Anormalidades no umbigo do recém-nascido

As anormalidades no umbigo do recém-nascido variam de um problema de cicatrização a uma infecção potencialmente grave. Saiba do que se trata para oferecer o tratamento oportuno.
Anormalidades no umbigo do recém-nascido

Última atualização: 06 abril, 2022

O cordão umbilical é a estrutura que une o bebê à mãe durante a gravidez e permite que ele seja nutrido e oxigenado dentro do útero. Ao nascer, essa união física é rompida e, mais tarde, sua cicatriz dará lugar ao umbigo que todos conhecemos.

Durante o período de secagem e queda do remanescente do cordão, podem surgir inconvenientes, alguns deles potencialmente graves. Por esse motivo, hoje queremos falar com você sobre as anormalidades no umbigo do recém-nascido, para que você as conheça e saiba como agir ao detectá-las.

1. Queda tardia do cordão umbilical

Normalmente, o coto (ou remanescente) do cordão umbilical seca e cai dentro de 7 a 10 dias após o nascimento. No entanto, se esse processo for prolongado e demorar mais de 15 dias, é chamado de queda tardia do cordão.

Em bebês sem doença de base, esse fenômeno pode estar relacionado a algumas práticas inadequadas de higiene ou a alguma alteração na adesão de glóbulos brancos. Este último não é um problema em si, porém a avaliação do pediatra é fundamental.

Outras vezes, a queda tardia do cordão faz parte de uma série de manifestações clínicas de uma doença, como o hipotireoidismo congênito.

2. Hérnia umbilical

A hérnia umbilical é uma das anormalidades no umbigo do recém-nascido
As hérnias umbilicais podem ser vistas o tempo todo ou com mudanças de posição ou estresse. Em geral, não trazem complicações para a saúde do bebê.

A hérnia do umbigo é uma abertura na parede abdominal que surge como resultado de um defeito no fechamento do anel umbilical. Isso faz com que alguns órgãos e tecidos abdominais se projetem para fora da cavidade, através do orifício mencionado, e sejam cobertos apenas pela pele.

O tamanho das hérnias é variável e em alguns bebês a protuberância torna-se visível ao esforço (tosse, choro ou defecação). Geralmente é detectada entre a segunda e a terceira semana de vida, após a queda do coto.

Quando a hérnia é muito grande e coberta apenas por uma camada muito fina e transparente de tecido, é conhecida como onfalocele.

Estima-se que 8 em cada 10 hérnias umbilicais se fechem sozinhas antes dos 4 anos de idade. Caso isso não ocorra, o fechamento cirúrgico pode ser necessário, dependendo do caso.

3. Onfalite

A onfalite é a infecção do cordão umbilical e é uma condição de saúde potencialmente grave, que costuma afetar recém-nascidos na primeira semana de vida. Geralmente tem sintomas leves, mas se não for tratada a tempo pode piorar. Isso ocorre porque o recém-nascido não possui as defesas necessárias para lidar com os micróbios.

A primeira causa de onfalite é a colonização de bactérias no coto do cordão, produto da má higiene durante as trocas de fraldas ou oa cuidados umbilicais. Os germes mais frequentemente implicados são Staphylococcus aureus (que vive na pele) e Escherichia coli (que constitui a flora intestinal).

Os sinais e sintomas dessa condição incluem vermelhidão e inchaço da pele ao redor do umbigo, dor e calor ao toque e a eliminação de uma secreção amarelada e fétida através do cordão.

O tratamento da onfalite baseia-se no uso de antibióticos para eliminar as bactérias que a produzem, além de medidas de controle dos sintomas, como analgésicos e redutores de febre.

4. Granuloma umbilical

O granuloma umbilical é outra das anormalidades que podem ocorrer no umbigo do recém-nascido. Ele se forma como resultado do crescimento excessivo de tecido cicatricial após a queda do cordão umbilical.

Surge como um pequeno caroço avermelhado e brilhante na área da cicatriz. Em geral, mede entre 0,5 e 1 cm de diâmetro e não dói.

Para tratar essa condição, pode-se recorrer à aplicação de nitrato de prata, solução que favorece a recuperação do tecido afetado. Após esse procedimento, a cicatrização diária da ferida é realizada com uma solução de álcool a 70% durante uma semana.

5. Umbigo cutâneo e probóscide

Essa anormalidade no umbigo do recém-nascido consiste em um retalho de pele de 1-3 cm, que se projeta pela cicatriz após a queda do cordão remanescente.

Quando o segmento é curto, o defeito encolhe com o tempo e passa a fazer parte da própria cicatriz. Isso é conhecido como umbigo cutâneo. Por outro lado, quando o retalho de pele é longo e forma uma espécie de tubo que não desaparece, é chamado de umbigo de probóscide e requer correção cirúrgica.

6. Pólipo umbilical

Essa condição é muitas vezes confundida com granuloma umbilical, embora nesse caso haja uma persistência do ducto onfalomesentérico dentro do defeito. Como essa estrutura deve ser completamente fechada após o nascimento, um pólipo umbilical geralmente requer cirurgia.

O cordão umbilical infectado é comum.
O cordão umbilical é geralmente esbranquiçado no início e depois fica escuro e seco. A pele ao redor deve manter a mesma aparência que o resto do abdômen.

Verifique a condição do cordão todos os dias

Como vimos, o cordão do recém-nascido também pode adoecer. Por isso, é importante avaliá-lo diariamente, a cada troca de fralda, para detectar qualquer traço atípico.

Por outro lado, é fundamental garantir uma higiene adequada no banho e na cicatrização do cordão umbilical para evitar complicações.

No caso de se observar um atraso na cicatrização do cordão, uma vermelhidão na pele que o envolve ou um caroço na cicatriz do umbigo, recomenda-se a avaliação imediata pelo pediatra.

This might interest you...
Como devemos cuidar do cordão umbilical do recém-nascido?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como devemos cuidar do cordão umbilical do recém-nascido?

Como cuidar do cordão umbilical do recém-nascido? Esse anexo do corpo do bebê vai permanecer conectado ao seu umbigo durante, pelo menos, duas sema...



  • Araneda, L. y cols (2015). Patología del ombligo. Revista Pediatría Electrónica. Vol 12, N° 1. ISSN 0718-0918.
  • Asociación española de pediatría (2008). Patología Umbilical Frecuente. Protocolos Diagnóstico Terapeúticos de la AEP: Neonatología. Recuperado de: https://www.aeped.es/sites/default/files/documentos/41.pdf
  • García, A y cols (2019) Patología del área umbilical. Medicina clínica pediátrica. Vol 2, Nº 6, pp. 105-108.
  • Novoa, A. (2004) El pediatra ante un lactante con caída tardía del cordón umbilical. Archivos argentinos de pediatría. Vol. 102 Nº Jul./jun. 2004. Disponible en: http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0325-00752004000300009#:~:text=Se%20considera%20ca%C3%ADda%20tard%C3%ADa%20del,de%20irrigaci%C3%B3n%20y%20la%20necrosis.