5 erros que cometemos ao lidar com uma criança doente

5 erros que cometemos ao lidar com uma criança doente

Última atualização: 30 Março, 2021

Quando os filhos estão doentes, a maioria das mães tende a se desesperar, e é por isso que às vezes elas cometem erros. Quando uma criança está doente, não se deve improvisar. Nesse caso, o aconselhamento especializado é fundamental. No entanto, em alguns casos, essas lesões ou incômodos são perfeitamente tratáveis em casa. Portanto, as chances de cometer algum erro aumentam.

Na maioria dos casos, as soluções médicas que aplicamos em casa têm a ver com o que outras mães nos contaram. Também que levamos em consideração algum tratamento já recomendado pelo pediatra. Talvez as avós nos forneçam um pouco de experiência ou simplesmente deduzimos que tal problema se resolve de uma maneira específica. Ou seja, aplicamos um pouco do nosso conhecimento prévio para automedicar os pequenos.

Acredita-se que um dos principais erros que cometemos quando uma criança adoece é deixar de consultar o médico. Sem dúvida, algumas coisas podem ser resolvidas apenas com o kit de primeiros socorros. Apesar disso, podemos cometer erros.

Erros mais comuns ao lidar com uma criança doente

Todos cometemos erros. O importante é corrigir e tentar não repeti-lo. Aqui estão alguns dos erros mais comuns que os pais cometem quando seus filhos ficam doentes.

A automedicação

De acordo com os sintomas da doença, podemos nos antecipar. Em geral, as doenças virais são comuns e tendem a ser tratadas com antibióticos. Nesses casos, muitas vezes apenas recorremos ao nosso armário de remédios para procurar um medicamento pediátrico que o médico já tenha indicado anteriormente.

Contudo, a automedicação é muito arriscada, principalmente no caso dos antibióticos, porque podemos desenvolver resistência. Nesse sentido, se o vírus já tiver criado alguma resistência a esse antibiótico, ele não funcionará e poderá causar outro tipo de transtorno.

A automedicação é arriscada por outros motivos também. Não sabemos de onde vem a doença, portanto é muito provável que fracassemos ao tentar medicar os pequenos em casa. Da mesma forma, também podemos cometer um erro na escolha da dosagem, causando problemas ainda mais graves.

Alguns especialistas explicam que, no caso do tratamento devido aos efeitos da vacinação, é comum cometer erros. Às vezes, as crianças ficam com febre ou apresentam alguma reação quando são vacinadas. Nestes casos, os pais tendem a medicá-las para combater tais efeitos, o que é considerado um erro pelos pediatras.

Misturar medicamentos

O risco de combinar medicamentos está relacionado a uma possível intoxicação ou à alteração da dose. A mistura de dois ou mais medicamentos pode criar diferentes tipos de resistência ao produto. Além disso, também pode causar intoxicação por overdose, visto que a indicação é precisa de acordo com a idade e o peso da criança.

Os pediatras indicarão as combinações possíveis de acordo com seus conhecimentos. Mesmo que pensemos que o outro medicamento é inofensivo ou não vai interferir, é preferível evitar riscos.

Tratar todas as doenças da mesma maneira

Diante de qualquer desconforto na criança, é comum que presumir que se trata de um resfriado. Portanto, acabamos dando a elas algum xarope para tosse de venda livre encontrado em qualquer farmácia.

No entanto, nem sempre é uma aparente tosse é só uma tosse. Por isso, devemos ficar atentos a outros sintomas e também ao tempo que a criança demora para responder ao tratamento improvisado.

Dar remédios caseiros

Nem todos os remédios caseiros são inofensivos, especialmente se os usarmos em crianças. Além disso, a maioria deles não funciona de imediato ou simplesmente não funciona. Enquanto não tivermos certeza do que o pequeno tem, também não podemos fornecer remédios de qualquer tipo.

Da mesma forma, remédios que são eficazes podem alterar a evolução da doença se não forem compatíveis. Ao mesmo tempo, alguns sintomas podem piorar caso a temperatura ou o tipo de preparação que administramos não seja adequado.

Mandar para a escola normalmente

Para a maioria das doenças infantis, é melhor deixar o estado da criança estabilizar antes de mandá-la para a escola. Por exemplo, se o pequeno tiver febre, mesmo que esteja alguns décimos acima do normal, é melhor deixá-lo em casa.

No caso da febre, o mais comum é que seja causada por algo dentro do corpo. Mesmo que saibamos o que é, não devemos correr o risco de permitir que a criança piore fora de casa.

Às vezes, o tempo passado fora de casa não é favorável para a doença ou a falta de descanso pode agravar seu estado. Às vezes, pode ser útil esperar até que a criança se sinta bem, além de receber o apoio do pediatra e dos professores.

Pode interessar a você...
9 doenças em crianças menores de um ano
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
9 doenças em crianças menores de um ano

As doenças em crianças menores de um ano deixam você preocupada? Descubra qual é a mais comum e como tratá-las neste artigo.