A vacina hexavalente: tudo que você precisa saber

A vacina hexavalente é uma imunização combinada, que protege as crianças contra 6 tipos diferentes de infecções potencialmente fatais. Conheça quais são elas.
A vacina hexavalente: tudo que você precisa saber

Última atualização: 21 janeiro, 2022

As vacinas são medicamentos criados para proteger as pessoas contra certos tipos de infecções. Nesse sentido, fortalecem nossa imunidade para evitar que adoeçamos ou desenvolvamos formas graves das doenças.

No caso das vacinas combinadas, como a hexavalente, as crianças podem ser protegidas contra 6 infecções principais em uma única injeção. Em outras palavras, elas fornecemos cobertura abrangente com apenas uma picada.

Além das vantagens que essas vacinas proporcionam às crianças, os benefícios também impactam as famílias. Elas reduzem custos (deslocamento, tempo, cuidados posteriores) e simplificam a tarefa de manter o calendário de vacinação em dia.

A seguir, contaremos tudo o que você precisa saber sobre a vacina hexavalente em crianças.

Quais doenças a vacina hexavalente previne?

Como já antecipamos, essa imunização combinada fornece imunidade contra 6 germes diferentes, que foram responsáveis por uma alta porcentagem de mortes infantis antes do desenvolvimento de vacinas.

A seguir vamos contar quais são as infecções que o seu filho pode evitar ao receber essa imunização.

Difteria

Essa doença é causada pela bactéria Corynebacterium diphtheriae e é uma condição potencialmente grave. Isso porque afeta principalmente as membranas mucosas do nariz e da garganta e forma nesses locais uma camada ou membrana que impede a respiração.

Além disso, pode infectar os tecidos da pele e causar a morte celular.

A bactéria responsável é transmitida de pessoa para pessoa e, em geral, são os adultos que a carregam sem saber. Quando adquirida por uma criança pequena, pode levar à morte. Portanto, é aconselhável vacinar todas as pessoas com menos de 5 anos de idade.

Tétano

O tétano é uma infecção causada pela bactéria Clostridium tetani, que também pode levar à morte.

O quadro clínico é caracterizado por um início leve com dores de cabeça e cãibras na mandíbula, mas depois progredindo para fortes espasmos musculares (tensão muscular repentina e involuntária). Em última análise, isso pode levar à paralisia do diafragma e à incapacidade de respirar.

As referidas bactérias entram no corpo através de feridas ou erosões na pele, queimaduras ou mordidas de animais. Em geral, são encontradas na poeira e no solo, pois podem sobreviver por muito tempo a condições adversas.

Cultura líquida de material biológico.

Tosse convulsa (coqueluche ou tosse convulsa)

É uma infecção respiratória grave causada pela bactéria Bordetella pertussis, que ataca os pulmões e produz crises violentas de tosse e apneia. Se não for tratada a tempo, pode causar insuficiência cardiorrespiratória e levar à morte.

Afeta pessoas de qualquer idade, embora em bebês com menos de 6 meses a infecção possa ser muito mais grave.

Infecção por Haemophilus influenzae tipo B

Essa bactéria causa infecções graves de vários tipos, principalmente em bebês e crianças pequenas. Entre as mais destacadas, temos meningite bacteriana, septicemia, pneumonia, artrite séptica e epiglotite, entre outras.

Crianças menores de 3 anos são especialmente vulneráveis, por não terem imunidade específica para combater a entrada de microrganismos encapsulados, como essa bactéria.

Poliomielite

Felizmente, em muitas partes do mundo, a poliomielite é uma doença erradicada. E isso tem muito a ver com a massificação de sua vacina.

Essa doença é causada pelo poliovírus, que tem predileção (ou tropismo) por tecidos nervosos. É por isso que afeta a medula espinhal e causa paralisia muscular progressiva em todos os 4 membros. Em alguns casos, também pode afetar os músculos respiratórios e causar insuficiência respiratória e morte.

