Tipos de fluxo vaginal: tudo o que você precisa saber

· 25 de janeiro de 2018
O fluxo vaginal é uma secreção normal do corpo feminino. Habitualmente é esbranquiçado ou transparente, mas por diferentes motivos pode ser alterado. Que tipos existem e o que os causa?

O fluxo vaginal desempenha uma função importante no sistema reprodutor feminino. Este líquido, geralmente claro e aquoso, ajuda a manter a vagina limpa e prevenir infecções. É produzido pelas glândulas dentro da vagina e do colo uterino, e intervém no transporte de células mortas e bactérias.

É normal que esses fluxos aumentem com o exercício, com a excitação sexual, nas fases de ovulação, com o uso de anticoncepcional e o estresse emocional. Porém, em determinadas ocasiões o fluxo se apresenta com uma aparência muito diferente da habitual, nestes casos falamos de um fluxo vaginal anormal.

O que causa um fluxo vaginal anormal?

Um fluxo vaginal anormal pode ocorrer por diversas causas. Sua cor e espessura poderão nos indicar os motivos destas mudanças.

Qualquer mudança no equilíbrio habitual das bactérias normais da vagina pode afetar ao fluxo. Poderemos notar variações na cor e espessura das secreções, mas também mau cheiro e inclusive coceira. Estas são algumas das causas que poderiam alterar o fluxo vaginal:

  • O uso de antibióticos, anticoncepcionais ou esteroides.
  • A vaginose bacteriana. Trata-se da infecção mais comum em mulheres grávidas ou que têm múltiplas relações sexuais com diferentes pessoas.
  • Câncer de colo do útero.
  • Infecções de transmissão sexual, como a clamídia ou gonorreia.
  • Infecções por fungos, infecção pélvica depois de uma cirurgia ou doença inflamatória pélvica.
  • Tricomoníase: uma infecção parasitária, que geralmente se contrai por ter relações sexuais sem proteção.
  • Diabetes.
  • Duchas vaginais, sabonetes, banhos de espuma ou loções perfumadas.
  • Vaginite. Irritação ao redor da vagina ou na mesma.
  • A atrofia vaginal, o emagrecimento e o ressecamento das paredes vaginais durante a menopausa.

Tipos de fluxo vaginal

As secreções vaginais anormais podem indicar que enfrentamos infecções ou situações que devemos considerar junto ao nosso médico.

O fluxo vaginal pode variar normalmente sem que seja motivo de alarme. Mas se a cor, o odor ou a consistência forem incomuns, e especialmente se forem acompanhados de ardor ou coceira na vagina, podemos estar diante de infecções ou outras condições que devemos considerar.

Há vários tipos de fluxo vaginal, os quais se classificam em função da cor e da consistência. Algumas destas secreções são normais, mas outras podem ser indicadores de uma doença que vai requerer tratamento médico.

  1. Branco. É a cor habitual do fluxo vaginal. Porém, se vier acompanhado de coceira e é de consistência espessa, pode ser sinal de uma infecção por candidíase.
  2. Claro e líquido. É perfeitamente normal e pode se dar em qualquer momento do mês. Em geral é sinal de que a mulher está ovulando: provavelmente ocorre no momento mais fértil do mês.
  3. Aquoso. Se o fluxo é mais aquoso do que o normal, pode ser causado por herpes. Além disso, será acompanhado de outros sintomas, como dor na região vaginal. Se, pelo contrário, for mais denso do que o normal, pode ser por conta do uso de anticoncepcionais ou de sensibilidade ou alergias a produtos químicos.
  4. Transparente e elástico. Assim como no caso anterior, é um tipo normal de fluxo vaginal. É possível que poucos dias, ou inclusive uma semana, antes do período menstrual se tenha um fluxo mais elástico ou mucoso.
  5. Amarelado ou esverdeado. Um fluxo vaginal amarelo ou verde, especialmente se é espesso ou vier acompanhado de mau cheiro, não é normal. Geralmente é sinal de infecções ou desequilíbrio nas bactérias que se encontram na vagina.
  6. Cinza esverdeado e espumoso. Este tipo de fluxo ocorre provavelmente por conta de uma vaginose bacteriana. É uma infecção incômoda, mas de fácil tratamento.
  7. Marrom ou com sangue. Ainda que as secreções com sangue sejam normais (especialmente depois do ciclo menstrual), não devemos ignorá-las. Se o sangue for muito vermelho ou abundante fora do período, devemos investigar a causa e consultar um ginecologista.
  8. Granulado. Caso esse fluxo tenha grãos, será indicador de que é o momento menos fértil. Porém, também poderia ser sinal de uma pequena infecção.

Alterações durante a menstruação e a gravidez

O ciclo menstrual também pode alterar a consistência do fluxo vaginal. Dependendo de em que etapa nos encontremos, notaremos diferentes mudanças. Assim, depois do período é habitual encontrar pequenas manchas de sangue ou uma cor marrom. Se a cor tende mais para o amarelado, ou a secreção for mais espessa, pode indicar uma possibilidade menor de gravidez.

Porém, se o fluxo vaginal for bastante líquido (parecido com a textura de uma clara de ovo), indicará um momento fértil. Este tipo de fluxo servirá de lubrificante e facilitará o deslocamento dos espermatozoides até o colo uterino. Se for mais aquoso, será sinal de que temos altas probabilidades de gravidez.

A produção de mais fluxo vaginal durante a gravidez, pode ser um indicativo do momento do parto.

 Entre as mudanças próprias da gestação, é habitual que as secreções vaginais aumentem. Isso se deve a uma maior produção de estrogênios e ao maior fluxo sanguíneo até a região vaginal. No começo da gravidez, estas secreções formarão o tapão mucoso, uma barreira que protegerá a matriz. Esta mucosidade pode ser expulsa antes do parto, e vir acompanhada de alguns fios de sangue.