Você transforma a felicidade de seu filho em sua própria felicidade?

22 Agosto, 2018
Ter um filho é uma experiência maravilhosa, mas isso não significa que felicidade da criança possa ser confundida com a sua própria felicidade.

Ninguém duvida que ter um filho é uma das experiências mais maravilhosas que uma mãe pode viver, para não dizer a melhor de sua vida. Agora, isso não significa que toda a existência da progenitora tenha que girar ao redor de seu descendente até que se confunda a felicidade da criança com a sua própria felicidade.

Embora um filho seja importante em sua vida, embora a felicidade e o bem-estar dele sejam sua primeira preocupação, embora você deva dedicar quase cada minuto do dia a cuidar do seu pequeno, você ainda é você, e ele é ele.

O que acontece quando uma mãe baseia toda a sua vida na felicidade e no bem-estar de um filho? Isso pode acarretar sérios problemas psicológicos para ambos. Pois não afetará somente a mãe, o filho também pode se ver envolvido.

Não confunda a própria felicidade com a da criança

Talvez para uma mãe seja difícil ouvir isso, mas seu pequeno não é você. A partir do mesmo dia em que ele começa a tomar forma, é uma criança que terá o seu próprio corpo, sua personalidade e sua forma única e diferenciada de ver o mundo.

própria felicidade

Embora ambos irão compartilhar genes, educação e semelhanças, cada pessoa é diferente e isso deve ser respeitado. Todos nós somos únicos. O que é agradável para mim talvez não seja para você. Por isso, toda mãe deve ter esses conceitos claros. Caso contrário, o problema pode se tornar mais grave.

Excesso de dependência

Se uma mãe que ama seu filho em excesso o superprotege, na verdade não está fazendo nenhum favor para ele. Essas crianças aprendem a depender de seus pais para tudo. Assim, não dispõem de autonomia e demoram mais tempo para se desenvolver psicologicamente.

Uma criança superprotegida geralmente é menos responsável, muito mais abusada e exigente e, acima de tudo, extremamente insegura de si mesma. Talvez pareça bom enquanto ela ainda é pequena, mas conforme vai se desenvolvendo e precisa socializar, esse aspecto irá afetá-la demais.

E a sua vida?

E você, você não tem vida? Não se esqueça de que uma mãe, por mais tempo que possa se dedicar ao seu filho, por mais que o ame e por mais que queira a sua felicidade, ainda tem uma vida. Casal, família, amigos, outros filhos… seja qual for a sua situação, você não deve deixar de lado o seu mundo social.

Nesse sentido, é positivo cuidar daqueles que estão à sua volta, pois eles também cuidarão de você. Além disso, isso te permite ter alguns descansos e desfrutar de algum tempo para você. Embora você não acredite e sonhe em estar a cada segundo com o seu filho, nos momentos de descanso você pode refletir sobre seus sonhos, sobre como educar a criança, o que fazer para protegê-la, receber conselhos…

Além disso, você não deve esquecer que um dia seu filho irá sair de casa, porque ele vai crescer. Imagine que você tem se dedicado tanto a ele que agora todo o seu mundo é a felicidade dele. Quando você estiver sozinha, como acha que vai lidar com isso?

Insatisfação

Outro grande problema de transformar nossa própria felicidade na felicidade da criança é a insatisfação que isso pode provocar. Embora seja de forma inconsciente, nossas frustrações, nossos sonhos e nossas esperança podem acabar sendo projetadas na criança.

Como dissemos no início do artigo, cada pessoa é um mundo e seu filho, embora seja parecido, é diferente de você. É importante que ele seja independente, que tenha seus próprios sonhos e objetivos e que se sinta livre para escolher.

Você deve ser sua guia, sua âncora à realidade e sua companheira. Mas seus sonhos são seus, não dele. Suas decepções são suas, não dele. Ele é o único dono de sua vida, e deve ir descobrindo-a pouco a pouco segundo seu critério, com a sua ajuda e seus conselhos, não tentando levá-lo a fazer o que você não pode um dia fazer, especialmente se ele não quiser.

própria felicidade

É importante que todas as mães e todos os pais aceitem seus filhos como eles são, e não como gostariam que fossem. Eles são seres maravilhosos que nos amarão sem complexos ou rodeios. Mas não são nós. Esse é um detalhe que temos que ter bem claro. O que me faz feliz, talvez não faça a ele. Minha felicidade nem sempre será a dele.

Apresente a ele um mundo belo para se viver, ajude-o a ser independente, amável e crítico. Mas não foque toda a sua vida e o sentido de sua existência nele, pois ele não merece essa responsabilidade. Você deve abraçar a felicidade de ambos. Cada um com seu jeito único de ser, aceitando as diferentes personalidades e entendendo que todos nós podemos viver em um belo lugar de compreensão e cumplicidade.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.