Abscesso dentário em crianças: causas e recomendações

Soltar um dente com abscesso em crianças é uma coisa muito perigosa. Contamos tudo o que você precisa saber sobre esse problema bucal para que você saiba como agir.
Abscesso dentário em crianças: causas e recomendações

Última atualização: 02 agosto, 2022

As infecções nos dentes e molares das crianças podem levar ao aparecimento de um abscesso dentário. Trata-se de uma coleção de pus dentro do osso, na gengiva ou mesmo em outras áreas da boca ou do rosto.

O tratamento oportuno desse problema é muito importante, pois, além do desconforto que causa nos pequenos, pode espalhar a infecção para outras partes do corpo.

Neste artigo, explicamos por que um abscesso dentário aparece em crianças e como reconhecê-lo. Você também saberá como prevenir e como agir caso ocorra. Saiba mais aqui.

O que é um abscesso dentário?

O abscesso dentário em crianças é um acúmulo de pus causado por uma infecção bacteriana. Essa coleção de material pútrido fica localizada em uma espécie de bolsa que pressiona os tecidos para sair.

Pode localizar-se em diferentes espaços da cavidade oral, embora os abscessos mais frequentes sejam os periapicais (nas extremidades das raízes dentárias) e os periodontais (nas gengivas, nas laterais da zona radicular).

Mas, como já mencionamos, os abscessos podem acometer outros locais mais distantes, dentro e fora da boca. É assim que eles podem atingir os tecidos moles do assoalho da boca, do pescoço e das bochechas. E nesses casos, o risco de complicações é muito alto. Portanto, medidas devem ser tomadas com urgência.

Às vezes, o dente com abscesso de uma criança pode forçar a saída através de uma fístula. Esse é um tipo de canal criado pelo corpo para conectar uma cavidade purulenta com uma área mais superficial e assim evacuar seu conteúdo. À primeira vista, parece uma espécie de espinha na mucosa oral ou na pele.

Lesão purulenta na gengiva da boca de uma criança
Os abscessos dentários podem criar fístulas, que são canais pelos quais se tenta drenar o pus de forma natural e espontânea.

Causas de abscesso dentário em crianças

A causa de um abscesso dentário em crianças é uma infecção bacteriana dentro de um dente. Esses germes podem entrar no dente através de uma cárie ou fratura.

As cáries não tratadas são a fonte mais comum do problema, pois as mesmas bactérias que destroem os tecidos duros do dente atingem a polpa, a parte mais profunda do dente. Assim, o nervo morre e o processo infeccioso se desenvolve.

O conteúdo apodrecido da infecção dentro do elemento dentário se acumula nas extremidades das raízes ou na área periodontal. E assim o abscesso se forma gradualmente.

Batidas fortes nos dentes ou grandes reparos também podem levar à morte pulpar e subsequente infecção.

Sintomas de abscesso dentário em crianças

Para ajudar as crianças a aliviarem seu desconforto, é essencial conhecer as manifestações do abscesso dentário. Aqui estão as mais comuns:

  • Dor no dente afetado: a pressão exercida pelo pus nos tecidos circundantes gera uma dor lancinante ou latejante. A criança pode relatar que sente o dente “pulsar”.
  • Sensibilidade: há desconforto ao morder e pressionar o dente afetado, assim como no contato com comidas e bebidas quentes e frias.
  • Dor que se espalha para a bochecha, orelha, mandíbula e pescoço no lado afetado.
  • Dente solto.
  • Gengivas vermelhas, inchadas ou com um pequeno caroço saliente. Tocar nesses locais e exercer pressão incomoda ou machuca.
  • Boca de fístula na gengiva.
  • Sabor amargo na boca.
  • Mau hálito.
  • Inchaço do pescoço, sob a mandíbula ou nas bochechas. Essas áreas podem ficar vermelhas, quentes e sensíveis.
  • Linfonodos inchados e sensíveis localizados sob a mandíbula e o pescoço.
  • Febre.
  • Dificuldade para respirar ou engolir.
  • Alívio da dor se o abscesso se romper ou se aparecer uma fístula que drena o pus.

Complicações

O abscesso dentário em crianças requer tratamento odontológico. Muitas vezes, o próprio corpo consegue drenar o conteúdo da cavidade purulenta para o exterior, mas, embora isso diminua os sintomas, isso não significa que o problema está resolvido.

A infecção dentro do dente, osso e gengiva continua, e uma infecção não tratada pode se espalhar para a mandíbula, assoalho da boca e outras áreas da cabeça e pescoço. Dependendo da gravidade da condição, também pode ser fatal.

Se a criança tiver febre, náusea ou vômito, ou tiver dificuldade para engolir, falar ou respirar, é importante que ela receba atendimento médico urgente. Assim como se o abscesso atingir o pescoço ou as pálpebras, ou a dor piorar. Nesses casos, pode ser necessário internar o pequeno para evitar complicações mais graves.

Tratamento de abscesso dentário em crianças

Quando a criança tem um abscesso dentário, é muito importante levá-la ao odontopediatra o mais rápido possível. O profissional avaliará a situação para realizar o melhor tratamento, de acordo com as necessidades do caso.

O uso de antibióticos para tratar a infecção é necessário e, em geral, é acompanhado de um tratamento anti-inflamatório para reduzir o desconforto e promover a recuperação.

Dependendo se o problema está localizado em um dente de leite ou permanente, as alternativas de tratamento variam. Além disso, vão depender do grau de comprometimento de outros tecidos, da possibilidade de causar complicações graves ou do tempo que resta do dente na boca.

