4 dicas para fazer caminhadas em família com o seu bebé

Uma trilha pode ser um ponto de encontro familiar e um lugar de aprendizado. Sua mochila está pronta? Pé na estrada!
4 dicas para fazer caminhadas em família com o seu bebé

Última atualização: 01 maio, 2022

Se você é amante de caminhadas, a chegada de um bebê à família não tem de ser um impedimento para a manutenção dessa atividade. O melhor nesses casos é incorporar o novo membro em passeios pela natureza e habituá-lo para que aprenda a gostar disso também. Se você já deseja planejar seu primeiro passeio juntos, não perca as melhores dicas para caminhar em família com seu bebê.

Caminhadas em família com seu bebê

A ideia principal é que todos passem um dia divertido juntos e também, que aproveitem para explorar espaços naturais, recarregar os pulmões com ar puro e relaxar com essa bela atividade ao ar livre. Passeios desse tipo oferecem grandes benefícios físicos, psicológicos e emocionais para pessoas de qualquer idade.

“Estude a natureza, ame a natureza, aproxime-se da natureza. Ela nunca falhará com você.”
-Frank Lloyd Wright-

4 dicas que serão boas para você

A primeira coisa que você deve fazer quando quiser incorporar o bebê em suas caminhadas é planejar tudo com cuidado e com bastante antecedência. Por esse motivo, deixamos aqui algumas dicas que podem ser úteis, especialmente se você é mãe ou pai de primeira viagem e essa é sua primeira experiência. Tome nota!

1. Escolha um bom porta-bebê

O porta-bebê é um elemento essencial para completar a viagem, pois funciona tanto como transporte como como proteção para o pequeno. Os modelos podem variar, mas basicamente você quer ter certeza de que é ergonômico, de boa qualidade e tem fixadores fortes.

De acordo com a idade da criança, é aconselhável transportá-la da seguinte maneira:

  • Até 6 meses: transporte o bebê em um porta-bebê frontal, com o rosto virado para você. Esse tipo de design permite que a cabeça do pequeno fique bem apoiada e você fique ciente de sua condição geral em todos os momentos.
  • 6 a 12 meses: quando a criança já apresentar uma boa posição erguida, você pode passar a usar um porta-bebê nas costas. O ideal é que a barriga do bebê fique em contato com suas costas, evitando usar aqueles em que o bebê fica virado para frente.
homem na montanha portadora de bebê com caminhadas de bebê
Os porta-bebês devem ser ergonômicos, adequados ao peso do bebê e com elementos de boa qualidade. Dessa forma, são evitadas posturas viciosas que prejudicam o bebê ou seus pais.

2. Percurso curto e bem pensado

Fazer caminhadas em família com o seu bebê implica um planejamento prévio muito meticuloso do percurso. O principal é levar em conta a segurança. Portanto, evite caminhos íngremes ou relevos perigosos onde possam ocorrer quedas ou escorregões. Melhor ainda, escolha caminhos planos e bem sinalizados, pois você estará carregando um peso extra e vai se cansar mais rápido que o normal.

Opte por percursos simples, curtos ou com trilhos conhecidos para as primeiras experiências. É fundamental que você saiba onde há locais de descanso e que saiba perfeitamente o caminho de volta, caso precise retornar rapidamente. Um circuito para ir e voltar em poucas horas é suficiente no início.

Para a escolha do percurso, outro dado a se considerar é o clima. Portanto, verifique a previsão do tempo antes de sair e remarque o passeio se estiver ventando muito ou as temperaturas estiverem extremas.

3. Não pode faltar água nem comida

O transporte de água é essencial nesse tipo de excursão e uma boa quantidade deve ser levada. Apenas para adultos, são necessários entre 1,5 e 2 litros de água, de acordo com as recomendações do Valencia Hiking Club.

De fato, os especialistas desse site recomendam beber pelo menos 200 ml de água fresca a cada meia hora, para evitar superaquecimento. A essa quantidade, você deve adicionar a parte das crianças.

Para o bebê, você também tem que levar água quente para preparar a mamadeira. Caso ele já coma alimentos, você precisará de um recipiente que preserve os alimentos sólidos. Também é uma boa ideia levar frutas ou qualquer alimento que sirva como um lanche saudável, como cereais ou biscoitos caseiros.

4. Que não falte nada ao seu bebê: toalhas, trocas de roupa, fraldas, comida…

Revise os elementos da mochila antes de sair, pois é fundamental que você não esqueça o essencial. Lembramos os pontos fundamentais:

  • Higiene: lenços umedecidos, fraldas, trocador, toalha.
  • Agasalhos: trocas de mangas compridas e calça, um cobertor, um chapéu, dois pares de meias.
  • Uma troca extra de roupa leve.
  • Proteção: gel desinfetante, protetor solar, guarda-chuva, repelente de mosquitos.

Lembre-se sempre de trazer sacolas para trazer de volta os resíduos, como restos de comida, fraldas, lenços umedecidos, entre outros.

família sentada em uma pedra no topo das ilhas canárias do vale da montanha
As caminhadas ao ar livre renovam o ar e as energias. E se você planejar com tempo e atenção, é possível apreciá-las com as crianças pequenas.

Vamos todos nos divertir juntos!

Fazer caminhadas em família com seu bebê é uma experiência para desfrutar plenamente. Para os adultos, é fácil se encantar com a paisagem e o silêncio da natureza. Mas tenha em mente que as crianças precisam de um pouco mais de diversão para ter bons momentos.

Evite chegar a essa situação e planeje paradas ao longo do caminho para que você possa tirar os bebês das mochilas, contar histórias para as crianças e propor brincadeiras para elas brincarem enquanto caminham juntas. Afinal, a experiência se presta a conversas, risadas e ao desfrute de um momento valioso e único.

A ideia de fazer caminhadas em família com o seu bebê é torná-lo um passeio divertido para que o pequeno se adapte gradualmente a esse tipo de excursão e logo se torne uma grande aventura ao ar livre. Você verá que com o tempo os pequenos ficarão ansiosos para repetir a jornada quando voltarem para casa!

Pode interessar a você...
6 esportes de aventura para crianças
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
6 esportes de aventura para crianças

Os esportes de aventura são uma alternativa para as crianças interagirem com o ambiente, bem como para o seu desenvolvimento psicomotor.