Tudo o que você precisa saber sobre o herpes na gravidez

05 Agosto, 2018
O vírus herpes pode ser muito contagioso. Mas se as devidas precauções forem tomadas e as medidas necessárias forem adotadas, a doença não vai afetar o bebê.

Uma grande preocupação de muitas mães é o aparecimento do vírus herpes na gravidez, pois pode infectar o bebê durante o parto e o nascimento.

Essa doença é dividida em dois tipos: herpes simples tipo 1 (HSV-1), que afeta principalmente os lábios ou o rosto, e o herpes simples tipo 2 (HSV-1), que pode afetar a região genital e que é transmitido, geralmente, através de relações sexuais.

Tipos de vírus herpes

O herpes é transmitido diretamente pelo contato com as lesões. Embora exista dois tipos, o contágio ocorre indistintamente. Ou seja, também é possível contrair herpes simples HSV-1 na região genital através do sexo oral, por exemplo.

Herpes labial

No momento em que se transmite o vírus, este se desloca pelas células subcutâneas, onde fica adormecido. Em alguns casos, permanece adormecido e não apresenta sintomas. Mas na maioria dos casos, se manifesta em surtos.

É transmitido através do contato direto com as lesões, principalmente através do beijo. Manifesta-se em forma de feridas ou bolhas na boca ou próximas dela.

herpes na gravidez

Herpes genital

Esse tipo de herpes é transmitido principalmente através de relações sexuais, mas o contágio também pode acontecer se uma pessoa tiver herpes labial e mantiver contato com a região genital.

Esse vírus é extremamente perigoso para as mulheres grávidas, pois o riso de aborto espontâneo é bastante elevado quando a infecção é adquirida nas primeiras 20 semanas de gravidez.

E também, caso apareça depois de 32 semanas de gestação, aumentam as chances de contágio do recém-nascido durante o parto.

Sintomas de uma infecção de herpes genital

A maioria das pessoas infectadas não apresentam sintomas ou apresentam sintomas muito leves. Por isso costumam desconhecer a existência da infecção. O surto mais forte geralmente é o primeiro, pois a pessoa infectada não possui anticorpos para combater a infecção.

Os sintomas do herpes costumam aparecer 14 dias após a exposição ao vírus e se manifestam da seguinte forma:

  • Sensação de comichão, ardência, dor ou formigamento na região genital.
  • Fluxo ou secreção vaginal alterada.
  • Gânglios linfáticos inflamados.
  • Dor ao urinar.
  • Aparecimento de pontos avermelhados na vagina ou na vulva, que posteriormente estouram e se transformam em úlceras dolorosas.
  • As lesões podem durar algumas semanas no primeiro surto.

 “Algumas pessoas podem apresentar sintomas parecidos com a gripe, como febre, dor de cabeça e dores musculares”

Como o herpes é transmitido na gravidez?

Embora a medicina venha avançando e os especialistas destaquem que os contágios de recém-nascidos têm sido cada vez menores, existe, sim, o perigo de a mãe transmitir o vírus ao bebê, o que pode trazer graves consequências para a saúde do pequeno.

Se o vírus estiver ativo durante o parto, as chances de contágio aumentam ainda mais. Veja a seguir em detalhes as formas mais comuns de contágio:

  • A forma de transmissão mais frequente ocorre durante o nascimento. As vesículas que estão na vagina ou no colo do útero transmitem o vírus para o bebê quando este passa pelo canal do parto.
  • O risco é muito maior quando a mãe contrai o vírus perto da data do parto.
  • São poucos os casos em que o contágio ocorre devido à ruptura do saco amniótico.

Em caso de herpes se realiza cesárea?

Tudo depende do tempo do contágio. Caso a mãe tenha contraído o vírus antes da gravidez ou antes do terceiro trimestre da gravidez e não apresente nenhum sintoma, ao começar o parto poderá dar à luz de forma natural.

Isso acontece porque a mãe desenvolve anticorpos contra o herpes pouco depois de ter contraído a doença, o que transmite imunidade ao bebê.

No entanto, se a mãe apresentar uma erupção ou sintomas de um possível surto quando a data do parto estiver próxima, será necessário realizar uma cesárea.

Caso a mulher tenha contraído herpes na fase final da gravidez, os especialistas recomendam realizar a cesárea até mesmo quando não houver sintomas de parto.

herpes na gravidez

Prevenção do herpes

Caso você descubra a presença do vírus ou tenha passado por uma situação de possível contágio na gravidez, é importante tomar certas medidas para cuidar da saúde do bebê:

Antes da gravidez

  • Se a mãe suspeitar que tem o vírus, é importante realizar um controle sorológico mensal ou, até mesmo, quinzenal.
  • As mulheres que tiveram resultado positivo no teste de herpes antes da gravidez devem realizar alguns exames a partir da 32ª semana de gravidez.
  • Caso o resultado indicar a presença do vírus, o especialista vai examinar a mãe com um colposcópio para confirmar o resultado.
  • Nas primeiras semanas de gravidez, deve-se realizar um controle do nível dos anticorpos para verificar se pode ocorrer o contágio do bebê.

Depois do nascimento do bebê

  • Lavar com muito cuidado as mãos quando for pegar o bebê no colo.
  • Dar de mamar no seio somente se não houver a presença de lesões herpéticas no mamilo.
  • Não beijar o bebê se houver a presença de herpes labial.
  • O risco de contágio diminui depois de quatro semanas.

O herpes na gravidez pode ser extremamente perigoso para o bebê. Por isso, é preciso tomar as medidas necessárias para evitar o contágio e, se for preciso, realizar uma cesárea e não se arriscar a realizar um parto natural.

É extremamente importante se informar sobre esse vírus para evitar qualquer contágio que possa fazer mal ao bebê.

  • Straface, Gianluca & Selmin, Alessia & Zanardo, Vincenzo & Santis, Marco & Ercoli, Alfredo & Scambia, Giovanni. (2012). Herpes Simplex Virus Infection in Pregnancy. Infectious diseases in obstetrics and gynecology. 2012. 385697. 10.1155/2012/385697.
  • Straface, Gianluca et al. “Herpes simplex virus infection in pregnancy”Infectious diseases in obstetrics and gynecology vol. 2012 (2012): 385697.