Analgesia no parto

08 Agosto, 2020
Atualmente, muitas mulheres planejam muito bem o parto para encontrar a maneira ideal de aliviar a dor sentida ao trazer um bebê ao mundo.

Para uma mulher, o momento do parto certamente será um dos melhores de sua vida. Naturalmente, caracteriza-se por uma dor corporal profunda que pode roubar um pouco do próprio encanto. A analgesia no parto desempenha um papel importante para evitar que a futura mãe precise passar por um sofrimento desnecessário.

Durante a gravidez, fala-se da analgesia no parto e sobre como ela pode ocorrer naturalmente. Os métodos de relaxamento e concentração são muito úteis e fornecem muita segurança à parturiente no momento do início da dilatação.

As dores sentidas durante o trabalho de parto estão ligadas a contrações uterinas e mudanças frequentes nas estruturas distensíveis do canal de parto. É por esse motivo que são tão fortes e contínuas.

Na primeira fase do trabalho de parto, a dor se concentra na área abdominal e na região lombar. Conforme o tempo vai passando, as pontadas passam a se concentrar nas regiões infraumbilical, lombar superior e sacral. No último estágio, a pressão é sentida no sacro, ânus e períneo.

Atualmente, as técnicas de analgesia no parto são a alternativa ideal para aliviar essas dores terríveis. Os partos dolorosos, nos quais não eram administrados medicamentos para aliviar a dor, ficaram no passado.

Graças aos avanços científicos e tecnológicos, até mesmo as mulheres alérgicas a esses analgésicos podem dar à luz sem dor. Conheça os métodos principais na lista a seguir.

Métodos de analgesia no parto

Para fazer a escolha da técnica a ser usada no momento do parto, é necessário um estudo cuidadoso das características da paciente. É necessário avaliar o histórico médico e familiar, bem como outras questões relacionadas ao momento do parto e à experiência do obstetra.

Analgesia no parto

A analgesia ideal é aquela que alivia a dor satisfatoriamente sem interferir na evolução do trabalho de parto, que não causa efeitos na mãe ou no bebê e que é facilmente previsível e controlada. Existem vários tipos de analgésicos que atendem a essas características:

Analgésico sistêmico

É um medicamento injetado na veia ou no músculo que atua no sistema nervoso e ajuda a diminuir a dor. Com esse tipo de medicamento, algumas mulheres se sentem relaxadas e calmas, o que ajuda para que tenham um parto menos doloroso.

No entanto, esse procedimento pode fazer com que a mãe e o bebê fiquem um pouco sonolentos, mas sem atrasar o parto ou afetar as contrações.

Bloqueio peridural

Consiste em causar a perda da sensibilidade na metade inferior do corpo. Isso é feito aplicando uma injeção com muita precisão na região lombar.

Esse tipo de analgesia ajuda a diminuir a dor das contrações e facilita o parto vaginal. A peridural é o procedimento mais seguro para aliviar a dor durante o parto.

É escolhida por muitas mulheres, pois não tem efeito sedativo na mãe ou no bebê e não aumenta as chances de precisar de uma cesariana.

“O momento do nascimento é a coisa mais linda da vida. Dor e alegria se unem por um momento”.
–Madline Tiger–

Bloqueio do pudendo: anestesia local

Trata-se de um anestésico local que é injetado na vagina e nas áreas retais pouco antes da chegada do bebê. O bloqueio do pudendo alivia a dor enquanto a criança passa pela parte adormecida.

Essa anestesia traz algumas complicações, como, por exemplo, o fato de ser necessário administrar várias doses para que seja sentido um verdadeiro alívio. Além disso, é possível que o medicamento passe para a corrente sanguínea e para a placenta e, por causa da sua toxicidade, cause coágulos sanguíneos.

Analgesia no parto

Felizmente, existem muitas outras ótimas opções para aliviar a dor do parto. Se for tomada a decisão de trazer o bebê ao mundo através do parto natural, a melhor maneira de se preparar para esse momento é praticar técnicas de relaxamento, tais como yoga ou respiração forte e concentrada.

Na verdade, muitas vezes o parto pode ser inesperado e, embora a mulher tenha planejado um parto completamente natural, quando chega a hora, ela acaba pedindo que seja aplicado algum medicamento para aliviar sua dor.

Outras, pelo contrário, estão decididas a usar a anestesia desde o início, mas chegam à maternidade quando o pequeno já está pronto para sair e é tarde demais para administrá-la. Como podemos ficar em uma situação semelhante a essa, a primeira coisa que devemos fazer quando a data do parto estiver próxima é pensar na nossa saúde e na do bebê.

O mais indicado, portanto, é conversar com o médico sobre as possíveis técnicas ou alternativas para aplicar a analgesia no parto. Assim, quando chegar a hora, será possível passar por esse momento sem maiores contratempos.