Amamentar também é nutrir a alma, abrigar o coração

· 17 de agosto de 2017

Amamentar é mais do que apenas nutrir o bebê. É alimentar o seu coração, abrigar a sua alma, acalmar os seus medos, sua solidão … É acima de tudo, criar um vínculo que nasce dos olhares e das emoções.

É curioso como às vezes gestos tão básicos e fundamentais como dar o peito ou a mamadeira ao seu filho, na verdade, cumprem muito mais funções do que buscamos. Os aspectos emocionais que estão por trás desta ação diária que pode durar entre 6 meses a 2 anos, preenchem os requisitos para a construção de um vínculo e solidificação do apego.

Esse período que você vive ao longo da amamentação é importante, pois a criança amadurece em vários aspectos como a atenção, a percepção, a visão, e o desenvolvimento da comunicação. Isso é porque, durante a amamentação, acontece algo que toda mãe faz, que é conversar com o seu filho, cantar, ninar, e dizer o quanto o ama.

É claro que os pais também não podem ser deixados de lado. Eles também dão mamadeiras, se conectam emocionalmente com o seu pequeno, o nina, conversa e o enche de carinho. Eles também nutrem o coração e a abrigam a alma do bebê …

Amamentar: uma escolha pessoal, um modo de alimentar a vida

Amamentar, ou dar o peito, é uma escolha pessoal de cada mãe. Só ela pode decidir se quer ou não fazer. E também, só ela pode decidir até que momento o filho vai mamar para então começar o desmame pouco a pouco.

Sabemos que instituições como a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomendam o aleitamento materno por pelo menos durante os primeiros 6 meses, podendo se estender até os 2 anos. Dessa forma a mãe estará ajudando a fortalecer o sistema imunológico da criança, colocando algumas barreiras defensivas contra gripes, meningite, otite, bronquiolite, pneumonia …

Por sua vez, o processo de amamentação também traz muitos benefícios para as mães, tais como uma menor probabilidade de desenvolver cânceres femininos (entre 11% e 20%) ou até mesmo prevenir contra a osteoporose em idade precoce.

Os benefícios são muitos e os custos muito poucos. É um processo que, sem dúvidas, requer tempo e dedicação, e que exige muito da mãe para que possa conciliar responsabilidades de todos os tipos, laborais e familiares. No entanto, aquelas que conseguiram e foram capazes de amamentar por todo o tempo considerado adequado, tem uma grande recordação. É uma lembrança cheia de emoções que dura para sempre em suas memórias.

Dou a mamadeira e me conecto com o meu bebê, e também acaricio o seu coração

A mamãe que escolheu a mamadeira ao invés do peito não é uma mãe ruim. Além disso, a mamãe que teve de recorrer à ao leite de fórmula porque não foi possível amamentar como queria, também não deve se culpar ou pensar que está incompleta. O bebê vai se sentir igualmente amado, igualmente seguro, satisfeito e feliz.

  • Sabemos que a sociedade muitas vezes nos diz o que devemos fazer ou não em todos os momentos. Por isso, muitas mães se sentem julgadas quando escolhem alimentar o seu bebê com leite de fórmula. Sempre vai chegar aquele que diz “você não vai conseguir se conectar com o bebê da mesma forma que teria se desse o peito”.
  • Amamentar é mágico, sem dúvida. Mas o que constrói o autêntico apego, é o fato de ter os bebês bem próximos. É ser o seu o calor diário que abriga, ser a voz suave que reconforta e estimula, que acaba com os medos, que canta, faz rir e sussurra palavras bonitas.

Esse contato entre mãe e filho também pode ser construído com a mamadeira. É o momento em que os olhares se encontram, quando as mãos se acariciam, onde há sorrisos sinceros, e um amor que cria um ambiente de paz e equilíbrio.

Vou dar-lhe o peito até quando eu quiser, não até quando alguém me disser …

Ele vai ficar mimado. Você o superprotege debaixo das suas asas. Ele não vai comer de tudo. Vai tirar as suas forças. Vai ser uma criança birrenta…

Estas são as frases mais comuns ouvidas por muitas mães quando dizem que não vão desmamar o seu filho tão cedo ou quando uma amiga, sua mãe, a vizinha lhe aconselha. Porque dessa forma,”você o estará mimando”. Muitas pessoas não sabem que às vezes, o que alguns chamam de “mimar” é na verdade, criar bem.

Se você quiser estender a amamentação para mais de um ano, é uma escolha pessoal. Se você quiser amamentar duas crianças ao mesmo tempo, vá em frente. A decisão é sua, e você é quem vai fazer isso. Se o seu filho já anda e corre e ainda pede o peito, é uma questão de mãe e filho a continuar ou não. Essa união fisiológica mais cedo ou mais tarde acaba por si só, de forma natural …

Em conclusão… o ato de amamentar é uma tarefa maravilhosa, algo que nos permite fortalecer esse vínculo mágico com o nosso filho. É uma escolha pessoal assim como decidir a hora de parar. Que cada mulher seja livre para escolher como criar os seus pequenos.

Imagens cortesia app tree of life