Bebidas vegetais para bebês e crianças

22 Julho, 2020
O leite de soja é a bebida vegetal que mais se assemelha ao leite de vaca do ponto de vista nutricional e, por isso, é a opção escolhida para indivíduos veganos.
 

Atualmente, é possível encontrar uma grande variedade de bebidas vegetais no mercado. Elas podem ser usadas ​​para ter uma maior variedade na dieta ou como uma abordagem terapêutica diante de uma alergia à proteína do leite de vaca (APLV).

As bebidas vegetais são comparáveis ​​ao leite de vaca?

Do ponto de vista nutricional, elas não podem ser consideradas substitutas do leite, pois sua composição é altamente variável dependendo da fonte vegetal. No entanto, também é importante esclarecer que o leite não precisa ser substituído, pois não é um alimento essencial na dieta.

O leite é um alimento rico em cálcio, proteínas e gorduras, embora este último componente varie dependendo da versão consumida. Nesse sentido, dependendo da fonte da qual as bebidas vegetais são obtidas, há o predomínio de diferentes macronutrientes.

As bebidas provenientes de cereais ou pseudocereais, como, por exemplo, as bebidas de arroz ou aveia, são ricas em carboidratos. Outras, obtidas a partir de leguminosas, são ricas em proteínas. E há um terceiro tipo, feito a partir de oleaginosas, tais como coco ou amêndoas, que se destacam pelo alto teor de gordura.

Assim, de acordo com sua composição nutricional, a bebida vegetal mais semelhante ao leite de vaca é a de soja enriquecida com cálcio. Isso ocorre porque ela contém quantidades semelhantes de proteínas, gorduras e cálcio.

Bebidas vegetais para recém-nascidos

Durante os primeiros seis meses de vida do recém-nascido, o leite materno ou a fórmula infantil é seu principal alimento. Embora a Organização Mundial da Saúde recomende que o leite escolhido seja o materno, isso nem sempre acontece.

 
Bebidas vegetais para bebês e crianças

A mastite (inflamação das glândulas mamárias) é algo comum e que pode causar o abandono da amamentação. Por isso, levantamos uma questão: qual fórmula infantil é indicada se a família quiser optar por um estilo de vida vegano?

Outra possibilidade, mais comum do que o esperado, é o recém-nascido apresentar alergia à proteína do leite de vaca. De fato, em um estudo realizado pelo serviço de alergologia de um hospital de Madri, a incidência dessa alergia em bebês foi calculada e estabelecida em 1,9%. Então, qual é o protocolo de ação apropriado nesses casos?

Abordagem vegana

A dieta vegana para crianças é perfeitamente compatível com o crescimento adequado, desde que bem planejada, de acordo com as principais associações científicas. Existem muitas razões que podem levar os pais a se posicionarem a favor ou contra essa corrente de alimentação, mas, de qualquer forma, elas devem ser respeitadas.

A dieta vegana não inclui alimentos de origem animal e, portanto, exclui as fórmulas infantis tradicionais. Para as famílias que optam pela alimentação artificial, existem preparações de soja e arroz adequadas para bebês veganos.

 

Para que possam ser consumidos por bebês com menos de seis meses de idade, os leites de soja devem estar livres de isoflavonas e os leites de arroz devem ser hidrolisados, ​para minimizar o teor de arsênico.

A partir dos seis meses, as preparações de soja com isoflavonas já podem ser consumidas. Posteriormente, a partir dos dois anos de idade, as bebidas vegetais podem ser incorporadas à dieta.

No entanto, é importante enfatizar que a alimentação vegana deve ser bem planejada e supervisionada por um nutricionista ou especialista no assunto.

Alergia às proteínas do leite de vaca

Quando a alergia às proteínas do leite de vaca é diagnosticada, o único tratamento é evitar a proteína do leite totalmente. Para os recém-nascidos, podem ocorrer duas abordagens, dependendo do tipo de amamentação.

No caso de um bebê alimentado com leite materno, a dieta de exclusão recai sobre a mãe. Ela deve eliminar todos os laticínios da dieta e controlar os níveis de cálcio e vitamina D. Para saber a quantidade necessária de cálcio e vitamina D, é importante conhecer o consumo anterior desses micronutrientes.

Uma vez estabelecidas as necessidades individuais de cálcio, sem esquecer que elas aumentam durante a lactação, é necessário promover o consumo de alimentos ricos em cálcio.

Para os bebês alimentados com fórmula infantil, existem várias possibilidades. O leite hidrolisado é o tratamento escolhido nesses casos. Para aqueles que não tiverem tolerância, existem fórmulas à base de soja e arroz com as especificações indicadas na seção anterior.

 
Bebidas vegetais para bebês e crianças

A partir dos dois anos de idade, essas fórmulas infantis podem ser substituídas por bebidas vegetais enriquecidas. Nesses casos, o teor de proteínas da dieta deve ser avaliado para garantir que os requisitos nutricionais sejam atendidos.

Como escolher uma boa bebida vegetal?

Para escolher dentre as várias opções, é necessário verificar as informações nutricionais. Embora não haja muita variedade entre as diferentes marcas para o leite de vaca, o caso das bebidas vegetais é diferente. Portanto, é preciso considerar:

  • A quantidade de matéria-prima que a bebida contém, que será indicada com uma porcentagem.
  • Outras especificações relacionadas ao restante dos ingredientes:
    • Se a bebida é uma fonte enriquecida em micronutrientes ou não. O cálcio e a vitamina D são dois dos micronutrientes mais suplementados, pois estão naturalmente presentes no leite de vaca.
    • A quantidade de açúcares adicionados, que não deve exceder 4-5 gramas por 100 gramas de produto.
    • Garantir que não foram tomadas medidas para tornar o produto mais barato, tais como a inclusão de misturas de matérias-primas. É possível encontrar uma alta porcentagem de arroz em algumas bebidas de coco, por exemplo.
    • Para atingir o teor de gordura do leite de vaca, podem ser adicionados óleos vegetais. No entanto, se adicionados em pequena quantidade, isso é irrelevante e não piora a qualidade da dieta.
 
  • Martínez MB et al. (2003). Incidencia de alergia a proteínas de leche de vaca en el primer año de vida y su repercusión en el consumo de hidrolizados. In Anales de Pediatría (Vol. 58, No. 2, pp. 100-105). Elsevier Doyma.
  • Biarge MM. (2017). Niños vegetarianos,¿ niños sanos?. Asociación Española de Pediatría.
  • Martín AP. (2013). Alergia a proteínas de leche de vaca. Protocolos diagnósticos y terapéuticos en Pediatría. Protoc diagn ter pediatr, 1, 51-61.