Como conversar com meu filho sobre álcool

Para prevenir o uso de álcool por adolescentes, é essencial que os pais se envolvam. Descubra como conversar com seu filho sobre esse assunto.
Como conversar com meu filho sobre álcool

Última atualização: 13 Outubro, 2021

A adolescência é uma fase complexa para os pais, pois os obriga a ter certas conversas com os filhos que não são tão fáceis de lidar. Conversar sobre o consumo de álcool é uma delas. Portanto, queremos mostrar como fazer isso e quais informações fornecer aos jovens sobre esse assunto.

O consumo de bebidas alcoólicas é um hábito naturalizado pela sociedade. No entanto, esse comportamento na adolescência é um dos aspectos que mais preocupa os pais. Nessa idade, a percepção de risco costuma ser bastante baixa e, somada à facilidade de acesso à bebida, faz com que os jovens comecem a consumi-la cada vez mais cedo.

Como pais, podemos fazer algo a respeito? Quais atitudes devemos tomar? A seguir, vamos falar sobre isso.

Por que é importante conversar com seu filho sobre álcool?

Alguns pais cometem o erro de minimizar o uso de álcool pelos adolescentes. Outros acham que seus conselhos não serão ouvidos pelos filhos e, portanto, evitam essa importante conversa. No entanto, a intervenção dos pais é mais relevante do que se pensa.

Em primeiro lugar, é necessário conversar com os filhos sobre o álcool desde a infância, pois nessa fase as mensagens dos pais são mais bem recebidas. Mesmo que já tenham chegado à puberdade, é fundamental informá-los sobre os riscos desse consumo, uma vez que a desinformação é prejudicial. Em muitas oportunidades, a ignorância faz com que os jovens abusem da bebida.

Talvez você possa pensar seu filho já sabe o que você vai falar ou que sua rebeldia o fará ignorar suas palavras. No entanto, tenha certeza de que, ao abordar o problema, você está contribuindo para a segurança e o bem-estar dos jovens.

Adolescentes em conflito às vezes escondem algo que os pais devem ajudar a resolver.

Como conversar com seu filho sobre álcool

Agora, por se tratar de um assunto delicado e uma etapa complexa da vida, a conversa sobre o álcool não pode acontecer de qualquer maneira. Para que essa conversa seja efetiva, é importante respeitar alguns parâmetros, como os que mostramos a seguir.

Aborde o assunto naturalmente

Conversar com seu filho sobre álcool não exige dramatização ou encontrar um momento específico para ter uma conversa profunda e única. Você pode aproveitar qualquer momento em que a questão surja naturalmente para perguntar o que ele pensa, o que sabe ou se tem dúvidas sobre isso.

Uma propaganda, uma notícia ou uma história pessoal podem levar a uma conversa muito descontraída.

Evite julgamentos

É importante que você não adote uma postura excessivamente radical ou autoritária sobre o consumo de álcool, pois isso pode fechar as vias de comunicação com seu filho.

Se ele expressar curiosidade ou disser que alguém do seu círculo íntimo consumiu álcool, mostre-se interessada em saber mais. Mas sempre através da compreensão, e não da crítica.

Muitos adolescentes veem seus pais como figuras rígidas e tão distantes de sua realidade que não podem confiar totalmente neles. Procure deixar claro que seu objetivo não é proibir por proibir, e sim garantir sua segurança.

Forneça informações precisas

Ter informações confiáveis sobre os riscos do uso de álcool pode ser muito mais útil do que simplesmente proibir. Portanto, explique ao seu filho que o consumo de álcool na adolescência pode causar danos ao cérebro, que ainda é imaturo. Isso pode ter as seguintes consequências:

  • Problemas de memória e atenção.
  • Diminuição da capacidade de processamento de informações.
  • Dificuldades de organização, tomada de decisões com critério ou gerenciamento de sentimentos.

Além disso, o consumo precoce dessa substância aumenta o risco de desenvolver um vício. E até mesmo de se envolver em comportamentos perigosos, como sexo sem proteção, discussões violentas, acidentes ou o uso de outras drogas.

Tente enfatizar que você não está tentando demonizar o álcool, e sim ensinar que vale a pena esperar o corpo amadurecer para evitar consequências irreversíveis.

Construa uma base sólida de personalidade

Não podemos ignorar o fato de que o álcool traz certas recompensas imediatas para os jovens. Por exemplo, os ajuda a ficar desinibidos, a se encaixar no grupo ao qual pertencem ou a lidar com emoções negativas ou dolorosas.

Um dos grandes objetivos dos pais é fornecer as ferramentas pessoais que lhes permitam administrar esses aspectos, sem sentir necessidade de recorrer ao álcool.

Nesse sentido, garanta que seu filho chegue à adolescência com uma autoestima sólida, habilidades sociais suficientes e sua inteligência emocional desenvolvida. E se perceber que há deficiências em algum desses aspectos, não hesite em buscar o suporte profissional necessário para reforçá-las.

Oferece alternativas de lazer

junto casa grupo círculo par amigos íntimos consumo bebida álcool

O grupo de iguais tem enorme influência nas decisões que os jovens tomam. Portanto, se os amigos do seu filho consomem álcool com frequência, é mais provável que ele também comece com esse hábito.

Nesse caso, uma alternativa pode ser matriculá-lo em diferentes atividades que constituem uma alternativa de lazer mais adequada para expandir o seu círculo social com pessoas que tenham outros interesses. Os esportes ou a arte, em todas as suas variações, são duas excelentes opções para se manter ocupado em uma atividade saudável.

Não perca tempo para prevenir danos!

Em última análise, conversar com seu filho sobre o álcool é uma tarefa inevitável, por meio da qual graves consequências de curto e longo prazo podem ser evitadas.

Lembre-se de que a adolescência não é fácil para os jovens. Eles precisam da sua compreensão, da sua orientação e dos seus recursos para crescerem adequadamente.

Um jovem emocionalmente forte e saudável, que mantém uma comunicação fluida com os pais, tem muito menos probabilidade de iniciar esse tipo de consumo de risco.

Pode interessar a você...
Como o consumo de álcool afeta os pequenos?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como o consumo de álcool afeta os pequenos?

A dificuldade para controlar o consumo de álcool em menores de idade é a legalidade do produto. É um problema sério da sociedade atual. Confira!



  • Tapert, S. (2007). Consumo de alcohol en adolescentes: efectos sobre el cerebro. Documento presentando en el Seminario Internacional sobre alcohol y daño cerebral en menores, Madrid.
  • Boubeta, A. R., Golpe, S., Barreiro, C., Gómez, P., & Folgar, M. I. (2018). La edad de inicio en el consumo de alcohol en adolescentes: implicaciones y variables asociadas. Adicciones32(1), 52-62.
  • Sánchez Pardo, L. (2002). Los padres frente al “botellón”: guía práctica para una
    diversión sana de los hijos. Comunidad de Madrid: Consejería de Sanidad y Consumo, Agencia
    Antidroga.