Consumo de alimentos processados aumentou em crianças, segundo estudo

Vamos mostrar as consequências do aumento do consumo de alimentos processados por crianças, que vem ocorrendo nos últimos anos.
Consumo de alimentos processados aumentou em crianças, segundo estudo

Última atualização: 21 junho, 2022

Um estudo recente revelou que o consumo de alimentos processados por crianças disparou nos últimos anos, assim como todos os riscos que esse fenômeno acarreta. Estamos falando de produtos de baixíssima qualidade, que mal fornecem nutrientes essenciais para o corpo. Por outro lado, são fonte de ácidos graxos do tipo trans, açúcares simples e aditivos artificiais. Em um cenário ideal, devem aparecer com pouca frequência na dieta.

Antes de começar, deve-se notar que uma dieta saudável é aquela que é composta fundamentalmente por alimentos frescos. Esses alimentos fornecem vitaminas, proteínas e gorduras de qualidade, que são elementos essenciais para o bom funcionamento do organismo e para evitar certas doenças.

Por isso, hoje vamos contar tudo o que você precisa saber sobre esses hábitos alimentares tão comuns nos dias de hoje. Não deixe de ler!

Os perigos dos alimentos ultraprocessados em crianças

O estudo a que nos referimos foi publicado na prestigiosa revista JAMA e analisou os hábitos alimentares de crianças de 2 a 17 anos residentes nos Estados Unidos.

Entre os resultados, mostrou-se como as calorias dos alimentos industrializados representam mais de 30% das calorias ingeridas ao longo do dia, o que é um fato realmente preocupante. É importante notar que a maioria dessas calorias são “vazias”, ou seja, fornecem energia, mas não os nutrientes necessários ao organismo.

Outro aspecto importante é que os ácidos graxos do tipo trans presentes nesses alimentos demonstraram aumentar o risco de doenças metabólicas. Eles não só alteram o estado inflamatório do ambiente interno, como também provocam ineficiências no funcionamento do organismo e alterações no DNA das células. Dessa forma, seu consumo excessivo pode causar diversas doenças.

grãos de choclo de milho em uma jarra nachos processados em um prato ultraprocessado
A dieta da família deve incluir mais alimentos frescos (esquerda) e menos alimentos processados (médio) e ultraprocessados (direita). Embora o elemento básico seja o mesmo, os nutrientes e outras substâncias que uma ou outra forma de apresentação fornece são absolutamente diferentes.

Os aditivos podem condicionar a boa saúde

Por outro lado, deve-se notar que os alimentos ultraprocessados são feitos com uma quantidade excessiva de aditivos artificiais. Esses componentes são utilizados para melhorar as características organolépticas dos produtos e aumentar sua vida útil no mercado.

No entanto, não são inofensivos, pois têm um impacto negativo na microbiota intestinal e alteram a sua densidade e diversidade. Esse fator condiciona os processos digestivos ao longo do tempo.

Além disso, existem outros aditivos que podem aumentar diretamente o risco de desenvolver patologias, como é o caso dos nitritos. Quanto menos esses compostos aparecerem na dieta, melhor. Por esse motivo, é fundamental revisar os rótulos nutricionais para descartar os alimentos que os contêm ou que são compostos por outras substâncias de baixa qualidade.

A educação nutricional é essencial

A todo esse problema devemos acrescentar que os hábitos adquiridos nos primeiros estágios da vida costumam ser mantidos no futuro. Portanto, é fundamental proporcionar uma educação nutricional correta desde a primeira infância. Assim, será necessário enfatizar a necessidade de inclusão de alimentos frescos na dieta para garantir o consumo de nutrientes essenciais para a manutenção de um bom estado de saúde.

De fato, o alto consumo de alimentos industrializados é uma das razões pelas quais a obesidade infantil disparou nas últimas décadas. Manter um estado de sobrepeso é realmente perigoso, além da questão estética. Nesta situação, o nível de inflamação e oxidação no organismo aumenta e alguns processos metabólicos são alterados, piorando ainda mais o problema.

Divertido prato de frutas para menu infantil.
O ideal é apostar na prevenção a partir do estabelecimento de bons hábitos nutricionais desde o nascimento.

Cuidado com alimentos industrializados na dieta das crianças

Como você viu, o aumento do consumo de alimentos industrializados por crianças é realmente preocupante. Ao mesmo tempo, o aumento dos preços dos produtos frescos faz com que muitas famílias não consigam ter uma alimentação saudável por razões econômicas.

No entanto, algumas alternativas ainda podem ser consideradas para garantir uma ingestão nutricional ideal sem gastar muito dinheiro.

O que está claro é que incutir bons hábitos alimentares desde os primeiros estágios da vida é decisivo para ter uma boa saúde no futuro. E não é necessário apenas cuidar da alimentação, mas também acompanhá-la com a prática regular de exercícios físicos, principalmente o trabalho de força muscular. Até dormir bem fará diferença a médio prazo no funcionamento do organismo. Este último fator tem recebido cada vez menos atenção, mas é de vital importância.

Pode interessar a você...
3 jogos de alimentação saudável para crianças
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
3 jogos de alimentação saudável para crianças

Com os jogos de alimentação saudável para crianças, será possível ensinar de forma eficiente noções fundamentais sobre dieta e nutrição.



  • Wang L, Martínez Steele E, Du M, et al. Tendencias en el consumo de alimentos ultraprocesados ​​entre jóvenes estadounidenses de 2 a 19 años, 1999-2018. JAMA. 2021;326(6):519–530. doi:10.1001/jama.2021.10238. https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2782866?guestAccessKey=c646e502-898f-443b-8558-d90a74e35415&utm_source=For_The_Media&utm_medium=referral&utm_campaign=ftm_links&utm_content=tfl&utm_term=081021

  • de Souza, R. J., Mente, A., Maroleanu, A., Cozma, A. I., Ha, V., Kishibe, T., Uleryk, E., Budylowski, P., Schünemann, H., Beyene, J., & Anand, S. S. (2015). Intake of saturated and trans unsaturated fatty acids and risk of all cause mortality, cardiovascular disease, and type 2 diabetes: systematic review and meta-analysis of observational studies. BMJ (Clinical research ed.)351, h3978. https://doi.org/10.1136/bmj.h3978