiro de fluxo vaginal?

Como já mencionamos, as características da secreção mudam após a concepção, e isso constitui uma das modificações genitais típicas da gravidez. No entanto, as alterações são sutis e, portanto, não é um teste 100% confiável como a determinação do hormônio gonadotrofina coriônica humana no sangue ou na urina.

Falamos de teste caseiro porque a alteração do fluxo é um sinal clínico de alta suspeita e pode ser detectada alguns dias antes da ausência da menstruação. Mas não é de forma alguma suficiente para confirmar o diagnóstico de gravidez ou para determinar o curso normal da gravidez.

Feitos esses esclarecimentos, passaremos a relatar as características do fluxo vaginal nessa fase da vida. Anote!

Aumenta a consistência e a viscosidade

Após a fertilização, as glândulas mucosas presentes nas paredes da vagina e do colo do útero começam a liberar uma secreção viscosa e aderente para evitar a entrada de germes patogênicos. Na verdade, essa secreção tende a se compactar no orifício cervical uterino, dando origem ao famoso tampão mucoso.

A quantidade é aumentada

Algumas mulheres notam um aumento na umidade genital alguns dias antes da provável data da menstruação. Essa situação levanta suspeitas, pois, em geral, nos dias anteriores à menstruação, as secreções costumam ser escassas e há uma tendência acentuada ao ressecamento vaginal.

O aumento do fluxo, como muitas outras secreções corporais, responde ao aumento do volume de sangue materno que afeta todos os sistemas.

Um aumento de leucócitos e uma mudança na flora bacteriana são observados ao microscópio

A progesterona é um dos principais hormônios nesse estágio e é responsável por várias alterações no fluxo vaginal.

Entre as modificações mais notáveis está o aumento das células de defesa (chamadas leucócitos) e uma estabilização das bactérias que compõem a flora normal ou microbiota genital. Quanto a este último, Lactobacillus spp. e outras espécies desaparecem.

Além disso, as características químicas também são modificadas e predominam as secreções mais ácidas (pH 3,5 a 6) à custa do aumento da produção de ácido lático. Isso ajuda a regular a flora e a prevenir infecções.

Mulher analisando fluxo vaginal.

Sobre o teste de gravidez de fluxo vaginal, podemos dizer…

O aspecto do fluxo vaginal pode servir como teste de gravidez caseiro alguns dias antes da ausência da menstruação.

De forma resumida, listaremos as alterações em suas características que podem sugerir uma gravidez:

  • Aumento na quantidade do fluxo vaginal normal desde o estágio pré-menstrual.
  • Secreções mais viscosas e aderentes que tendem a manchar a roupa íntima.
  • Cor e odor normais (geralmente esbranquiçados e inodoros).
  • Não causa dor, coceira nem queimação.

Se você apresenta um fluxo dessas características e existe a possibilidade de estar grávida, marque uma consulta com o seu ginecologista e tire as suas dúvidas o mais rápido possível!

This might interest you...
Quais são os testes de gravidez mais seguros?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Quais são os testes de gravidez mais seguros?

Quais são os testes de gravidez mais seguros? Essa é uma pergunta comum a muitas mulheres, devido ao fato de que atualmente este é o método mais co...



  • Velásquez Nelson . Pruebas para diagnóstico de embarazo. Rev Obstet Ginecol Venez  [Internet]. 2009  Sep [citado  2021  Nov  16] ;  69( 3 ): 186-192. Disponible en: http://ve.scielo.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0048-77322009000300007&lng=es.
  • Marangoni A, Laghi L, Zagonari S, Patuelli G, Zhu C, Foschi C, Morselli S, Pedna MF, Sambri V. New Insights into Vaginal Environment During Pregnancy. Front Mol Biosci. 2021 May 17;8:656844. doi: 10.3389/fmolb.2021.656844. PMID: 34079816; PMCID: PMC8165225. Disponible en: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8165225/#!po=31.6667
  • García-Penche Santillán I, Boguñá Ponsa JM, Laílla Vicens JM. Modificaciones fisiológicas de la mujer durante el embarazo. Capítulo 5. En: Gonzalez Merlo Obstetricia. 7° edición. Elsevier España. Año 2018. p 79-90.
  • Bigelow JL, Dunson DB, Stanford JB, Ecochard R, Gnoth C, Colombo B. Mucus observations in the fertile window: a better predictor of conception than timing of intercourse. Hum Reprod. 2004 Apr;19(4):889-92. doi: 10.1093/humrep/deh173. Epub 2004 Feb 27. PMID: 14990542. Disponible en: https://academic.oup.com/humrep/article/19/4/889/2913645
  • Martinez L. Prueba de GCH cualitativa en sangre. MedlinePlus [Internet] 2020. [citado 2021 Nov 16] Disponible en: https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/003509.htm