Hepatite B

A hepatite B é uma infecção sexualmente transmissível, mas também pode ser adquirida pelo sangue. Mesmo durante o parto, a mãe pode transmiti-la ao bebê.

Essa infecção afeta principalmente o fígado, mas progride com o tempo e pode levar a complicações em todo o corpo. Com o passar dos anos, os danos do vírus podem levar ao câncer de fígado e cirrose.

Com que idade essa vacina deve ser administrada?

Sua administração é por via intramuscular profunda, ou seja, o medicamento é injetado dentro do corpo do músculo.

Geralmente, em bebês, a coxa (região anterior e lateral do músculo vasto externo) é escolhida e quando eles começam a engatinhar, o braço (músculo deltoide) é escolhido.

Deve-se notar que cada país tem seu próprio esquema de vacinação hexavalente. Em alguns locais, a terceira dose é administrada aos 6 meses e uma quarta dose (que é um reforço) é administrada aos 18 meses. Isso também pode variar de acordo com as indicações do laboratório que fabrica o produto.

Quando todas as doses são aplicadas, o percentual de cobertura para todos os seus componentes é de 98%.

Por fim, essa vacina pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas, caso a criança tenha várias imunizações agendadas. Isso favorece o cumprimento do esquema recomendado.

A vacina hexavalente é segura?

A vacina hexavalente demonstrou ser altamente segura e eficaz. Inclusive, já foi aprovada por diversas entidades internacionais de saúde, como a Organização Mundial da Saúde, a Comissão Europeia e a Agência Europeia para a Avaliação de Medicamentos (EMEA) em conjunto com o seu Comitê Científico de Especialidades Farmacêuticas.

Depois de ter sido submetida a uma série de testes e estudos científicos, foi finalmente autorizada a ser comercializada como um produto confiável para administração em bebês e crianças.

Efeitos colaterais da vacina hexavalente

Como todas as vacinas, a hexavalente também tem alguns efeitos colaterais. Em geral, eles aparecem nas primeiras 24 a 48 horas após a aplicação e podem ser alguns dos seguintes:

  • Choro e irritabilidade.
  • Febre baixa.
  • Reação local (inflamação, vermelhidão e dor no local da picada).
  • Vômito.

Os efeitos secundários graves são muito raros, mas devem ser levados em consideração no caso de aparecerem:

  • Convulsões.
  • Hipotonia, flacidez muscular ou falta de resposta aos estímulos.

Se algum deles ocorrer, é necessário levar a criança imediatamente ao pronto-socorro pediátrico. Dessa forma, ela pode ser avaliada pelo profissional adequado a fim de prevenir consequências mais importantes.

Mãe conferindo temperatura do filho com mão na testa.

Quando essa vacina é contraindicada?

A vacina hexavalente é muito segura, mas ainda assim deve ser evitada nas seguintes circunstâncias:

  • Presença de febre ou infecção no momento da vacinação.
  • Doenças neurológicas não controladas.
  • Histórico de reações anafiláticas após administração das doses anteriores.
  • Alergias a alguns de seus componentes, que se manifestaram em experiências anteriores.

As vacinas salvam vidas!

As vacinas são o primeiro passo na prevenção de infecções infantis que envolvem risco de vida e salvaram milhões de vidas nas últimas décadas. Porém, mais importante do que o produto é ser consistente e completar os esquemas recomendados pelas sociedades científicas.

Se você tiver dúvidas sobre a segurança e a eficácia dessa ou de outras vacinas, é importante conversar com o pediatra. Os profissionais de saúde são as pessoas mais qualificadas para informar sobre os riscos e benefícios da imunização em crianças.

This might interest you...
Vacina anti-D na gravidez: o que acontece se eu não tomar?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Vacina anti-D na gravidez: o que acontece se eu não tomar?

A administração da vacina anti-D na gravidez evita complicações devido às incompatibilidades do fator Rh entre a mãe e o bebê.