Em linhas gerais, trata-se de manter o dente na boca e drenar o abscesso para eliminar o foco infeccioso. Isso quase sempre é feito através de uma perfuração dentro do próprio elemento dentário. Em seguida, os dutos são limpos e desinfetados e um canal radicular é realizado para resolver o problema.

Em alguns casos mais complexos ou perigosos, quando a infecção tiver se espalhado, a extração do dente pode ser a melhor solução. Uma vez resolvido o problema, a reabilitação correspondente deve ser realizada para manter a saúde, função e estética bucal.

Muito poucos casos de crianças requerem intervenção cirúrgica para drenar o abscesso através da pele ou das mucosas. Essa técnica consiste em fazer uma incisão sobre a área inchada para ajudar a remover o pus. E então, dentro da cavidade, o dente problemático precisará ser tratado ou removido.

Dentista pediátrico atendendo criança.
Os tratamentos para os dentes com abscesso em crianças incluem drenagem do pus e reparo do dente danificado.

Remédios caseiros

Existem algumas práticas caseiras que podem ajudar as crianças com abscesso dentário a se sentirem melhor. Esses remédios caseiros não substituem o tratamento odontológico. Simplesmente, são medidas que aliviam o incômodo até que seja resolvido:

  • Aplicar panos frios ou compressas intermitentemente, por não mais de 20 minutos de cada vez, no rosto inchado para reduzir o inchaço.
  • Fazer bochechos com água morna e sal, mas sem que a criança engula a mistura.
  • Manter a boca higienizada. Escove o dente afetado suavemente. Em casos de dentes com cáries grandes, deve-se tentar remover todos os detritos que se acumularam em seu interior.
  • Administrar a medicação prescrita pelo dentista de forma correta. A administração não deve ser suspensa se a criança já se sentir melhor, pois o antibiótico deve completar todo o ciclo para evitar resistência farmacológica.
  • Evitar alimentos muito quentes ou frios.
  • Nunca tentar drenar ou tratar o abscesso do seu filho sozinho em casa. Isso é muito perigoso. Sempre a melhor solução nesses casos é procurar ajuda profissional.

Como prevenir o abscesso dentário em crianças?

A melhor maneira de evitar o desconforto e os riscos associados a abscessos dentários em crianças é prevenir sua ocorrência. E nessa tarefa, os pais têm um papel fundamental.

Quanto menos bactérias proliferarem na boca dos seus filhos, menor chance de desenvolver cáries e infecções eles terão. Para isso, é fundamental manter hábitos saudáveis como alimentação saudável e higiene bucal adequada.

Levar a criança ao odontopediatra regularmente também ajuda a prevenir esse problema. O profissional é um aliado dos pais na tarefa de manter a boca dos pequenos saudável.

E se apesar dos cuidados você suspeitar que seu pequeno possa estar com um abscesso dentário, não perca tempo. Procure atendimento profissional imediatamente para evitar que a infecção se espalhe e se torne uma emergência.

Pode interessar a você...
Dentes lascados em crianças: causas e tratamentos
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Dentes lascados em crianças: causas e tratamentos

O fato de as crianças terem os dentes lascados afeta as funções de sua boca e sua qualidade de vida. Descubra a que se devem e como tratar.



  • Carrasco-Loyola, M., & Orejuela-Ramirez, F. (2018). Consecuencias clínicas de caries dental no tratada en preescolares y escolares de instituciones educativas públicas. Revista Estomatológica Herediana28(4), 223-228.
  • Toledo, L. C., Dolz, A. M. N., & Fernández, Z. R. (2021). Tratamiento del absceso odontógeno submandibular y del espacio bucal. Presentación de caso. Revista Cubana de Otorrinolaringología y Cirugía de Cabeza y Cuello5(2).
  • Ccanto Coanqui, A. (2021). Relación de la caries dental no tratada con la percepción de la calidad de vida en niños de 8-10 años que acuden al servicio de odontopediatría del Hospital Militar Central-Lima, 2020.
  • Carcausto Cucho, M. (2019). Prevalencia de enfermedades pulpares en piezas con caries no tratadas según el índice (PUFA) en niños de 3 a 7 años en la isla de Taquile-Puno 2018.
  • Plaza Soria, R. A. (2019). Terapia antibiótica en infecciones odontogénicas en niños y adolescentes (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología).
  • Páez Félix, Á. E., Cuyutupac Alvarez, A. C., & Poma Valerio, A. S. (2018). Frecuencia de lesiones pulpares en niños y adolescentes de 3 a 16 años, atendidos en la Clínica Dental Docente UPCH, en el período 2015-2016.
  • Ríos, E. V. P., Ramos, G. T., & Loayza, M. B. (2021). Pulpectomía de una periodontitis periapical aguda realizada en una sola cita en un paciente infante. Reporte de caso. REVISTA ODONTOLOGÍA PEDIÁTRICA20(2), 46-52.
  • Vega Castello, S. (2018). Microbiología de los abscesos dentales.
  • Lascano Lucio, M. C., & Ramírez Sánchez, K. M. (2019). Complicaciones sistémicas relacionadas con procesos infecciosos de origen odontógeno (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología).
  • Laversanne, S., Ray, A. C., Kbidy, A., & Haen, P. (2021). Complicaciones de las infecciones dentales. EMC-Tratado de Medicina25(4), 1-8.