5 chaves para cuidar da saúde digestiva do seu bebê

Vamos mostrar aqui as melhores dicas a seguir para melhorar a saúde digestiva do seu bebê e, assim, evitar os desconfortos e as dores mais frequentes.
5 chaves para cuidar da saúde digestiva do seu bebê

Última atualização: 03 junho, 2022

Para cuidar da saúde digestiva de um bebê, pode ser necessário implementar uma série de dicas ou estratégias específicas. Dessa forma, algumas causas frequentes de dores abdominais podem ser prevenidas, situação que motiva o choro do bebê e o esgotamento dos cuidadores.

Normalmente, o desconforto intestinal é causado pela digestão ineficiente ou pelo consumo de certos produtos de baixa qualidade em alimentos complementares.

Antes de começar, é importante ressaltar que o aleitamento materno exclusivo é recomendado durante o primeiro ano de vida. Assim, são fornecidas substâncias bioativas capazes de proteger o sistema imunológico intestinal e melhorar seu funcionamento. Além disso, promove-se o desenvolvimento de uma microbiota competente, que garante a absorção dos nutrientes essenciais contidos nos alimentos.

Tome nota das dicas a seguir para preservar a saúde intestinal de seus filhos e coloque-as em prática hoje mesmo!

Estratégias simples para cuidar da saúde digestiva do bebê

A seguir, mostraremos algumas orientações e hábitos simples que você pode adotar em casa para cuidar da saúde digestiva do seu bebê.

1. Inclua alimentos ricos em fibras desde o início

Uma vez iniciada a alimentação complementar, é importante garantir a presença de produtos com alto teor de fibras. Foi comprovado que essa substância ajuda a prevenir a prisão de ventre, que é bastante comum entre os bebês.

A fibra natural consegue aumentar o volume do bolo fecal e estimular a ativação dos mecanorreceptores do trato digestivo, o que ajuda a ter um trânsito mais eficiente.

Por outro lado, a fibra alimentar é o principal substrato energético para as bactérias que compõem a microbiota. Portanto, fornecer esse nutriente com frequência permitirá que os microrganismos que habitam o intestino se reproduzam e desempenhem suas funções de maneira otimizada. Assim, também será menos provável que se desenvolvam infecções por germes patogênicos.

Os cítricos e as maçãs são ótimas fontes de fibra para os pequenos. Além disso, seu sabor e sua textura costumam ser bem aceitos por todas as idades.

2. Garanta a correta hidratação do bebê

Consumir fibras é importante, mas você também deve garantir um bom estado de hidratação no ambiente interno. A água contribui com fibras para gerar maior estimulação dos receptores intestinais e potencializar os movimentos peristálticos.

Segundo pesquisa publicada na revista Jornal de Pediatria, a ingestão regular e suficiente de líquidos é essencial para prevenir a prisão de ventre. No entanto, não é qualquer bebida que serve, pois a água em sua forma mais pura é a bebida por excelência para os seres vivos.

É fundamental escolher sempre a água mineral natural, pois é a melhor ferramenta para garantir uma boa hidratação.

3. Planeje refeições menos volumosas e mais variadas

Bebês que costumam ter problemas de gases ou digestivos no geral se beneficiarão mais com o aumento do número de mamadas ao longo do dia e com volumes menores. Assim, conseguirão uma maior eficiência no funcionamento digestivo e o intestino terá cada vez menos trabalho. Isso tornará o desenvolvimento de desconforto menos provável.

Além disso, será necessário evitar certos alimentos irritantes, como aqueles com sabor apimentado ou temperos culinários em abundância. Embora possam ser positivos para a saúde, eles estimulam excessivamente o trato digestivo e causam maior inflamação e distensão no intestino do bebê.

4. Inclua alimentos com enzimas digestivas

Alguns alimentos possuem uma série de enzimas digestivas do tipo proteolítico em seu interior, como o mamão e o abacaxi. Esses compostos facilitam a digestão e a posterior absorção de nutrientes, o que facilita a digestão.

Portanto, esses alimentos são uma excelente opção para finalizar uma refeição, principalmente quando ela é volumosa.

5. Promove a atividade física

Desde as primeiras fases da vida, é aconselhável estabelecer uma boa rotina de atividade física. Através do exercício, os níveis de inflamação no corpo são mantidos sob controle e o risco de desenvolver patologias digestivas e outras doenças complexas é reduzido.

Embora os bebês ainda não sejam candidatos a esportes, incentive a brincadeira livre e ativa ao ar livre.

tempo de barriga para baixo bebê no cobertor no jardim estimulação do neurodesenvolvimento desenvolvimento do cérebro estimulação precoce
Incentive a brincadeira livre fora de casa como estratégia de prevenção de doenças e promoção do desenvolvimento integral da criança.

Coloque em prática as dicas para cuidar da saúde digestiva do bebê

Como você viu, é possível implementar uma série de dicas para cuidar da saúde digestiva do bebê e evitar que ele tenha problemas intestinais que alterem seu bem-estar. De qualquer forma, se o problema persistir mesmo após a implementação dessas dicas, é melhor consultar um especialista.

Para terminar, deve ser dada especial ênfase à necessidade de propor uma alimentação variada e equilibrada para estimular o bom crescimento e desenvolvimento dos pequenos. Será necessário garantir a presença de vegetais abundantes e também de produtos lácteos fermentados.

Pode interessar a você...
10 doenças infantis que podem ser evitadas ao lavar as mãos
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
10 doenças infantis que podem ser evitadas ao lavar as mãos

Lavar as mãos de maneira adequada é um método fácil e eficaz para evitar o sofrimento e a propagação de doenças entre as crianças.



  • Bharucha, A. E., & Lacy, B. E. (2020). Mechanisms, Evaluation, and Management of Chronic Constipation. Gastroenterology158(5), 1232–1249.e3. https://doi.org/10.1053/j.gastro.2019.12.034
  • Boilesen, S. N., Tahan, S., Dias, F. C., Melli, L., & de Morais, M. B. (2017). Water and fluid intake in the prevention and treatment of functional constipation in children and adolescents: is there evidence?. Jornal de pediatria93(4), 320–327. https://doi.org/10.1016/j.jped.2017.01.005