Tomar café na gravidez: o que você deve saber

Você provavelmente adora tomar um café pela manhã. Mas será que é seguro consumir essa bebida durante a gravidez? Saiba mais!
Tomar café na gravidez: o que você deve saber

Última atualização: 17 Agosto, 2021

Você se incapaz só de pensar em não tomar café durante a gravidez? Mesmo que você sinta que a cafeína ajuda a combater a fadiga e melhora sua concentração, o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas recomenda limitar a ingestão dessa substância a 200 miligramas por dia.

Conforme a gravidez avança, leva mais tempo para o café ser eliminado e isso pode aumentar seus efeitos colaterais. Outro motivo importante é que o café é uma substância capaz de atravessar a placenta e a barreira hematoencefálica do bebê, o que pode afetar negativamente seu desenvolvimento.

Além disso, o consumo excessivo de cafeína pode causar alterações de humor na mãe (como irritabilidade), palpitações, nervosismo e dificuldade para dormir. É importante saber que essa substância está presente em outros alimentos além do café, como chá, refrigerantes, energéticos e chocolate.

Por todas essas razões, é essencial regular a ingestão de cafeína durante a gravidez. Você quer algumas dicas para atingir esse objetivo?

Riscos de tomar café na gravidez

Aqui, discutiremos alguns dos possíveis riscos de manter uma alta ingestão de cafeína durante a gravidez.

 

Entenda os riscos de tomar café na gravidez

Efeitos no feto

O consumo moderado ou alto de café tem sido associado a um risco aumentado de aborto espontâneo, devido ao efeito que a cafeína provoca nos vasos sanguíneos maternos.

De acordo com alguns dados publicados sobre o assunto, o risco de aborto espontâneo pode aumentar até 8% para cada 2 xícaras de café ingeridas diariamente e até 19% quando o consumo ultrapassar 150 miligramas de cafeína por dia (Li, 2013).

Outro estudo semelhante, realizado na Universidade de Cambridge, garante que o aumento do risco de aborto espontâneo é proporcional à dose ingerida pela gestante. Os autores acrescentam que, além disso, as chances de isso acontecer são maiores em mulheres que têm mais de 30 anos (Chen, 2015).

Não é só o aborto que figura como uma das complicações frequentes do consumo excessivo de cafeína na gravidez. Já foram descritos outros problemas decorrentes, como o baixo peso do bebê ao nascer.

De acordo com um estudo da pesquisadora australiana Amy Peacock (2018), a redução da ingestão de café pelas mães resultou no aumento do peso do bebê ao nascer. No entanto, um estudo publicado na revista Nutrients não conseguiu corroborar essa associação.

O café pode aumentar a pressão arterial?

 

Eclâmpsia e controle da pressão arterial

De fato, o alto consumo de cafeína está relacionado a um risco aumentado de hipertensão na gravidez (Kawanishi, 2021). Esse efeito foi corroborado pelos pesquisadores, tanto para o consumo de café quanto de chá.

É importante ressaltar que a maioria das mulheres que participaram desse estudo tinha outros fatores de risco para hipertensão. Por exemplo, idade avançada, excesso de peso, baixo nível educacional e baixa suplementação de ácido fólico.

Leucemia infantil e consumo de cafeína

A leucemia aguda infantil merece menção especial, visto que as evidências atuais sobre sua associação com a cafeína são controversas.

Como todas as doenças oncológicas, a causa da leucemia é desconhecida. Contudo, a influência de fatores genéticos e ambientais, como a cafeína, é importante para que ele se desenvolva.

Embora não se saiba exatamente qual dose de cafeína é prejudicial ao feto, um estudo científico recente relatou que exceder a ingestão de 2 xícaras de café por dia aumenta o risco de leucemia em 72% ( Karalexi, 2019).

Qual quantidade de café posso tomar durante a gravidez?

O conteúdo de cafeína varia de acordo com o alimento e sua qualidade. No caso do café, o grau de torra e o tempo de preparo determinam a concentração dessa substância.

Você deve ter em mente que na gravidez é seguro tomar 1 ou 2 xícaras de café por dia. Se você costuma exceder essa quantidade, chegou o momento de reduzi-la.

Como fazer isso? Uma opção simples é substituir a bebida por uma versão descafeinada ou adicionar mais água. Mas o mais eficaz é, sem dúvida, evitar bebidas com cafeína até o nascimento do bebê.

Pode interessar a você...
Vacina anti-D na gravidez: o que acontece se eu não tomar?
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Vacina anti-D na gravidez: o que acontece se eu não tomar?

A administração da vacina anti-D na gravidez evita complicações devido às incompatibilidades do fator Rh entre a mãe e o bebê.



  • Yu, T; Campbell, S C; Stockmann, C; Tak, C; Schoen, K; S Clark, E A et al (2016) Pregnancy-induced changes in the pharmacokinetics of caffeine and its metabolites. J Clin Pharmacol, 56(5): 590-6. 
  • Peacock, A; Hutchinson, D; Wilson, J; McCormack, C; Bruno, R; Olsson, C A et al (2018) Adherence to the Caffeine Intake Guideline during Pregnancy and Birth Outcomes: A Prospective Cohort Study. Nutrients, 10(3): 319. 
  • Mannucci, C; Attard, E; Calapai, F; Facchinetti, F; D’Anna, R; Vannacci, A et al (2020) Coffee intake during pregnancy and neonatal low birth weight: data from a multicenter Italian cross sectional study. J Matern Fetal Neonatal Med, 1-5.
  • Li, J; Zhao, H; Song, J; Zhang, J; Tang, Y; Xin, C (2015) A meta-analysis of risk of pregnancy loss and caffeine and coffee consumption during pregnancy. Int J Gynaecol Obstet, 130(2): 116-22.
  • Chen, L; Wu, Y; Neelakantan, N; Foong-Fong Chong, M; Pan, A; van Dam, R M (2016) Maternal caffeine intake during pregnancy and risk of pregnancy loss: a categorical and dose-response meta-analysis of prospective studies. Public Health Nutr, 19(7): 1233-44.
  • Wierzejska, R; Jarosz, M; Wojda, B (2019) Caffeine Intake During Pregnancy and Neonatal Anthropometric Parameters. Nutrients, 11(4): 806. 
  • Kawanishi, Y; Aiko Kakigano, A; Kimura, T; Ikehara, S; Sato, T; Tomimatsu, T et al (2021) Hypertensive Disorders of Pregnancy in Relation to Coffee and Tea Consumption: The Japan Environment and Children’s Study. Nutrients, 13(2): 343. 
  • Cheng, J; Su, H; Zhu, R; Wang, X; Peng, M; Song, J; Fan, D (2014) Maternal coffee consumption during pregnancy and risk of childhood acute leukemia: a metaanalysis. Am J Obstet Gynecol, 210(2): 151.
  • Karalexi, M A; Dessypris, N; Clavel, J; Metayer, C; Erdmann, F; Orsi, L et al (2019) Coffee and tea consumption during pregnancy and risk of childhood acute myeloid leukemia: A Childhood Leukemia International Consortium (CLIC) study. Cancer Epidemiol, 62:101581.
  • Górecki, M; Hallmann, E (2020) The Antioxidant Content of Coffee and Its In Vitro Activity as an Effect of Its Production Method and Roasting and Brewing Time. Antioixidants, 9(4): 308.