O que é a criptorquidia? Causas, consequências e tratamentos

27 Maio, 2020
Quando os testículos do seu bebê não descem naturalmente para o escroto, eles são considerados anormais. Esse é um distúrbio comum, chamado de criptorquidia. Em que consiste? Isso pode ser evitado?
 

Geralmente, os testículos se encontram na bolsa escrotal do bebê no sétimo mês de gravidez. No entanto, cerca de 3% das crianças que nascem apresentam criptorquidia, em um ou em ambos os testículos. Em 98% dos casos, durante o primeiro ano de vida do bebê, o testículo desce de forma natural. Mas o que fazer se isso não acontecer?

O que é conhecido como criptorquidia?

Essa é uma palavra composta de origem grega, cujo significado é ‘testículo oculto’. É um distúrbio que ocorre quando um ou ambos os testículos descem de forma incompleta.

Essa descida deve ocorrer na última fase da gravidez, mas, nesse caso, os testículos permanecem em algum ponto do caminho, como o canal da virilha, a entrada da bolsa ou do escroto ou dentro do abdômen.

Possíveis causas da criptorquidia

Os testículos devem descer naturalmente quando o bebê tiver aproximadamente 9 meses de idade. Embora ainda não sejam totalmente compreendidas, as causas desse problema podem ser:

  • Malformações fetais.
 
  • Problemas genéticos, como uma deficiência hormonal da hipófise ou do hipotálamo.
  • Defeitos anatômicos.
  • Parto prematuro. 
  • Perda de peso ao nascer.
  • Herança genética.
  • Uso de álcool ou cigarro pela mãe durante a gravidez.
  • Exposição dos pais a alguns pesticidas.
a criptorquidia

Como esse distúrbio pode ser diagnosticado?

Não há sintomas a princípio, somente após o partoNesse momento, um ou ambos os testículos do bebê não podem ser palpados na bolsa escrotal.

O diagnóstico deve ser feito por um urologista pediátrico ou um cirurgião pediátrico. Por meio da palpação exata, é possível determinar a posição dos testículos.

O médico também fará outros exames se não conseguir encontrar os testículos. Assim, ele poderá verificar o tipo de distúrbio. Esses exames incluem um teste para estimular os hormônios ou uma laparoscopia com anestesia geral. Em casos mais delicados, pode ser feita uma ultrassonografia ou uma ressonância magnética (RM).

 

Tratamentos recomendados

Se os testículos não descerem espontaneamente durante os primeiros meses de vida do bebê, os seguintes tratamentos são recomendados:

Terapia hormonal

Nessa alternativa, o médico utiliza certos hormônios, tais como a gonadotrofina coriônica humana (HCG) e o hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH). Eles ajudam na liberação da testosterona que, por sua vez, garante que os testículos desçam.

O hormônio HCG é injetado no músculo e o GnRH é administrado através de nebulização nasal. No decorrer do tratamento, os dois hormônios podem ser combinados.

“É um distúrbio que ocorre quando um ou ambos os testículos descem de forma incompleta.”

Intervenção cirúrgica

Essa operação é chamada orquidopexia ou funiculolise. Nela, o especialista faz um pequeno corte na virilha. Em seguida, libera o cordão espermático e o puxa imediatamente para baixo.

Depois, ele costura os testículos no fundo da bolsa escrotal de forma firme. Essa intervenção só é realizada quando o tratamento hormonal não funciona, quando a posição dos testículos é anormal ou, também, quando há uma hérnia inguinal ao mesmo tempo.

 
a criptorquidia

5 sérias consequências de não tratar o testículo oculto a tempo

A criptorquidia tardia pode causar, a longo prazo, sérios danos ao tecido testicular devido à sua posição anormal. Algumas das consequências que podem ser mencionadas são: 

  • Hérnia inguinal: essa malformação dos testículos aumenta o risco de uma hérnia na virilha.
  • Torção testicular: quando os testículos e o cordão espermático sofrem essa torção, ocorre um distúrbio circulatório agudo. Geralmente, isso exige tratamento imediato com intervenção cirúrgica.
  • Compressão testicular: é causada por lesões que surgem ​​no local onde um ou ambos os testículos estão presos.
  • Esterilidade: se o tratamento não for realizado a tempo, o tecido testicular pode ser danificado e, como consequência, serão produzidos poucos espermatozoides.
  • Câncer testicular: isso pode ocorrer se o tratamento for feito muito tarde ou até mesmo se não for feito. Na idade adulta, o risco desse tipo de câncer é maior.
 

Lembre-se de que, se a criptorquidia não for corrigida nos primeiros 6 meses de vida da criança, será necessário um tratamento, que deve terminar antes do primeiro ano de vida da criança.

Como pais, devemos examinar os nossos filhos constantemente durante o primeiro mês, após os 6 meses e depois a cada ano até que a criança chegue à puberdade. Assim, podemos evitar maiores consequências a longo prazo.