5 coisas que os pais precisam saber sobre leites não lácteos

Vamos trazer uma série de informações importantes sobre os leites não lácteos que você deve saber antes de oferecer essas bebidas às crianças.
5 coisas que os pais precisam saber sobre leites não lácteos

Última atualização: 25 Junho, 2021

Os leites não lácteos, ou também chamados de bebidas vegetais, se tornaram populares nos últimos anos. Eles começaram a ser usados como substitutos do leite convencional por pessoas com intolerância à lactose. Mas a verdade é que atualmente são considerados bons produtos para a saúde.

É importante lembrar que nem todos os leites não lácteos são de boa qualidade, por isso essa bebida deve ser escolhida com precisão no caso de ser oferecida a uma criança. Caso contrário, sua saúde pode ser colocada em risco a médio ou longo prazo.

Não devem ser usados em leites de fórmula

Sempre que possível, é benéfico preparar as mamadeiras dos pequenos com leite de vaca. Se o seu filho desenvolver intolerância à lactose, você pode optar por oferecer variedades sem açúcar. Além disso, caso a criança seja alérgica às proteínas desse alimento, existem outras opções mais vantajosas do que o uso de leites não lácteos.

Vários leites não lácteos

Isso não significa que de vez em quando esses leites não possam aparecer na dieta. No entanto, é importante verificar primeiro o rótulo, para ter certeza de evitar produtos que contenham açúcares adicionados.

Os leites não lácteos são pobres em proteínas

O leite de vaca é um alimento que se destaca por sua densidade nutricional. Possui proteínas de alto valor biológico, necessárias para o bom crescimento da criança. De fato, há artigos que demonstram que nas primeiras fases da vida as necessidades desses nutrientes são maiores. Um exemplo seria este artigo publicado em Annals of Nutrition & Metabolism.

Pelo contrário, os leites não lácteos não concentram proteínas em seu interior. Seu teor de proteínas é baixo e, além disso, são de baixo valor biológico. Isso significa que são deficitários em aminoácidos essenciais e que não apresentam uma boa pontuação em termos de digestibilidade.

Por esse motivo, os leites não lácteos não são um bom substituto para o leite de vaca. Eles podem ser um complemento, mas o consumo de um alimento nutricionalmente denso não deve ser substituído por outro com quase nenhuma substância benéfica.

Os leites não lácteos podem conter açúcar adicionado

É importante observar o rótulo do leite não lácteo antes de comprar o produto. A maioria deles possui grande quantidade de açúcares adicionados em sua composição. Esse elemento é prejudicial à saúde das crianças, conforme afirma um estudo publicado na Current Diabetes Reports .

A ingestão regular de bebidas açucaradas pode gerar patologias metabólicas. Um exemplo disso seria o diabetes tipo 2. Além disso, esse tipo de produto pode promover a obesidade infantil, um problema de saúde pública em todo o mundo.

Nesse sentido, deve-se levar em consideração que não há muitas diferenças nutricionais entre um refrigerante açucarado e um leite não lácteo com açúcar adicionado.

Nutricionalmente, não são iguais ao leite de vaca

Os leites não lácteos não são apenas deficientes em proteínas, eles são pobres em nutrientes no geral, portanto, não são comparáveis ao leite de vaca. Esses leites têm poucas vitaminas e minerais, o que não é suficiente para suprir as necessidades diárias de tais elementos. Por isso, não são um item de interesse na dieta alimentar.

Além disso, a presença do vegetal que lhes dá seu nome é praticamente insignificante. Por exemplo, o leite de amêndoas pode conter 2% de frutos secos, o que não é um conteúdo representativo. Não é suficiente para que sejam aproveitados em quantidades adequadas os ácidos graxos benéficos desses alimentos.

Não devem ser consumidos no primeiro ano de vida

O leite materno deve ser o alimento principal durante o primeiro ano de vida e exclusivo durante os primeiros 6 meses. A inclusão de produtos que possam conter aditivos ou substâncias químicas durante os primeiros estágios da vida não é recomendada de forma alguma.

No caso de oferecer um leite diferente do leite materno a partir dos 6 meses de idade, deve ser o leite de vaca. Se surgirem alergias, você terá que optar por fórmulas hidrolisadas especiais, mas os vegetais podem ser contraproducentes.

Mãe extraindo leite.

As crianças não devem consumir bebidas de arroz

Nos leites não lácteos, é necessário mencionar especialmente bebidas de arroz. Esses produtos podem conter grandes quantidades de arsênio em seu interior. Esse elemento que deve ser evitado nas primeiras fases da vida, pois é capaz de influenciar negativamente o desenvolvimento do bebê.

Cuidado com os leites não lácteos na dieta das crianças

Como você viu, os leites não lácteos ou as bebidas vegetais não são alimentos de alta qualidade. Além de não fornecerem nutrientes essenciais para os adultos, são incapazes de atender às necessidades das crianças. Por isso, sua presença na alimentação dos pequenos deve ser pontual.

Além disso, é essencial verificar rigorosamente os rótulos para detectar a presença de açúcares adicionados ou adoçantes artificiais que podem prejudicar sua qualidade. Nesse caso, estaríamos falando de um produto ultraprocessado.

It might interest you...
Glúten na alimentação do bebê: em qual idade introduzi-lo e como fazer isso?
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Glúten na alimentação do bebê: em qual idade introduzi-lo e como fazer isso?

Você tem dúvidas sobre o momento certo para introduzir o glúten na alimentação do seu bebê? A seguir, confira algumas dicas importantes!



  • Yoshida Y, Simoes EJ. Sugar-Sweetened Beverage, Obesity, and Type 2 Diabetes in Children and Adolescents: Policies, Taxation, and Programs. Curr Diab Rep. 2018 Apr 18;18(6):31. doi: 10.1007/s11892-018-1004-6. PMID: 29671076; PMCID: PMC6025796. https://link.springer.com/article/10.1007/s11892-018-1004-6
  • Richter M, Baerlocher K, Bauer JM, Elmadfa I, Heseker H, Leschik-Bonnet E, Stangl G, Volkert D, Stehle P; on behalf of the German Nutrition Society (DGE). Revised Reference Values for the Intake of Protein. Ann Nutr Metab. 2019;74(3):242-250. doi: 10.1159/000499374. Epub 2019 Mar 22. PMID: 30904906; PMCID: PMC6492513. https://www.karger.com/Article/Abstract/499374