Alergias alimentares mais comuns nas crianças

3 de agosto de 2019
Existem oito alérgenos que produzem a maioria dos surtos alérgicos nas crianças. Junte-se a nós e descubra quais são eles e quais sintomas causam.

Quando o sistema imunológico detecta que um componente alergênico entrou no organismo, fica hipersensibilizado e ocorre uma alteração que leva a vários sintomas. Estes variam desde vômitos, diarreia e irritações cutâneas até, em casos extremos, morte por asfixia.

É por isso que é tão importante que os pais saibam quais são as alergias alimentares mais comuns e, ao mesmo tempo, que sejam feitos exames para determinar se a criança será afetada pela ingestão de um alimento específico.

Infelizmente, as alergias alimentares não podem ser erradicadas do corpo quando surgem. Além disso, ainda que os exames necessários sejam feitos e um resultado negativo seja encontrado para algum alimento, a hipersensibilidade a ele pode ser ativada em qualquer momento da vida.

Então, a prevenção e a observação serão os nossos principais aliados para evitar as consequências desagradáveis de uma condição alérgica.

Os oito alérgenos mais comuns

Certamente, cada organismo é único. Um indivíduo pode ser alérgico a qualquer alimento, incluindo aqueles que não figuram regularmente na ‘lista negra’ por causa de sua recorrência em criar reações adversas.

No entanto, existem oito alérgenos principais que têm alta probabilidade de desencadear surtos alérgicos. Eles são:

  • Amendoim.
  • Ovos.
  • Mariscos.
  • Leite.
  • Soja.
  • Trigo.
  • Oleaginosas.
  • Peixes e frutos do mar.

Dentro da última categoria estão, por exemplo, os camarões. Enquanto isso, na primeira – o amendoim – podemos destacar as nozes e avelãs e os produtos derivados de amendoim, como a manteiga de amendoim.

Por outro lado, embora não estejam incluídas na lista dos oito alérgenos mais comuns, algumas frutas, tais como kiwi, morango e pêssego, também aparecem como desencadeantes de surtos alérgicos.

O leite é um dos alérgenos mais comuns

Sintomas das alergias alimentares mais comuns

Quando o sistema imunológico rotula um alimento ingerido como prejudicial à saúde por engano, ele gera os chamados anticorpos IgE. Esses anticorpos fazem com que os mastócitos ou células alérgicas liberem uma substância química na corrente sanguínea chamada histamina, que causa alterações em áreas como o nariz, os olhos, o trato digestivo e a pele.

Mais especificamente, os problemas causados a partir da liberação de histamina são:

  • Protuberâncias nas pálpebras.
  • Inflamação na região da boca e dos lábios.
  • Inflamação da língua.
  • Bolhas na pele.
  • Anafilaxia.
  • Asma brônquica.
  • Rinite.
  • Crise de broncoespasmo.
  • Urticária localizada ou no corpo todo.
  • Doenças inflamatórias da pele.

“Ainda que os exames necessários sejam feitos e um resultado negativo seja encontrado para algum alimento, a hipersensibilidade a ele pode ser ativada em qualquer momento da vida”.

Lapsos de tempo em que os sintomas ocorrem

Os sintomas das alergias alimentares vão aparecer imediatamente ou até cinco dias depois do contato, dependendo do tipo de alergia que se desenvolva na criança. Ela pode ser grave, moderada ou leve.

Nas alergias graves, os surtos podem ser produzidos simplesmente tocando ou inalando partículas dos alimentos alergênicos. Nos casos moderados ou leves, podem aparecer após 30 minutos de ingestão ou, no caso das doenças inflamatórias da pele, após cinco dias.

Que tipos de exames podem ser feitos nas crianças para detectar alergias?

Se você quiser detectar se o seu filho é alérgico a certos alimentos ou, até mesmo, a qualquer outra substância, tais como produtos químicos, flores ou animais, existem diferentes exames que podem ser realizados, porém sempre sob a supervisão de um especialista. Os tipos de exames são:

  • Teste de punção, no qual o elemento alergênico é aplicado nas camadas subcutâneas.
  • Teste de contato, nos quais a substância é colada em um adesivo que ficará sobre a pele da criança por 48 horas.
  • Exames de sangue: com as amostras de sangue, os níveis de anticorpos presentes na criança serão examinados.
  • Testes de provocação, nos quais a criança será exposta ao produto através das vias brônquica, oral, conjuntiva ou nasal. Esse último teste é o mais utilizado nos casos de alergias alimentares.
Sintomas das alergias alimentares mais comuns

Em suma, como consideração final, é importante saber que, se você já identificou que o seu filho é alérgico a algum alimento em particular, você deve informar o pediatra sobre essa situação. Assim, vocês poderão avaliar em conjunto as alternativas nutricionais em substituição ao alimento que deve ser suprimido da dieta.

Isso será muito importante caso o seu filho seja alérgico, por exemplo, aos laticínios, visto que as contribuições nutricionais desse tipo de produto são fundamentais para o crescimento das crianças.