Eu sou o seu bebê. Você mamãe é o meu habitat, meu alimento, meu tudo...

09 Julho, 2017
 

Para o seu bebê você é o seu habitat, o pequeno e mágico universo dele. Você é o alimento, o refúgio, e a fonte de carinho sem data de validade. Você é tudo para ele, que por sua vez, preenche sua vida com alegrias e expectativas, com sonhos e emoções que você nunca tinha sentido.

De acordo com um trabalho publicado na revista científica “LiveScience”, a maternidade é um momento biológico único e excepcional por muitos motivos. Isso é tão verdade que na maioria das vezes nem chegamos a saber quantas mudanças acontecem no nosso interior, no nosso corpo, no nosso cérebro e, inclusive, na nossa forma de ver o mundo.

No entanto, e é importante levar isso em consideração, o papai também é muito sensível a esse momento essencial. Ele sabe que em pouco tempo vai ter uma nova vida em suas mãos.  Todos esses acontecimentos, por mais curioso que pareça, nem sempre estão rodeados por alegria.

Segundo a médica Mary Kimmel, diretora da Unidade de Internação Psiquiátrica perinatal e professora de psiquiatria da Universidade da Carolina do Norte, algo que muitas mães experimentam quando estão grávidas é o medo. Elas se perguntam se vão conseguir lidar com tudo, temem pela estabilidade pessoal, econômica e, inclusive, muitas vezes se preocupam se a relação com seu companheiro vai durar ou não, se ela e o bebê vão receber apoio da família, dos amigos…

O fato de sermos tudo para esse bebê, por vezes, nos dá esperanças, mas outras vezes aparece a sombra da preocupação. Você precisa saber que pensar tudo isso é normal, lógico e até normativo. Ter um filho exige não só responsabilidade, mas também coragem e saber que vamos encarar a vida mesmo nas épocas mais difíceis. Porque você é a morada do seu pequeno, a casa, o refúgio, o vínculo dele com o mundo…

 

Sou seu bebê, cresço dentro de você, sinto suas emoções… Assim, não tenha medo

tudo

Não tenha medo, não tema o futuro mamãe porque o seu presente, o seu aqui e agora está cheio de felicidade e esperança. Não deixe que o medo e as inseguranças aflijam seu coração porque esse estresse pelo qual às vezes passamos como mães chega ao mundo pacífico do útero porque o cortisol, que nesses momentos circula no sangue ,vai chegar ao líquido amniótico.

Não é apenas o que você come que serve de alimento ao feto. O que você sente, o que vive, do que ri e do que chora, também chega ao pequeno em forma de eco, em forma de nutrientes e de carinhos invisíveis com os que se administra dia a dia e instante a instante o crescimento desse pequeno ser.

Assim, mamãe, lembre-se de que seu bebê quer que você seja feliz. Ele deseja que você acorde todos os dias com mil projetos, mil ideias, desafios e expectativas. Ele quer que você sempre seja você mesma, essa mulher corajosa que é capaz de enfrentar tudo, essa mulher linda que sabe muito bem o que quer e o que não quer para o seu filho.

Lembre-se sempre de que a pessoa que se cuida todos os dias, que presta atenção às próprias emoções e ao próprio bem-estar psicológico, sempre consegue proporcionar o melhor aos seus filhos.

 

Você é minha casa, meu lar e sempre vai ser o meu refúgio, mamãe

Assim como se costuma dizer, carregamos nossos filhos por 9 meses na barriga, 3 anos no colo e a vida toda no coração. Somos o lar deles. Fomos durante a gravidez e nunca deixaremos de ser. Pensar isso não é exercer uma proteção excessiva nem intoxicar o vínculo. Porque o lar mais sábio é aquele que mantém as portas abertas, aquele que deixa seus habitantes livres para ir e vir quando quiserem e para que, por sua vez, retornem quando desejarem.

No entanto, algo que vocês, como pais, devem se lembrar é que o lar nunca vai ser tão importante como quando seus filhos são pequenos.  É durante esses anos que é preciso construir o vínculo, essa fase na qual a gestação externa ao corpo continua durante mais alguns anos após o nascimento.

Porque os bebês precisam da nossa proximidade física nessa fase porque nossa pele, nosso carinho e nossas palavras continuam constituindo um útero invisível, no qual a criança continua crescendo até reivindicar, por si mesma, liberdade, independência, movimento…

Lembre-se de que, mesmo que seu pequeno ainda não consiga dizer, você é tudo para ele. Você é o alimento, o calor, o colo onde dormir, o peito no qual crescer e amadurecer… Não deixe, portanto, de se cuidar, ser feliz, ser corajosa e se mostrar o tipo de pessoa que seu filho quer e merece.